Minilua

Coisas cotidianas inventadas para motivos totalmente diferentes

Existem objetos que são usados por nós há tanto tempo para o mesmo fim, que acabamos pensando que eles foram inventados justamente para aquele propósito. Veja agora algumas coisas cotidianas que foram inventadas por motivos totalmente diferentes dos quais nós estamos acostumados a usá-las:

Vibradores

O vibrador é um item que muitas mulheres possuem, embora algumas tem vergonha de admitir isso. Mas, curiosamente, o vibrador não foi inventado para fins de prazer.

Ele foi inventado pelos médicos para “massagear” mulheres que sofriam de “histeria”, que é uma doença causada por perturbações no útero e que, segundo a psicanálise, é uma neurose complexa caracterizada pela instabilidade emocional. É uma doença psíquica, na qual os conflitos interiores manifestam-se em sintomas físicos, como por exemplo, paralisia, cegueira, surdez, etc.
Antes da invenção do vibrador, as mulheres que sofriam de histeria frequentemente visitavam um médico para realizar uma “massagem pélvica”. Considerando o “tratamento” envolvido, não é realmente surpreendente que as mulheres que sofriam de histeria programavam muitas visitas ao médico. Os próprios médicos logo se cansaram de realizar as tais massagens, e inventaram o vibrador para fazê-lo em seu lugar. Inicialmente, os vibradores foram consideradas instrumentos médicos, sendo mantidos em hospitais e operados por “pessoas especializadas”. Com o tempo, eles deixaram de ser usados para fins medicinais, se tornando amplamente vendidos para satisfazer o prazer feminino.

Gravatas

A origem da gravata esta na peça de roupa que os soldados croatas que participaram da Guerra dos Trinta Anos usavam em torno de seus pescoços para ajudar na identificação de aliados ou inimigos no campo de batalha e para manter seus colarinhos juntos. Algumas peças eram feitas de seda, o que também ajudava a proteger os soldados de uma possível degola, já que a seda, por vezes, impedia que o fio da faca passasse e alcançasse o pescoço.

Depois da guerra, essa peça foi considerada como parte da roupa masculina, sendo mais tarde adotada por mulheres durante os anos 1920 e 1930, quando atrizes começaram a usá-la. A gravata como a conhecemos só tomou sua forma em 1924, quando Jesse Langsdorf patenteou o método em que a maioria dos laços de hoje são feitos.

Coca-Cola

A nossa deliciosa bebida foi inventada por um motivo bem diferente do qual imaginamos. Ela foi inventada por John Pemberton, um farmacêutico e veterano da Guerra Civil dos EUA, que tinha sido ferido na Batalha de Columbus. Assim como qualquer outro soldado ferido na época, Pemberton começou a usar morfina para diminuir a dor de seus ferimentos. Por conta do uso continuo de morfina, tornou-se viciado a ela. Muitos soldados da época se tornaram viciados, a questão da dependência de morfina após a Guerra Civil dos Estados Unidos era tão grave que ela foi chamado de “doença do exército”.
Enquanto Pemberton procurava uma cura para o vício, ele inventou uma bebida chamada “French Wine Coca de Pemberton”, que era um vinho alcoólico misturado com noz-de-cola e folhas de coca, da qual a cocaína é derivada. Na época, a bebida foi anunciada como uma bebida intelectual, vigorante do cérebro e tônica para os nervos. John Pemberton parou de usar o vinho alcoólico em 1886, quando a nova legislação restringiu a venda de álcool. Ele formulou a bebida nova, não-alcoólica, com uma mistura de açúcar de cana, folhas de coca e noz-de-cola, para que se torna-se uma bebida medicinal que curasse o vício da morfina. Ele montou uma empresa para produzir a bebida, mas depois vendeu suas ações. Os novos proprietários pesaram em vários nomes, incluindo “Koke” e “Yum Yum” antes de se decidir por Coca-Cola.

Salto Alto

O grande aliado das mulheres na verdade foram inventados e usados primeiro pelos homens.
Os primeiros saltos altos foram feitos por soldados persas no século 16. Esse tipo de sapato não foi projetado para caminhar (bem óbvio). Ao invés disso, eles foram feitos para dar aos soldados da cavalaria estabilidade para que eles pudessem atirar seus arcos com maior eficiência ao montar cavalos.

O salto alto chegou na Europa em 1600, quando foram usados ​​por pessoas de classe superior. Era de conhecimento geral que o tal sapato, o que não foi feito para andar, só poderia ser utilizado para caminhar por alguém que não tivesse que trabalhar, o que só pode significar que este era um membro da classe alta. O incrível é que as mulheres começaram a usar saltos em um esforço para parecer mais com os homens. Os homens usavam saltos mais largos, enquanto as mulheres usavam saltos mais finos. Os homens só pararam de usar saltos porque este não era mais considerado como um símbolo de status para eles desde que as mulheres também passaram a usa-lo.