Como surgiu o panetone?

Fim de ano se aproximando, momento de confraternizar com os amigos, e claro, não menos importante, provar um delicioso panetone. De origem italiana, a iguaria é um dos alimentos mais consumidos no natal, e difundido por diversas famílias ao redor do mundo. Conheça um pouquinho da história desta saborosa guloseima.




História

A história do panetone, diferente do que muitos imaginam, não tem uma sustentação histórica definida. Dessa forma, são várias as versões difundidas sobre sua criação, e disseminação ao redor do mundo.




Conheça alguns exemplos:

Século XV, um italiano chamado Toni, ajudante da cozinha de Ludovico Sforza (duque de Milão), se vê em uma situação bastante inusitada. Sua filha estava prestes a casar, e ele dispondo de pouco capital, acabaria criando uma espécie de pão doce como forma de presentear a garota. Teria sido criado então, o chamado “pan de Toni”, posteriormente sendo chamado de Panettone (Pão do Toni).

Outra versão também envolveria o duque milanês. Em uma cerimônia de natal, seu cozinheiro queimaria a sobremesa principal da noite. Diante disso, até buscando uma solução emergencial, ele acabaria recorrendo ao seu subalterno, Toni, que havia criado uma espécie de experiência. A experiência, oferecida ao duque, nada mais era que um saboroso pão doce. Certo tempo depois, Sforza perguntaria a seu súdito sobre o nome da guloseima, não encontrando melhor resposta, ele atribuiria o nome de “pan de Toni” ao prato.




Curiosidades

- Além das versões acima, existem aqueles que acreditam que o Panetone foi sendo aprimorado com o passar dos anos, e não apenas de modo unilateral.

- Dentro desse contexto, um outro momento que merece destaque é a chamada ““Cerimônia do Tronco”. A celebração, por sua vez, acontecia da seguinte forma: Na véspera do natal, os antigos italianos marcavam uma cruz no alto das porções das massas. Após o processo, se colocava um tronco de árvore na lareira da residência, atirando um pouco de vinho nas chamas produzidas.

- Ao término do processo, se tomava um gole da bebida, repassando a garrafa para os demais membros da cerimônia.

- No Brasil, a tradição de se consumir panetones surgiu após a Segunda Guerra Mundial, através dos imigrantes italianos. Por aqui, são comercializadas diversas versões do produto, desde os modelos mais tradicionais com frutas cristalizadas, ou ainda, os modelos mais elaborados, com gotas de chocolate.




Como preparar um chocotone

150g de manteiga sem sal, amolecida, ½ xícara (chá) de açúcar (80g), 4 gemas, 1 ovo, 3 colheres (sopa) de mel (65g), 4 colheres (sopa) de óleo (50ml), 1 colher (chá) de raspas de limão, 1 colher (sobremesa) de raspas de laranja, ½ colher (café) de noz-moscada ralada, 2 colheres (sopa) de rum, 1 colher (chá) de canela em pó, 4 xícaras (chá) de farinha de trigo (480g), 2 xícaras (chá) de Dessert Gotas para Confeitaria (300g).




Para a fermentação:

4 tabletes de fermento biológico (60g),
3 colheres (sopa) de açúcar,
1 xícara (chá) de leite morno (200ml),
2 ovos,
2 xícaras (chá) de farinha de trigo (240g)




Modo de Preparo:

Fermentação: Numa tigela grande coloque o fermento e o açúcar e misture até dissolver, junte o leite, os ovos, a farinha e misture bem. Cubra com filme plástico e deixe crescer por 30 minutos.

Massa: Coloque na batedeira a manteiga, o açúcar, as gemas, o ovo, o mel, o óleo, as raspas, a noz-moscada, o rum e a canela. Bata até obter um creme. Desligue a batedeira, junte este creme à massa crescida (fermentação) e adicione aos poucos a farinha de trigo. Sove a massa até ficar macia e homogênea. Cubra com filme-plástico e deixe crescer até dobrar de volume.

Abra a massa sobre uma superfície enfarinhada e espalhe as Gotas Dessert. Enrole a massa e divida em 3 partes iguais. Coloque-as em formas descartáveis de 500g para panetone e deixe descansar por 30 minutos. Leve ao forno médio, preaquecido, por cerca de 30 minutos. Retire do forno e deixe esfriar e embale em celofane transparente ou embalagem própria para panetone. Finalize com um laço.

Rendimento: 3 chocotones

Tempo de preparo: 1 hora

  1. Vitor Pitta

    29 de novembro de 2011 em 21:24

    interessante 😀 esse pão é o meu favorito com certeza!!!

  2. Malicia da Web e Cia

    30 de dezembro de 2010 em 21:09

    Tem que pedir receita de panetone pro pessoal do congresso!

  3. Jorge William

    24 de dezembro de 2010 em 14:08

    É bom nessa época de verão no natal rechear o panetone com sorvete pra comer na ceia

    http://loterias-sorte.blogspot.com/

  4. leandro cesar ribeiro

    23 de dezembro de 2010 em 19:25

    Bem interessante o post!! ^^

    Trabalho em uma padaria e também faço panettones. Eu li nas caixas que usamos para embalar os panettones uma história mais ou menos parecida com a 1ª do post!!

    Nela dizia que também no século XV na cidade de Milão, um jovem se apaixonou pela filha de um padeiro, mas o pai da garota não aprovava o namoro dos dois. Então o jovem decidi se tornar ajudande de padeiro, e foi trabalhar para o pai dela. E para impressionar o seu futuro sogro, ele decidi criar um novo tipo de pão doce, bem maior que os outros. Ele atribui o nome desse pão ao pai da garota, que se chamava Toni. Esse novo pão fez o maior sucesso na padaria, todos que lá iam pediam pelo ‘PÃO DO TONI”.
     Agora não sei se com essa criação o cara conseguiu ficar com a garota, mas a história é mais ou menos por ai!! kkk ^^

4 Comentários
mais Posts
Topo