Minilua

Ashura, o sangrento ritual muçulmano

Muitas vezes a religião, seja ela qual for, faz com que as pessoas deixem de lado a razão e a racionalidade. Isso abre espaço para diversos absurdos, como o fanatismo e atos impensáveis.

 

Ashura

Os muçulmanos acreditam no Alcorão, um livro sagrado que, para eles, guarda a palavra de Deus. Eles crêem que ele é, literalmente, a “palavra de Alá”, por isso eles seguem esse livro e todas suas regras, até mesmo as mais absurdas.

Assim como as outras grandes religiões do mundo, o islamismo também possui suas subdivisões. Dentro desse sistema de crença existem os sunitas e o xiitas. Essas duas seitas, por sua vez, se dividem em grupos menores. Como paralelo podemos citar os católicos e os evangélicos, cada um sendo um grupo com diversos segmentos menores dentro.

Os xiitas são conhecidos por serem altamente fiéis as escrituras e as suas crenças, por isso, muitas vezes, são chamados de radicais.

O calendário islâmico é totalmente diferente do nosso, por isso, eles comemoram o ano novo em outra data. Dez dias depois da virada, é o dia de Ashura, também conhecido como o dia de Muharram. Nessa data, eles comemoram a libertação dos judeus da escravidão no Egito, pelas mãos de Moisés e também louvam o sacrifício de Husayn ibn Ali, neto de Maomé (o grande profeta dessa religião).

Para relembrar o sacrifício de Husayn, que morreu em batalha com sua família e alguns “chegados”, o que incluía mulheres e crianças, o povo sacrifica seu próprio corpo em celebração. Os xiitas saem a rua, munidos de chicotes com pontas de aço ou espadas, e batem em seu próprio corpo até sangrar. O mais estranho de tudo isso é que as crianças também participam desse ritual.

Muitos se batem até as forças abandonarem o corpo. As cenas desse ritual são fortes e sangrentas, então se você não gosta de sangue, melhor parar por aqui: