Contos Minilua: A Menina #125

Sim, e para participar, é muito fácil. Para tal, envie o seu texto para: [email protected]! A todos, uma excelente leitura!




A Menina

Por: Vítor Basílio

A menina acordou assustada. Onde estava? O que havia acontecido? Os olhos embaçados. Esfregou-os lentamente. Reconheceu seu quarto com alguma dificuldade. Estava escuro, as cortinas fechadas. Seus brinquedos cobertos. Bonecas, pelúcias. Será que a mãe resolvera dedetizar a casa? Não, a menina estava ali dentro, não fazia sentido.

Ela se levantou da cama sentindo o corpo muito leve, como se fosse feito de isopor. Alcançou a maçaneta e a girou. A luminosidade do corredor fez seus olhos doerem. Caminhando devagar, a menina observava as paredes atentamente, à procura dos pais a fim de esclarecer aquilo. Chegou à cozinha e encontrou a mãe sentada à mesa. A mulher fixava o tampo do móvel, os olhos perturbadoramente encovados. Sua respiração era quase imperceptível. A menina se assustou ao vê-la daquele jeito.

- Mamãe? Mamãe, o que aconteceu? Por que você está assim?

A mãe continuou imóvel. A menina resolveu se aproximar. Mal moveu as pernas quando ouviu o barulho da chave na porta principal. O pai chegara. Inconscientemente a menina saiu correndo e se escondeu atrás da porta. Ele entrou no cômodo. Tinha o rosto fechado, numa mescla de pesar e enfado. A mãe apenas ergueu os olhos.

- Muda essa cara, Mariana. Não adianta ficar assim, não vai resolver nada – disse o homem se sentando em frente à esposa.

- Como você pode dizer tal coisa? – rebateu a mulher saindo de sua apatia – Como você pode ser tão frio? Isso não é algo simples que pode ser processado instantaneamente.

- Eu sei. Eu quero apenas que você não torne isso maior do que é.

A mulher ficou lívida.

- Roberto, pare e pense um minuto sobre o que você está me pedindo. Faça isso um momento e reflita, por favor.

- Olha Mariana, é o melhor pra nós dois. A melhor opção dentre tantas ruins. Tente me entender.

A mulher voltara a sua posição inicial. O homem suspirou alto e foi até a geladeira. Apanhou uma lata de cerveja e tornou a se sentar.

- Eu só quero que você saiba que esse divórcio não será fácil para mim também. Nós temos uma filha, pelo amor de Deus!

- Então por que você não pensou nela antes de se meter com aquela vadia?

De trás da porta a menina olhou abismada para a mãe. Nunca a vira usar aquele linguajar antes. O pai ficou sem resposta. Deu mais um gole na cerveja.

- Eu sairei logo de casa. Vou começar a arrumar as malas daqui a pouco e passarei a noite em um hotel. Resolvemos o resto durante a semana.

- Quero que isso seja o menos penoso possível para a Jéssica – disse a mãe.

- Claro, eu também. A última coisa que quero no mundo é machucar a minha filha.

A mãe ia repetir a pergunta de há pouco, mas desistiu. Não adiantava. O pai terminou a cerveja, se levantou e foi até a pia, onde deixou a lata. Saiu da cozinha e foi para o quarto, deixando esposa e filha sozinhas.

Os pais se divorciando? Jéssica não podia acreditar. De repente sentiu seu corpo ser tomado por uma corrente de frio, um zumbido alto dentro de sua cabeça e o chão amolecendo. Ela se debatia violentamente.

Então tudo parou. Retomou bruscamente a sensibilidade de seus membros. Estava deitada em sua cama, coberta dos pés a cabeça. Lentamente descobriu o rosto. O quarto estava em perfeita ordem, seus brinquedos, bonecas, pelúcias. Não estavam cobertos como antes.

Por que estariam? Olhou o relógio no criado-mudo. Cinco da tarde. De qual dia? A porta do quarto se abriu. A mãe entrou a passos lentos, abatida e cansada. Parecia estar a vários dias sem dormir.

- Oi filha – sua voz estava ligeiramente rouca – dormiu bem?

- Não, mamãe, tive um sonho muito esquisito. Você e o papai estavam sentados na mesa da cozinha falando sobre divórcio. E eu estava escondida atrás da porta, ouvindo tudo.

A mãe encarou a filha com surpresa. Depois deu um sorriso forçado e lhe afagou os cabelos.

- Filha, vem aqui um instante. Tem uma coisa que você precisa saber.

A menina desceu da cama, deu a mão para a mãe e a seguiu. Novamente a claridade do corredor, em contraste à escuridão do quarto, feriu seus olhos. Esfregou-os com a mão livre enquanto caminhava. Chegaram à sala. Assim que cruzou a divisão entre o corredor e a sala, a menina estacou. O pai estava em pé próximo à porta, com três malas grandes em volta. Seu semblante se assemelhava com o que a menina vira no sonho.

- Filha, sente-se. O papai tem uma coisa a dizer pra você – falou o homem se aproximando da filha e a guiando até o sofá.

Ele pigarreou, torceu as mãos, deu uma volta ao redor da mesinha de centro e começou.- Filha, eu acho que só há um jeito de dar essa notícia, e é sendo direto. Sua mãe e eu decidimos nos divorciar.

A menina encarou o pai por um longo tempo. Depois rolou os olhos até a mãe, chorando baixinho no canto da sala. Prontamente sentiu a familiar corrente de frio, o zumbido alto na cabeça, o chão amolecendo. Só que dessa vez muito mais forte, como se seu corpo fosse açoitado por descargas elétricas de alta voltagem. De repente…

  1. Tainá AMARAL

    28 de março de 2014 em 10:51

    so podeira ter um final –‘

  2. Waldenis Angélico (Like a angel)

    24 de setembro de 2013 em 10:34

    Gostei.

  3. Li Syaoran

    23 de setembro de 2013 em 13:30

    Excelente conto, só não sei se ele termina aqui ou vai ter continuação.

  4. Jorlan Darcq

    23 de setembro de 2013 em 11:47

    o conto foi bem narrado, não deixou muito a desejar..

    só acho que devia….
    .
    .
    .
    .
    .
    .
    .
    .
    .
    .
    .
    .
    .
    .
    .
    .
    .
    .
    .
    tá vendo como é ruim parar as coisas no meio?

  5. Psycho The Cat

    22 de setembro de 2013 em 22:57

    [img]http://i1147.photobucket.com/albums/o548/DiegoAPRD00683/Mensagens/frabz-Um-conto-minilua-No-tem-final-52765c_zpsae8085ad-1.jpg[/img]

  6. Psycho The Cat

    22 de setembro de 2013 em 22:35

    “Lendo”…
    [img]http://i1147.photobucket.com/albums/o548/DiegoAPRD00683/Mensagens/VozGoogle.jpg[/img]

  7. Roy Mustang

    22 de setembro de 2013 em 17:22

    Digitem CONTOS DE LAWLIET no google

    • Wagner

      22 de setembro de 2013 em 19:12

      Não, obrigado.
      Volte sempre.

  8. Katsuragi João

    22 de setembro de 2013 em 16:57

    isso foi muito dificil de intender (ainda não entendi nada ainda)

  9. Kuro Black

    22 de setembro de 2013 em 16:51

    E de repente o post acaba…

  10. Katsuragi João

    22 de setembro de 2013 em 16:41

    que isso a garota e vidente?

  11. L

    22 de setembro de 2013 em 15:22

    o_O ?????
    Aguardarei a parte 2 para poder avaliar…..

  12. O Segurança Doidão

    22 de setembro de 2013 em 15:17

    No Começo achei que ma mina tava morta e não sabia, ai depois eu li o resto e fiquei mais confuso

  13. Gabi Lennon

    22 de setembro de 2013 em 15:07

    De Repente o que?????

  14. Dark J

    22 de setembro de 2013 em 11:17

    Não ficou legal o final, mas o conto foi bom, até pensei que fosse de suspense pelo jeito que acontecia as coisas. 8,5

  15. Lua Cheia

    22 de setembro de 2013 em 10:42

    Ficou com cara de introdução, msm sendo apenas a 1 parte eu acho que devia ter tido mas informações, mas quem sabe com a 2 parte não fique um bom conto, esperar pra ver a parte 2.

  16. Lucas Rodrigues

    22 de setembro de 2013 em 07:06

    Gostei do conto, leve, e com final que deixa o leitor com milhões de perguntas na cabeça. Gosto desse tipo de final, porque o leitor tem a liberdade de imaginar um verdadeiro final pra essa história, muito bem elaborado. Nota: 10,0 – Excelente, parabéns ao autor ^^
    P.S: Jeff, em breve vou enviar mais contos, tô cheio de ideias aqui, acho que você vai se surpreender.

    • Luís Felipe

      22 de setembro de 2013 em 09:38

      Na boa, nada contra vc, cara, mas pq diabos vc diz q vai enviar contos pro Jeff em todos os coments?
      Até eu já sei q vc enviou mais d 20 contos, o Jeff então… haja paciência.

      • Lucas Rodrigues

        22 de setembro de 2013 em 10:24

        Ainda não enviei, nem escrevi ainda, só estou criando as histórias mentalmente para depois transcreve-las para o e-mail, eu só tive um conto postado. Mas e só digo isso pra ele ficar sabendo, é que eu tô ansioso pra ele postar logo, mas eu vou ser mais paciente.

        • Luís Felipe

          22 de setembro de 2013 em 11:26

          Valeu por responder calmamente, pensei q vc iria me xingar pacaray. 😀

          • O Segurança Doidão

            5 de outubro de 2013 em 05:36

            Já tava esperando uma resposta violenta né jovem Luis

          • Luís Felipe

            5 de outubro de 2013 em 13:09

            É q os usuários do ML normalmente são exaltados.

  17. mauricio santos

    22 de setembro de 2013 em 05:56

    mauricio brasil

  18. mauricio santos

    22 de setembro de 2013 em 05:55

    the best

  19. Rodrigo Rodrigues

    22 de setembro de 2013 em 01:09

    Esse conto é de altíssimo nível! Por que as pessoas querem que o final seja como gostariam e não como o autor deseja? Eu adoro finais imprevisíveis e abertos, pois isso denota uma personalidade muito grande do autor. Admiro quem faz o diferente e não quem faz o igual, o linear. Conto de extrema qualidade! Parabéns!

  20. Greg

    22 de setembro de 2013 em 00:09

    Não fikei com medo não

  21. Luís Felipe

    21 de setembro de 2013 em 23:23

    125…
    São muitos contos, além disso, pq 99% tem q ser d terror?
    Já encheu.
    Aquele da mega-sena foi mto bom, pq n mandam mais contos com humor?

    • Jeff Dantas

      22 de setembro de 2013 em 04:20

      Bom, aí depende de vocês.. De um modo geral, aceitamos todos os temas! ^^

      • Luís Felipe

        22 de setembro de 2013 em 09:35

        É isso q eu qro dzer. O pessoal vê trocentos contos de terror e pensa “vou mandar outro de terror”.
        PQP
        Resultado: Contos clichê, sem criatividade e previsíveis.

  22. Levi Rivaille (nepeta)

    21 de setembro de 2013 em 22:41

    hum….achei muito fraco, mais se tiver a continuação eu vou ler ^^

  23. Lucas Madalão de Sousa

    21 de setembro de 2013 em 22:41

    Então tudo que ela vê é apenas um sonho?

    • Jeff Dantas

      22 de setembro de 2013 em 04:19

      Ao que parece, sim.. Tb tive essa impressão… ^^

  24. Phantom Lord / Hyoga

    21 de setembro de 2013 em 22:37

    tive a sensaçao de q ficou meio… incompleto (poderia ser melhor .-.)

    • Bardock

      21 de setembro de 2013 em 22:40

      É que ainda não lançou “A Menina Parte 2: O Menino”, ai fica incompleto mesmo.

      • Phantom Lord / Hyoga

        21 de setembro de 2013 em 22:41

        lol (eh serio msm ou eh zueira?)

        • Bardock

          21 de setembro de 2013 em 23:41

          The zuera never ends, vei. ehuaeahueahueauehe

          • Phantom Lord / Hyoga

            22 de setembro de 2013 em 10:40

            e eu achando q era vdd u.u’

          • Lucas Rodrigues

            22 de setembro de 2013 em 07:01

            Você merece o prêmio Zueira 2013 kkkkkkkk

  25. Terrorista

    21 de setembro de 2013 em 22:37

    Hm… Bem louco mesmo hein!? Mó doideira, o que dizer desse post que nem li mas já considero pakas?

    • Phantom Lord / Hyoga

      21 de setembro de 2013 em 23:09

      nada pq vc nao leu .-.

      • Terrorista

        21 de setembro de 2013 em 23:12

        BJO NA BOK MIM DA TESÃO

        • Drubscky

          21 de setembro de 2013 em 23:18

          huehuaeahuehuaeuauhehuaeahuehuaeahueauheuhaehuaeae

42 Comentários
mais Posts
Topo