Contos Minilua: Inefável #203

E sim, lembrando mais uma vez, que todos podem participar. Sabe como é: enviando contos, matérias, desenhos, enfim! Sinta-se à vontade ok? O e-mail de contato: [email protected]! A todos, uma excelente leitura!




Inefável

Por: Waldenis Lopes

unnamed

E mais uma vez entreguei aquele pedaço de papel surrado para estranhos dentro de um ônibus. Nele eu pedia ajuda para mim e para a minha família. Qualquer quantia era bem vinda; moedas é o que mais recebo, quando recebo. Ao contrário de outras crianças, eu não vendo balas ou amendoins, eu apenas peço e conto com a caridade de estranhos.

Seria muito mais fácil se eu tivesse uma cesta cheia de guloseimas para vender; as pessoas dentro dos coletivos estão sempre em busca disso, mas infelizmente não tenho. O pouco que consigo é para comprar algo para que eu e meus irmãos pudéssemos comer durante o dia, enquanto nossos pais catam papelão e latinhas na rua.

Hoje eu até que dei sorte. Talvez por eu estar sujo, com um pé descalço - o outro com um tênis esculachado - e por estar cheirando mal, as pessoas acabam me dando moedas para que eu saia logo de perto delas. Eu sinto muito, não queria estar imundo desse jeito… Mas eu não tenho onde me lavar.

Da última vez que fui de encontro à um pouco d’água, fui expulso quase aos chutes por um policial que passava perto de onde eu estava - uma fonte perto de um shopping na grande cidade onde “moro” - ele me lançava palavras ofensivas e me chamava de “trombadinha” e “drogado”. Não moço, eu não sou nada disso.

Eu nunca roubei e nunca usei drogas. Já me ofereceram, mas nunca aceitei. Imagina só, eu, que já mal tenho o que comer, me viciar em entorpecentes e acabar tentando sustentar o vício. Como sustentá-lo? Roubando. Não, não quero isso pra minha vida. Ou pro meu ensaio de vida.
Recolhi os papéis sujos que normalmente entrego para as pessoas.

Acho melhor assim, pois falar em um ônibus em movimento não é nada legal, ainda mais quando ele está lotado e quando você sabe que ninguém ali vai prestar atenção em você, ainda mais se você é uma criança mendiga. Alguns dos passageiros devolveram o papel, tenho certeza que muitos nem leram.

“Oi, me chamo Matias Duarte e estou passando necessidades com a minha família. Portanto, se você pudesse me ajudar com qualquer quantia, seja ela R$ 0,50 R$1,00 ou R$2,00 eu ficaria imensamente grato. Que Deus te abençoe.”

Recebi muitas moedas de uma moça loira séria, que sequer olhou para mim. Continuei recolhendo os papéis e recolhendo também as poucas moedas que me davam. Espero que ninguém vire para mim e diga ‘vá estudar, menino! Pare de pedir’ Como eu queria estudar. Se eu pudesse escolher, não estaria aqui não. Nem lembro porque os meus pais decidiram sair da nossa cidade natal pra tentar a sorte aqui, nessa imensa selva de pedra.

A gente já tinha pouco, as economias que eles tinham para a viagem já estavam acabando e meu pai não conseguia emprego aqui. Eles então disseram que a gente voltaria. Seria ótimo. Meus pais pegariam o restinho do que sobrou daquelas economias que usaram para nos trazer para cá, para a “cidade grande cheia de oportunidades”. Eu não via a hora de voltar pra minha terra. Porém, fomos assaltados. No fim, ficamos sem dinheiro para aluguel, para comida, para nada. E então, acabamos aqui, na rua.

Acho que já faz uns dois anos…
Se eu fico triste com isso? Sim, é claro! Ainda mais com dois irmãos mais novos esperando eu voltar com pelo menos um pão para aquela rodoviária que virou o nosso lar temporário. Nós nos alojamos bem nos fundos dela, perto do lixo, da sujeira… Do que nos tornamos.

Antes de eu descer do ônibus ouvi uma voz me chamando. Era uma mulher velha, que me chamava com a mão, me mostrando o meu papel. Aproximei-me dela cabisbaixo, mas uma pessoa que não iria ajudar. Peguei-o e me virei, ela cutucou as minhas costas.

- Não use de forma errada este dinheiro, criança - disse, dando-me uma nota de cinquenta reais.
Me belisquei rapidamente para saber se aquilo não era um sonho. Agradeci animado àquela doce senhora (não era mais velha, não) e saí do ônibus aos pulos. As moedas sacudiam nos bolsos da minha bermuda surrada enquanto meus pés procuravam locais sem pedras para poderem se apoiar e me levar de volta à minha casa. A rodoviária. Mas como eu sou burro, acabei me maravilhando e me perdendo por completo naquele momento; eu segurava a nota acima da minha cabeça, com as duas mãos, olhando-a contra o sol para ver se era de fato verdadeira.

Sim, era. E como eu havia dito, minha burrice e falta de atenção me fizeram perder a nota. O dinheiro que garantiria quase uma semana de alimentação, o orgulho dos meus pais catadores e estômagos cheios com refeições de bolachas, pães, leites e quem sabe até algum sanduíche vindo de alguma padaria, quem sabe até o churrasquinho do seu Omar! Porém, tudo foi por água abaixo quando eu fui assaltado.

Foi muito rápido, quando vi, o cara já tinha tomado a cédula de minha mão e corrido em disparada pelo caminho oposto ao meu. Quando dei por mim já estava correndo atrás dele, usando toda a minha força e vigor - os quais eu já possuía pouco - mas acabei pisando com o meu pé descalço em alguma pedra pontuda que me fez dar um salto de dor e cair no chão. Sangue. E ao longe, o sujeito - provavelmente algum dos garotos que ficavam na cracolândia - fugia com a minha sonhada e futura refeição.

Sentia meus olhos queimarem e as lágrimas escorrerem. Rolei para o gramado e continuei deitado, caído, desolado. Sentia a ferida na sola do meu pé e a esperança me abandonar lentamente. Os pensamentos que tive em relação àquele dinheiro foram desaparecendo aos poucos, não adiantava mais pensar nele, não tenho mais aquela grana. Tudo o que me restava eram as moedinhas; moedas essas que se espalharam pelo caminho enquanto eu tentava alcançar o ladrão do meu sonho momentâneo. Que bosta. Levantei e, mancando, fui em busca das moedas que caíram de meus bolsos.

Nove reais e uns quebrados… É o que tem pra hoje.

Isso é apenas a maneira que é
Algumas coisas nunca vão mudar
Isso é apenas a maneira que é

Comprei alguns pães, uma caixinha de leite e a manteiga mais barata. Pensei que o dinheiro não iria dar, mas deu. Pedi para a moça da padaria me dar uma faca de plástico descartável, pensei que ela iria recusar, mas me entregou sem protestos. O balconista colocou o que comprei numa sacola plástica e me entregou, desejando uma boa tarde. Que estranho, as pessoas não costumam me dar uma boa tarde, nem um bom dia.

No caminho, pensei na senhora que me dera os cinquenta reais. Pensei no moleque que me roubou e no balconista que me desejou uma boa tarde. Na minha cabeça, o placar estava: bondade: dois; maldade: um. Desde que comecei a viver nas ruas tenho recebido apenas maldades, e às vezes pior do que ela… O desprezo. É a pior sensação do mundo. As pessoas sempre pensam o pior de gente como eu, de quem mendiga, de quem está sempre sujo, de quem sempre carrega um olhar tristonho exigindo compaixão. Por isso, hoje estou espantado com as atitudes que me deparei.

Continua…

  1. Blue

    5 de julho de 2014 em 16:06

    interessante,o Brasil ja ta perdido,o jeito é sair daqui e ir pra outro lugar

  2. Dr.V

    5 de julho de 2014 em 12:56

    Ótimo conto.Digno de um 8,5.
    Espero a continuação…

  3. Vinicius Passos

    5 de julho de 2014 em 12:13

    Ótimo conto, leitura simples, curioso para a continuação.

  4. Lucas Rodrigues

    5 de julho de 2014 em 08:43

    Opa, um “Continua” bem no final… sempre desço a página em todos os contos da série pra ver se tem a palavrinha citada. Bem, como não estou tendo muito interesse em ler contos com continuações, vou dar uma chance pra esse, porém irei lê-lo assim que todas as partes forem postadas. Tomo essa medida pelo fato de haver 5 contos sem suas continuações postadas. E vendo o autor deste, eu pergunto: E o final de Possedit? Não posso morrer sem saber o desfecho daquela estória, foi algo assim que me prendeu de verdade, me deixou tenso.
    Portanto, só darei nota quando o conto estiver completo, não gosto de esperar, nem de ficar ansioso pro que vem depois, é meio estressante.

    • Garota Infernal

      5 de julho de 2014 em 10:57

      Me dá uma [i]agoniazinha[/i] sempre que você diz [i]estória[/i]. Essa [i]agoniazinha[/i] é parecida com aquela que eu sinto quando o Jeff diz [i]”Pois é, blabla”, “Isso mesmo, bla blabla”, “Então, blababla”[/i] ou quando repete uma letra várias vezes.
      A gente se acostuma com isso quando temos amigos <3

      • Lucas Rodrigues

        5 de julho de 2014 em 13:19

        Hehehehe, até já me disseram aqui pra mim que “estória” já tá ultrapassado, que não existe mais no dicionário e blá blá blá. Mas eu uso o termo pra destacar a diferença que há com “história”. Muitos não sabem dessa diferença.

    • Waldenis Angélico (Like a angel)

      5 de julho de 2014 em 08:52

      Um dia terminarei Possedit. Farei de um tudo para deixar o seu final menos Clichê. o/

  5. Kuro Black

    5 de julho de 2014 em 01:03

    2x
    http://s9.postimg.org/moprib4v3/image.png
    Só para compensar o tempo que fiquei fora devido a uns problemas, e eu tive que abrir a cabeça… literalmente…

    De qualquer forma, estarei adaptando todos os outros desenhos para uma nova interface :
    http://th07.deviantart.net/fs70/PRE/i/2014/185/d/9/jeff__dantas_by_kuraiamy-d7p9qkx.png

    Se quiserem ver mais dos outros desenhos : http://kuraiamy.deviantart.com/gallery/

    • Lhama Charmosa

      5 de julho de 2014 em 11:36

      é aquela roupa do filme As branquelas? rsrs
      ficou d+, parabéns, vc desenha mto bem!

      • Garota Infernal

        5 de julho de 2014 em 11:59

        Não, é o vestido que a diva [b]Björk[/b] usou no Oscar. É icônico, todo mundo sabe da onda com esse vestido… Ou ninguém sabe? Dane-se, ás vezes parece que eu sou de outro planeta.

    • Shun

      5 de julho de 2014 em 10:14

      Muito massa!!

      • Garota Infernal

        5 de julho de 2014 em 11:00

        Que saudade <3

        • Shun

          5 de julho de 2014 em 17:11

          Oiee, Cat… saudades de vc também <3
          Nem vou perguntar se tá tudo bem, pq acabei de ver seus comments ali em cima… então, aproveitando o ensejo, quero te dizer que concordo com o comment do Lucas, e que você precisa aprender a valorizar a si mesma, pq se nem nós mesmos formos capazes de gostar da gente, como é que vamos esperar que os outros gostem? Eu acho que todo mundo se sente um lixo às vezes (eu me sinto quase sempre), mas o importante é a gente nunca se odiar ou pensar coisas negativas sobre nós mesmos, ainda mais quando não temos culpa pelo que acontece de ruim nas nossas vidas. Enfim, acho que já falei que tava com saudade, neh kkk

          • Cabo Sobrevivente da Era Travecal do ML

            5 de julho de 2014 em 18:38

            minilua.org/chat/

          • Kuro Black

            5 de julho de 2014 em 18:09

            Nossa… Olha quem apareceu…
            Continue por aqui para eu fazer um desenho seu também…

          • Shun

            5 de julho de 2014 em 18:11

            Eba!! vou continuar, pod deixar .-.

          • coração feliz muito feliz

            5 de julho de 2014 em 23:09

            que bom shun que vc retornou, seja bem vindo novamente, olha as más linguas diseram que foi eu que te botei pr correr kkkkkkkkk mas como é que vc esta amiguinho, vc tava sumido.

          • Shun

            5 de julho de 2014 em 23:36

            Oi ;)… vc não me botou pra correr não 😛
            Tô super bem, na verdade tô ótimo… achei que vc nem entrasse mais aqui, pensei que vc só entrava pra me fazer perguntas hahaha brincadeira

          • coração feliz muito feliz

            5 de julho de 2014 em 23:51

            é que eu não falo com todo mundo não, e escolho as pessoas que não falam muitos palavrões, mas por falar em pergunta eu vou te fazer uma vc tem filhos e irmãos vc tem quantos,mas se não quser responder fique a vontade .

          • Shun

            5 de julho de 2014 em 23:58

            Tava demorando kkk
            Não tenho filhos, minha mãe ia me matar se eu tivesse… mas tenho irmãos sim, uma mais velha por parte de pai (e ela tem um irmão por parte da mãe dela que eu considero como um irmão pra mim tbm), duas irmãs mais novas, e um irmãozinho mais novo 🙂

          • Cabo Sobrevivente da Era Travecal do ML

            6 de julho de 2014 em 00:12

            Vai pro chat carai.

          • Shun

            6 de julho de 2014 em 00:16

            kkkkk Dá licença que eu tô sendo educado e respondendo a moça ali em cima… mas fica tranqs que já tô vazando =P

    • DCemblemático

      5 de julho de 2014 em 09:05

      Bem que você podia fazer um desenho meu por… A esquece você já me desenhou he-he-he

    • Adriano Saadeh

      5 de julho de 2014 em 07:37

      Show velhinho!

    • Garota Infernal

      5 de julho de 2014 em 02:28

      Ai, gente *———–* Ficou do jeitinho que eu queria ^^ <3 <3 <3 Te amo ^^

      • Little Uchiha™

        5 de julho de 2014 em 03:30

        Vc ta mais gentil.

        • Garota Infernal

          5 de julho de 2014 em 04:02

          É que eu parei de usar drogas e hoje eu sou estupidamente amada.
          Sem contar que eu passei a ouvir Björk e a dançar enquanto cozinho… E eu sempre fui uma menina muito doce e calma, só que ai o mundo começou a jogar ovos em mim e eu decidi que eu iria bater e xingar todo mundo por causa das minhas anomalias físicas que eles insistem em sublinhar. Mas eu já me aceitei do jeito que eu sou, e a única medida protestante a isso que eu tomei nos últimos tempos foi evitar espelhos. Acredito que até a virada do próximo domingo eu serei uma pessoa normal…

          • Wayne Griffin

            6 de julho de 2014 em 16:27

            Parou de usar drogas porque ficou com remorso de ter roubado o dinheiro do garoto.

          • Luís Felipe

            5 de julho de 2014 em 12:42

            O cisne é uma referência ao patinho feio? Nesse caso, à patinha feia.

          • Garota Infernal

            5 de julho de 2014 em 12:49

            [i]Apesar disso não. O cisne não é uma simbologia, é o vestido que a [b]Björk[/b], minha cantora preferida, usou no Oscar e se tornou um dos mais famosos.
            Mas essa história não tem a ver comigo porque na história do patinho feio a beleza existe.
            A minha história se parece mais com o Lago Dos Cisnes, inclusive, é uma das minhas músicas favoritas, uma as minhas histórias favoritas, um dos meus espetáculos favoritos.[/i]

          • Luís Felipe

            5 de julho de 2014 em 13:04

            N conheço Lago dos Cisnes, mas deve ser algo bem depressivo. Eu n tava falando sério qndo fiz a pgunta. Seus comentários demonstram q vc é uma pessoa deprimente, embora eu n saiba se realmente é. Ter raiva do mundo e colocar a culpa nele pelo q te acontece n vai ajudar em nada. Q seja, eu n sou psicólogo, nem te conheço, então n posso falar sobre sua vida.Ainda me pgunto pq fiz um comentário tão grand, qndo deveria ter dito um simples “tá”.

          • Garota Infernal

            5 de julho de 2014 em 14:10

            [i]É a história de uma menina, Odete. Ela é enfeitiçada por um feiticeiro malvado e condenada a ser cisne de dia e garota a noite. Um certo dia ela conhece um príncipe e ele fica encantado por ela.
            O feitiço só se quebra se alguém jurar amor eterno a ela, e é o que ele promete. Promete jurar na frente de todo o reino.
            Mas acontece que ela tem uma irmã gêmea malvada que vai a festa em seu lugar fingindo ser ela, e nisso ele jura amor a pessoa errada.
            Odete se sente traída e se suicida jogando-se da torre e caindo no lago de lágrimas que a mãe chorou quando o feitiço foi feito na filha. O príncipe se joga junto, os corpos nunca são achados.
            É a caricatura de mim, da minha história.
            Eu mudei muito(transformação em cisne.) depois que uma pessoa(feiticeiro) me fez um mal muito grande. E eu estou sem o meu príncipe, o que pode parecer fútil, mas isso faz sofrer, por que no final o amor dele pode me salvar desse feitiço. [/i]

          • Luís Felipe

            5 de julho de 2014 em 23:58

            Sua história daria um conto melhor q esses vc manda pro Jeff. Até choraria, mas tô mto ocupado.
            Eu acertei, a história é deprimente. ¬¬

          • Little Uchiha™

            5 de julho de 2014 em 05:11

            Ta gentil só q ainda se recusa a falar a vdd, ou continua trollando.

          • Garota Infernal

            5 de julho de 2014 em 07:16

            Que verdade? Na boa, eu não tenho pênis, eu tenho uma vagina, e um útero, óvulos, eu menstruo e tenho 2 peitos, mesmo que tudo isso o que eu tenho seja horrível e desprezível.

          • Little Uchiha™

            5 de julho de 2014 em 08:32

            Já naum acredito nessa história de shemale a tempos, e não só quanto a vc, na vdd eu falava sobre essas besteira pq não tinha nada pior pra comentar. Ainda falo sobre isso mesmo sabendo q é sem graça.
            Eu falava sobre essas informações q c da sobre si mesma, como aquela parada de se proteger na net.
            Aqui qualquer um pode falar o q quiser, ser quem quiser e é sempre bem difícil conhecer mais algum user, pelo menos aqui nos comentários.

          • Garota Infernal

            5 de julho de 2014 em 10:01

            Mas isso não tem muita importância, sou só um lixo humano desprezível, ninguém tá nem ai, só eu.

          • Litzen Vampiro

            5 de julho de 2014 em 11:46

            Quanta depressão minha cara, cuidado, este não é um caminho bom para se trilhar, eu as vezes receio estar perto ou cair nele…

          • Garota Infernal

            5 de julho de 2014 em 12:00

            Mas o que fazer? Tudo em mim é um lixo descartável sem nenhuma serventia, eu só aceito isso da melhor forma possível.

          • Lucas D

            5 de julho de 2014 em 12:09

            Você nunca vai conquistar nada pensando assim. Não espere que outros te valorizem sendo que você mesma não o faz.

          • Garota Infernal

            5 de julho de 2014 em 12:15

            Conquistas externas são certas, eu estou falando de conquistas internas. Eu passei por muito, eu sofri de verdade. Eu passei por coisas realmente horríveis, horríveis mesmo e eu carrego as marcas disso em mim, eu olho pra isso todos os dias.
            Não tem como gostar de mim mesma agora, ás vezes dá vontade de bater a cabeça numa pedra e esquecer, na verdade eu só queria esquecer, apagar da minha mente.
            O mundo é horrível, Lucas. Eu lamento que isso tenha chegado dentro de mim.

          • Cabo Sobrevivente da Era Travecal do ML

            5 de julho de 2014 em 18:38

            Parem de fazer chat na porra dos comentários, vai pra porra do chat ML.

          • Little Uchiha™

            5 de julho de 2014 em 10:57

            Q isso, todo mundo tem problemas, parece clichê mas é verdade: a diferença é como c lida com eles. Eu mesmo lido horrivelmente com os meus.
            Sobre as opções, parece legal mas trabalhoso e me dá preguiça só de me imaginar criando três avatares.

          • Garota Infernal

            5 de julho de 2014 em 10:59

            Muitas vezes o mundo cria as opções pra você. Foi assim com as fotos, eu só tive que não dizer nem sim nem não da melhor forma possível.
            E os meus problemas, é difícil lidar com eles pois eu nunca to no controle, isso é decepcionante.

          • Little Uchiha™

            5 de julho de 2014 em 13:11

            É difícil opinar sabendo, imagina então sem saber o q se passa.
            Mas como na música eu acredito q os céus tem um plano pra vc( adoro essa música).
            Bjs fica com Deus

          • Garota Infernal

            5 de julho de 2014 em 13:16

            [i]Obrigado, você é uma boa pessoa ^^ [/i]

          • Lucas Rodrigues

            5 de julho de 2014 em 13:27

            Ué, porque está em itálico? e.e

          • Garota Infernal

            5 de julho de 2014 em 13:37

            [i][b]Tendeu?[/b][/i]

          • Lucas Rodrigues

            5 de julho de 2014 em 13:42

            Err… mais ou menos ._.

          • Garota Infernal

            5 de julho de 2014 em 13:52

            Deixa pra lá.

          • Garota Infernal

            5 de julho de 2014 em 13:35

            [i][b]**G.I gosta assim![/i][/b]

          • Garota Infernal

            5 de julho de 2014 em 09:58

            Aah, estava falando sobre o jogo das opções? É a maneira mais esquisita e legal de se proteger, só gente tão estranha quanto eu faz. Eu vou te explicar sobre isso:
            Ok, existem 3 fotos de 3 meninas diferentes, e todas elas “são” eu. Assim como eu tenho 3 nomes: Júlia, Vitória e Maria.
            Eu não sei por que eu faço isso, mas tem duas coisas sobre mim: eu não quero que tenham certeza da minha identidade, e também não quero usar fotos fakes se alguém pedir. E então dá pra criar um pequeno enigma.
            Eu só neguei que meu nome é Vitória uma vez, e eu já confirmei no chat que o meu nome é Vitória. No google+ meu nome é Júlia, porém, pode não ser porque a conta é inutilizada, podendo ser apenas uma prova falsa de que meu nome é esse. Eu nunca afirmei que meu nome é Maria, eu só disse agora.
            De todas as fotos “minhas” que as pessoas me mandaram, eu nunca afirmei que nenhuma é minha, mas não se sabe qual delas sou eu e se uma delas sou eu.
            Eu não sei porque, mas quanto a identidade eu me sinto segura assim, ninguém sabe 100%, esse é o lado bom de mentir, é divertido.

    • André Silva

      5 de julho de 2014 em 02:07

      Legal!

    • coração feliz muito feliz

      5 de julho de 2014 em 01:41

      gostaria de 2 desenhos meu também, seria um preto e branco e outro colorido, mas sei que vc não me desenharia então fico só na vontade de ter um desenho meu feito por vc á e teria que ter a sua assinatura em baixo do desenho. para mim guardar pois eu estou fazendo um book com as minhas fotos.e gostaria de incluir um desenho meu feito por ti guri .

    • coração feliz muito feliz

      5 de julho de 2014 em 01:32

      ficou lindo o desenho da garota infernal, parabéns vc desenho muito bem.

    • Jeff Dantas

      5 de julho de 2014 em 01:21

      Olha só, ficou d+++ 🙂 Tem com fazer uma dessa, sem a legenda? ^^

  6. André Silva

    4 de julho de 2014 em 23:04

    Não esperava tanto do conto, mas confesso que gostei bastante, me surpreendeu!! Aguardo a continuação!

    • Adriano Saadeh

      5 de julho de 2014 em 07:37

      Sim, tomara que não demore…

  7. Waldenis Angélico (Like a angel)

    4 de julho de 2014 em 22:57

    Jeff!! Opa, opa!! Dessa vez te mandei um conto completo, hein!! Agora vai!! Hahahaha’ Obrigadão por ter postado!!

    • coração feliz muito feliz

      5 de julho de 2014 em 01:43

      belíssimo conto parabéns, amei fiquei rosa chiclete agora.

    • Jeff Dantas

      4 de julho de 2014 em 23:01

      Ah sim, pode contar comigo! Mas me diga, como surgiu a inspiração do conto?

      • Waldenis Angélico (Like a angel)

        4 de julho de 2014 em 23:05

        Minhas constantes observações por onde ando. Uma vez estava indo ao trabalho e vi um garotinho num ponto de ônibus, descalço, segurando uma cestinha de balas, pra poder vender. Quando vi aquela cena, lembrei de uns meninos na rodoviária, os quais eu e uns amigos alimentamos com uma pizza. Sim, em parte a história é real, porém quis mostrar as coisas do ponto de vista da criança, e imaginei como ela viveria. : )

        • Thamara Thais Nunes

          5 de julho de 2014 em 15:46

          Eu gostei bastante do conto… mas eu acho que você deveria ter usado expressões mais comuns a crianças…. e espero que esse menininho consiga voltar pra casa com a sua família…

          • Waldenis Angélico (Like a angel)

            5 de julho de 2014 em 15:56

            Pensei em fazer isso, mas descartei a ideia, pois eu não conseguiria escrever todo o conto em uma linguagem simples por conta de algumas passagens. Mas, como o menino de certa forma é maduro, deixei como está.

      • DCemblemático

        4 de julho de 2014 em 23:04

        Deve ter sido baseado em algum fato real he-he-he

    • Arianne

      4 de julho de 2014 em 22:59

      Muito bom o conto, parabéns! 🙂

      • Waldenis Angélico (Like a angel)

        4 de julho de 2014 em 23:00

        Hey :3 Valeu.

  8. Jeff Dantas

    4 de julho de 2014 em 22:48

    • DCemblemático

      4 de julho de 2014 em 23:02

      Essas balinhas Roubadas he-he-he

    • Marvelunatico

      4 de julho de 2014 em 23:01

      O Jeff The Tarado, ce vai continuar postando o “Monte Sua Matéria?”

      • Jeff Dantas

        4 de julho de 2014 em 23:02

        Bom, depende…Eu tenho recebido muitas cópias. :'(

        • Marvelunatico

          4 de julho de 2014 em 23:03

          Tendi… :/

          É que eu tenho “As Maiores Mancadas da Marvel parte III” pronta.

  9. Marvelunatico

    4 de julho de 2014 em 22:45

    Os Iluminights devolveram o conto!

    • DCemblemático

      4 de julho de 2014 em 23:01

      Marvelunight, #Moonlightney, conhecidencia eu acho que não he-he-he

      • Marvelunatico

        4 de julho de 2014 em 23:04

        Tudo coisa dos Iluminights

        • DCemblemático

          4 de julho de 2014 em 23:07

          Ou de plagiadonights he-he-he

          • Marvelunatico

            5 de julho de 2014 em 03:03

            Ou do Moon Knight:

            [img]http://i.annihil.us/u/prod/marvel/i/mg/e/f0/4bc5eba67b35a/background.jpg[/img]

          • Cabo Sobrevivente da Era Travecal do ML

            6 de julho de 2014 em 00:24

            Ou do MoonLight:
            [img]http://i.imgur.com/qIp36xr.jpg[/img]

          • DCemblemático

            5 de julho de 2014 em 11:56

            Continua sendo plagiadonights he-he-he

    • Jeff Dantas

      4 de julho de 2014 em 22:46

      Né? E que assim permaneça… 🙂

  10. Batata amiga

    4 de julho de 2014 em 22:44

    :O q tensão :O tenso :O batata :O vermelho :O

  11. Jeff Dantas

    4 de julho de 2014 em 22:39

    Esse trecho, em especial, eu gostei bastante: “No caminho, pensei na senhora que me dera os cinquenta reais. Pensei no moleque que me roubou e no balconista que me desejou uma boa tarde. Na minha cabeça, o placar estava: bondade: dois; maldade: um. Desde que comecei a viver nas ruas tenho recebido apenas maldades, e às vezes pior do que ela… O desprezo…” http://static.minilua.org/wp-content/uploads/2014/07/unnamed.jpg

    • Waldenis Angélico (Like a angel)

      4 de julho de 2014 em 23:09

      O desprezo mata =/

  12. Kuro Black

    4 de julho de 2014 em 22:25

    Melhor conto que o minilua já teve…
    http://i.imgur.com/V4aPMYv.png

  13. Arianne

    4 de julho de 2014 em 22:24

    Cadê o conto??? o.O

  14. #Moonlightney

    4 de julho de 2014 em 22:23

    “Inefável: Indizivél, Que não se pode expressar por palavras.”
    E eu pensando que o editor é que tinha esquecido de postar o texto. rs

  15. Super Choque

    4 de julho de 2014 em 22:22

    Que isso? Bug de novo?

    • Jeff Dantas

      4 de julho de 2014 em 22:37

      Sim, de vez em quando acontece! ^^

92 Comentários
mais Posts
Topo