Minilua

As camisas de futebol mais feias da história #3

Dando continuidade a nossa série das “Camisas de futebol mais feias da história”, vamos conhecer as escolhidas dessa edição. Analisando cada uma delas é possível perceber que o criador das mesmas pareceu acreditar que a sua ousadia seria um sucesso, algo que obviamente não deu certo.

Há também a situação de camisas comemorativas e também que são desenvolvidas a pedidos de patrocinadores que injetam grandes quantias de dinheiro no clube e que por isso exigem algum tipo de arte que faça alusão a marca ou então que agrade algum executivo.

Por fim, há também as direções que criam camisas “diferentes” para desviar o foco de conflitos políticos que possam estar havendo internamente e principalmente, para atrair a atenção dos torcedores e da imprensa, mascarando assim um mal momento do clube dentro de campo.

Sem mais conversa, confira as camisas mais feias dessa edição. Divirta-se!

Se dentro de campo as coisas iam de mal a pior, fora de campo o bravo Huddersfield trazia alegria ao público. Essa obra de arte é da temporada 91.

O Heeneven vivia um ótimo momento e estava tendo um caso de amor com a torcida, por isso nada melhor do que colocar corações na camisa do time.

A camisa de goleiro da Estônia ainda é um mistério.

Em 1996, a camisa do goleiro da seleção inglesa era bastante alegre e animada, bastante diferente do que se encontra na Inglaterra.

O Dundee tentou inovar e usou arte surrealista em sua camisa, será que deu certo?

Esse é o uniforme estilo “Chiquititas” do Dundee na temporada 53.

O Colorado Caribous foi longe demais com a sua camisa estilo cowboy.

O que dizer da camisa da temporada 96 do modesto Bochum.

A camisa do Birmingham City em 1972 parecia mais o manto da seleção alemã.

Um exemplo de influência dos patrocinadores pode ser visto na camisa do Athletic Bilbao. A temporada era 2004 e o clube tinha parcerias pontuais com uma marca de ketchup. Na época, o clube negou, dizendo que se tratava de uma arte inspirada nas obras de Salvador Dalí.

Gostou do artigo? Deixe o seu comentário.