Minilua

10 Instrumentos musicais considerados ”mágicos”

Os instrumentos musicais são extensões das próprias pessoas e traduzem o surreal para o compreendido. Esta lista foca principalmente no significado de certos instrumentos nas crenças e povos espalhados por todo o globo.
Confira:

Tanbur

O tanbur é uma categoria de instrumentos feitos de madeira com pescoços longos e corpos de ressonância, conhecida por vários nomes, incluindo o Tambur, tanboor, alcatrão e lira. O antepassado de guitarras modernas, que se originou na Mesopotâmia e no sul e centro da Ásia há milhares de anos atrás.

Enquanto muitas culturas adotaram estilos semelhantes para este instrumento, um dos usos mais primários do tanbur foi de ”calmante” e criação de equilíbrio interior. Esse simbolismo foi visto de forma proeminente em um culto religioso do norte da África e no Oriente Médio durante o século 18 conhecido como Zaar (Zar). Esta superstição centra-se na dualidade do bem e do mal e da posse de espíritos humanos por forças malévolas.

Trombeta de Concha

A trombeta de concha é um instrumento de sopro feito a partir de conchas ou grandes caracóis do mar e tem sido usado por várias culturas que vão desde o Caribe até a Mesoamérica, Índia e Tibet, bem como a Nova Zelândia e Ilhas do Pacífico. Estes escudos foram simplesmente soprados e a forma interna criou um som da trombeta.

Na Índia, segundo a tradição hindu, o chifre é um símbolo sagrado do deus Vishnu, representando a fertilidade feminina, prosperidade e vida.

Em tribos mesoamericanas e do Caribe, o instrumento foi fundamental para a caça, guerra e rituais de oração. A antiga cidade de Teotihuacan, no atual México tinha fortes laços simbólicos com a concha. Foi amplamente retratado em obras de arte e usado em cerimônias que celebravam a água e a fertilidade masculina. Sua forma evocada da a impressão de que água flui para fora, alimentando culturas e pessoas, e criando uma nova vida humana. Neste contexto, os chifres representam a virilidade masculina e sexualidade, guerreiros e homens de status elevado eram enterrados com conchas, encontrado em cocares ou perto da pelve.

Alternativamente, em várias culturas das ilhas do Pacífico, como Fiji, a trombeta de concha foi usada para anunciar a chegada de convidados em uma aldeia ou em cerimoniais fúnebres, onde seu som iria acompanhar o corpo de um chefe falecido até o fim do caminho de sua vida em enterro.

Ocarina


A ocarina é um pequeno instrumento de sopro, provavelmente originado perto de 10.000 a.C. Tradicionalmente construído a partir de osso ou de barro, ele também é feito de muitas substâncias, como pedra, madeira, plástico ou metal. Este aparelho é composto de uma câmara oca, com um bocal saliente e vários buracos que são cobertos pelos dedos para produzir vários sons. Ocarinas com formas especiais, incluindo animais, seres humanos, deuses ou monstros, também foram desenterrados na América do Sul e Central.

Historicamente, eles foram usados ​​em rituais de culturas mesoamericanas, onde eles produziram belos tons surreais e segundo eles, poderiam  falar com os deuses,e animais, e até mesmo enviar seres humanos em um estado de transe misterioso. Mais recentemente, a ocarina foi popularizada no clássico jogo de vídeo game The Legend of Zelda: The Ocarina of Time, onde o item concede ao jogador a capacidade de controlar o tempo, teletransporte entre locais, portas abertas, e até mesmo viajar através do tempo.

Harpa de Boca


A harpa de boca, também conhecido como harpa ou mandíbula harpa de um judeu, é um instrumento de arrancada que consiste em um quadro que contém uma cana de vibração, feita de metal, cana, ou bambu. Realizada entre os dentes, a palheta é jogada com os dedos, e suas vibrações são modificadas, alterando a forma da boca. Suas origens podem ser traçadas ao século IV na China, mas o seu design de metal mais moderno, adotada por muitos países europeus, Oceania, e culturas asiáticas, acredita-se ter evoluído perto do século 13.

A harpa mandíbula tem sido usada há séculos em rituais xamânicos e encantamentos por povos tribais da Mongólia e Sibéria, desde para induzir transes até curar doenças. Ela também tem sido usada para a cura espiritual e conexão com o mundo natural em outros lugares, como Malásia e Indonésia, onde seu som imita pássaros, insetos, sapos e plantas da floresta tropical, cura melancolia, tristeza e ainda serve de passatempo.

Mbira

O mbira é um instrumento portátil criado pelo povo Shona do atual Zimbabwe a mais de 1.000 anos atrás. É constituída por uma série de dentes metálicos ou barras de metal arrancadas, montado sobre uma placa de som de madeira.

Tradicionalmente, este instrumento tem mantido uma posição chave na espiritualidade do Shona, que mantêm fortes ligações com os espíritos de seus antepassados. Usado como um ”telefone para os espíritos“, o mbira lhes permite falar com os espíritos tribais e pedir orientação, acompanhado por músicas, orações e poesia. Isso é mais comum durante a cerimônia de Bira, um ritual de possessão espiritual, onde os espíritos são chamados a participar na lembrança de sabedoria, comunidade e tradição. O povo Shona também usa a música dos mbira para controlar os ciclos de chuva e de seca para as culturas, curar os enfermos, e afastar os espíritos nocivos.

Gongo

O gongo é um instrumento de metal e percussão que se originou na China por volta de 3500 a.C e foi adaptado por várias culturas em todo o Sudeste da Ásia e da África. É um grande disco simples de metal, geralmente de bronze ou latão, que fica suspenso e se bate com um tipo de martelo.

Embora tradicionalmente seja usado para festas, orações, e o anúncio de cerimônias sagradas, seu som alto, distintivo também foi ideal para a comunicação. Por exemplo, na província de Zhejiang, gongos foram usados no cais, onde atraíram convidados que desembarcavam de navios e navios ainda sinalizadas perto de terra em tempos de forte neblina ou baixa visibilidade. O jogo do gongo foi associado no budismo antigo com rituais de cura, oração e meditação. Ao longo da história chinesa, gongos têm sido muitas vezes considerados sagrados, e acredita-se que a essência do ”tocador”de gong” está impregnada dentro do próprio metal. Se uma pessoa tocar um gongo, essa pessoa seria dotado de felicidade, sorte e boa saúde.

Didgeridoo

Povos aborígines do norte da Austrália desenvolveram este instrumento de sopro estranho a mais de 1.500 anos atrás. Chamado por muitos nomes em várias tribos, e ainda em uso até hoje, o didgeridoo é, um chifre de madeira criado de um galho de madeira morta e revestido com cera. Pessoas habilidosas podem até mesmo usar técnicas de respiração circular para manter uma nota por mais de 45 minutos.

Dizem que é a voz da própria Terra, o didgeridoo há muito tempo acompanha os aborígenes nas músicas e danças de cerimônias, representando a sua conexão com a natureza e com o reino espiritual invisível. Segundo a tradição indígena, a compreensão dos sons e padrões de tempo com a melodia monótona do didgeridoo, cria uma consciência compartilhada entre as pessoas e a própria Terra.

Violino


A mitologia do violino, um instrumento de cordas de madeira tocado com um arco, existe no folclore americano e pode até ter raízes no Antigo Testamento da Bíblia. Na antiga tradição religiosa abraâmica, acredita-se que as vozes dos anjos representam uma ligação com Deus, enquanto a voz do diabo, contraponto de Deus, que se manifesta através dos sons de instrumentos feitos pelo homem. Este mito tem evoluído misteriosamente na cultura ocidental, supostamente por meio do desenvolvimento do violino nos últimos séculos no início do protestante e reformas católicas.

Ao longo do tempo, a imagem do diabo como um ”ímpio tocador de violino” evoluiu e ganhou aceitação. Isso tem sido visto mais recentemente em uma canção 1979 por The Charlie Daniels Band, “The Devil Went Down to Georgia”, um conto sobre um violinista habilidoso chamado Johnny que lutou contra o diabo em um concurso de violino, apostando sua alma contra o diabo do mágico violino de ouro.

Tambores

Entre os instrumentos musicais mais antigos e mais variados de todos, os tambores têm origens em quase todas as antigas culturas humanas. Objeto simples feito de madeira, metal, ou pele e tocados com varas ou à mão, os tambores foram utilizados por dezenas de milhares de anos em rituais de oração, guerra, comunicação e dança.

Na antiga Mesopotâmia, mais de 8.000 anos atrás, acreditava-se que os tambores foram usados para criar sons sagrados durante reuniões, cerimônias e batalhas. Além disso, em várias partes da África, “tambores falantes” foram utilizados como ferramentas de comunicação, fazendo músicas que podem viajar longas distâncias entre as aldeias e em vastas planícies. As pessoas que tocavam esses tambores usavam ​​diferentes técnicas para imitar a voz humana, criando sons que correspondem a palavras e frases. Esta forma diferente de expressão foi muitas vezes utilizado em rituais de louvor, onde os sons criados por tambores específicos representavam diferentes divindades que falavam com eles de formas únicas que as pessoas da tribo poderiam facilmente reconhecer.

Assobios da Morte

Este instrumento musical fascinante e aterrorizante origina da antiga cultura asteca, onde ele foi usado para uma variedade de fins macabros e assustadores. Esses apitos ocos eram geralmente esculpidos na forma de um crânio de barro, osso, pedra e até mesmo jade. Sua forma representando as emoções tinha o intuito de incutir no seu ouvinte: medo e pavor. Quando soprado, ele cria um som medonho que lembra um “grito”, como o vento correndo em um ritmo furioso.

Assobios da Morte foram amplamente utilizados em cerimônias atribuídos ao deus do vento, Ehecatl, e Mictlantecutli. Sacerdotes astecas usavam esses assobios durante os rituais de sacrifício humano, onde se acreditava que seu som ajudaria a orientar a alma da vítima após a morte e apaziguar os deuses. Como alternativa, os assobios de morte também podem ter sido usados em rituais de cura ou na batalha, onde um grande grupo de guerreiros que usavam esses instrumentos certamente aterrorizavam seus inimigos com uma parede ensurdecedora de gritos.

Fonte: Ócio Funcional