Como a tecnologia está tomando o controle de nossas vidas

Já virou um clichê de tanto que vem se falando em como a tecnologia vem mudando, e de certa forma, assumindo o controle de nossas vidas.

Já parou para pensar quanto tempo você gasta por dia checando uma tela de smartphone, tablet, PC? Pois é, até mesmo aqueles momentos de passar com os amigos e a família estão se perdendo, afinal o vício acaba falando mais alto e parece que já é “normal” ficar conferindo nossas redes sociais enquanto deveríamos estar, na realidade, interagindo com outras pessoas.

Jean Jullien retrata muito bem as pequenas ações do nosso cotidiano, nos revelando o quão dependentes estamos dessa vida conectada. Com uma pitada de humor, ele nos mostra como essa compulsão pela tecnologia criou uma nova escravidão, em que necessitamos estar frequentemente em frente a uma tela para sermos alguém.




O estranho do metr/h2>

1




Liberdade

3




Fotos

4




Show ao vivo

6




Jantar em família

8




Nunca sozinho

10




Apple anuncia revolução

11




Lazer e vida moderna

12




Grilhões

14




Evolução da fotografia

15




Gerações Hipster

17




"Para onde foram todas as pessoas divertidas?"

18




Em todos os momentos

22




Avatares

25




QR Code

27

Gostou do post? Então não esqueça de compartilhar logo abaixo!

Curta nossa página no Facebook: https://www.facebook.com/Minilua

E se inscreva em nosso canal para acompanhar nossos vídeos semanais clicando na imagem abaixo!

minilua.jpg

  1. André Silva

    15 de dezembro de 2015 em 04:19

    Acho que já encheu o saco esses artistas ironizando o mundo de hoje e sua tecnologia. Eu mexo bastante no celular, mas só em momentos que não estou com ninguém ou não estou lendo nada. Quando estou saindo com amigos ou conversando com alguém eu praticamente esqueço que existe celular, a pessoa tem que ser muito desagradável pra mexer no celular enquanto alguém está tentando conversar com ela. Quando uma pessoa começa a falar comigo, a primeira coisa que faço é enfiar o celular mo bolso.

    • Willyam Ricardo

      15 de dezembro de 2015 em 12:53

      Verdade ,mas o pior é que existe mesmo e é um saco -_-

    • André Silva

      15 de dezembro de 2015 em 04:30

      No*

  2. Wagner

    14 de dezembro de 2015 em 21:16

    Quando eu meus amigos saímos e vemos que alguém tá isolado enchendo o saco mexendo no celular, combinamos que o próximo a mexer num trem daquele pagará a conta ._.

  3. Lynn Rock

    14 de dezembro de 2015 em 10:48

    As pessoas não precisam parar de se conectar, só tem que estipular um limite, pra não deixar de viver e ficar só na tecnologia.

  4. Maicon Moura

    14 de dezembro de 2015 em 01:06

    O irônico é ver uma matéria sobre o vício em internet, na própria internet.
    Mais irônico que isso, só o fato de eu escrever um comentário ironizando o vício na internet, na própria internet, pela internet.

    • Patrick Michael

      18 de dezembro de 2015 em 22:31

      Pô…bugou geral minha cabeça manow!kkkk

    • Willyam Ricardo

      15 de dezembro de 2015 em 12:51

      O sentido da critica é pelo fato do exagero e a falta de ordem do uso da tecnologia ,não quer dezer q vc deve abandona-la pra sempre

  5. Francisco Guimarães

    14 de dezembro de 2015 em 00:21

    “O oposto do vício não é a sobriedade. O oposto do vício é a conexão.” https://www.youtube.com/watch?v=ao8L-0nSYzg

  6. SatanLuvsU

    13 de dezembro de 2015 em 23:22

    *andando na rua, mando uma mensagem de texto pra minha mãe dizendo o quanto eu amo e aprecio ela*
    *artista de rua ranzinza de meia idade me vê no celular e faz uma obra mostrando o quanto a tecnologia destroi as relações das pessoas e é o câncer da sociedade*

  7. Rian Oliveira

    13 de dezembro de 2015 em 20:26

    Realmente tá difícil hoje em dia.

  8. Marlon de Arruda Antunes

    13 de dezembro de 2015 em 19:27

    Tecnologia, assim como muitas coisas, é benéfica desde que o homem saiba usar. A partir do momento que exagera na dose, faz mal. Pena que a maioria é tão acomodada com a vida que leva, que não percebe o quanto essa escravidão tecnológica é prejudicial. Resta àqueles que sabem maneirar, conscientizar as pessoas ao redor.

  9. Caciano

    13 de dezembro de 2015 em 17:45

13 Comentários
mais Posts
Topo