Minilua

Uma breve história da Terra #5

Nem milhares, nem milhões, a Terra tem bilhões de anos e sua história começou muito antes de qualquer criatura viva estar por aqui:

Permiano

A calmaria no planeta era total. O grande continente de Pangeia permita que os animais se desenvolvessem como nunca, com todo espaço habitável sendo acessível com uma “simples” caminhada. Porém essa vantagem também trouxe problemas enormes para a vida terrestre.

O fato do continente ser muito extenso, fazia com que a umidade vinda do mar só chegasse a pequenas porções de terra perto da costa. O interior do Pangeia era seco e desértico, o que tornou a vida impraticável para a grande maioria das espécies. Nessa época, os répteis começaram a assumir a Terra para si, ganhando tamanho e também chegando ao topo da cadeia alimentar.

Um dos seres mais interessante daquela época era o Dimetrodon, uma espécie de mamífero misturado com réptil. Ele não possuía predador e era o topo da cadeia alimentar. Sua aparência lembrava os dinossauros, mas não era um deles. Seu tamanho chegava aos 4,6 metros e tinha uma espécie de moicano espinhal:

A grande extinção da Terra

O tempo de paz do Permiano tinha feito a vida florescer, apesar das dificuldades. Contudo, alguma coisa estava acontecendo em algum lugar do mundo. Esse fenômeno, que até hoje ainda é um mistério, casou a maior extinção em massa do planeta. 95% de todos os seres marinhos sumiram, e mais de 70% dos que estavam em Terra viraram história.

Algum desequilíbrio no clima da Terra fez com que algo matasse quase todos os animais do mundo em um curto período de tempo. Até hoje ninguém conseguiu firmar uma hipótese sobre esse acontecimento, pois sua força é anormal. Mesmo assim existem algumas ideias:

O primeiro a ser acusado foi um vulcão. Acredita-se que uma grande erupção, na região que hoje é a Sibéria, tenha explodido no final dessa era. Nesse cenário, o dióxido de carbono teria tomado a atmosfera, desencadeando um acidente mundial, que destruiu diversos seres. O principal efeito desse gás teria sido o aumento drástico de cinco graus na temperatura planetária. Isso poderia ter liberado o gás metano existente no fundo do oceano e assim exterminado os seres aquáticos e também os terrestres.

Outra ideia aponta para bactérias que geram sulfeto de hidrogênio. O acúmulo desse gás no fundo do oceano poderia ter sido liberado, também tendo causado a morte de todos no caminho.

Algumas outras ideias mais loucas também tentam explicar essa catástrofe que mudou o rumo do planeta, mas ainda faltam evidências.

A verdade é que esta extinção foi o mais perto que nosso planeta já estava de ver a vida perder a luta da sobrevivência, mas ela resistiu e uma nova era do mundo estava para começar.

O mundo devastado era perigoso, porém tinha vantagens. Havia muito espaço naquele lugar desolado e os mais fortes tinham sobrevivido, criando uma geração ainda mais resistente de seres vivos. Os répteis conhecidos como archosauria estavam vivos e sua hora de brilhar tinha chegado

O Permiano se despedia do mundo com uma perda enorme, mas abria as portas para o Triássico e os novos donos da Terra começavam a espalhar suas garras…