Minilua

Contos Minilua: Jéssica (parte II) #186

E sim, para participar, não tem mistério. Para tal, envie o seu texto para: equipe@minilua.com! A todos, uma excelente leitura!

Jéssica (parte II)

Por: Phoebe Junie

Finalmente Jéssica tinha acordado. Era um quarto pequeno mas bem organizado. Ele tinha a aparência infantil, cheio de bonecas, brinquedos e papéis coloridos por todos os lados. As paredes eram pintadas de um rosa bem claro. Do lado da cama onde Jéssica estava, havia uma escrivaninha de madeira, cheia de livros de diversos assuntos.

Ela conhecia aquele lugar. Sim era o quarto de sua professora. Talvez ela tivesse levado ela até sua casa, pensou Jéssica.

– Hum… Professora? – perguntou ela, esfregando os olhos.

Logo se ouve passos vindos da cozinha. Era Michele. Ela abre a porta e se ajoelha ao lado da cama, tirando uma mexa de cabelo do rosto de Jéssica.

– Graças a Deus você acordou, estava tão preocupada. Você está bem? Dói algum lugar? – pergunta Michele.

Felizmente a resposta foi um balançar de cabeça mostrando dizer ‘’não’’. As pequenas mãos de Jéssica se abaixam até o bolso do casaco e puxam um pedaço de papel de jornal e entrega a Michele.

– Orfanato? – pergunta Michele segurando o papel, com uma casa assustada – Por que isso Jéssica?

– Lá… lá é onde as mães abandonam seus filhos não é?

Michele não responde, apenas coloca o papel de lado e apoia sua testa na de Jéssica, fechando os olhos.

– Jéssica…

– Sim professora?

– Você gostaria de ser minha filha? – pergunta ela, olhando para baixo.

– Ãhm? – pergunta Jéssica com uma cara de desentendida.

– Você… posso ser sua mãe a partir de hoje? Podemos fugir juntas, como mãe e filha. Você aceita? – continua Michele, desta vez olhando para Jéssica.

Sem resposta. Jéssica sem pensar abraça sua “professora”; Um abraço bem apertado. De filha para mãe.

– Mãe… – só isso que ela fala enquanto chora no ombro de sua nova mãe ainda abraçando-a.

Passa-se o dia até que por volta das 3hrs da tarde, Jéssica vai a casa de sua “mãe”, Josie, para pegar suas roupas. Quando ela chega, Josie estava sentada na penteadeira, passando maquiagem. Jéssica abre a porta, vai até seu quarto, pega uma mala e começa a colocar suas roupas. Sua mãe nem se mexe

– Ei! Depois vamos comprar um hamster para você. Quer? – pergunta ela com cara de debochada.

Sem responder, Jéss abre a porta e sai. Josie nem pergunta, só dá uma virada em direção a porta com o batom na mão.

Michele estava esperando por Jéss na esquina. Logo as duas se abraçam e vão andando em direção ao metrô. Depois de pagarem as passagens para o Rio de Janeiro, as duas se escondem em uma salinha ao lado do banheiro.

Passa-se a noite até que elas chegam no Rio. A primeira coisa que Michele tinha de fazer era achar um apartamento. Depois de um tempo vendo os preços  de rua em rua, ela acha um perfeito e que dava para pagar enquanto Michele não tinha um emprego. Não demora muito e as duas já são inquilinas daquele prédio.  O apartamento era pequeno, porém organizado, igual a casa de Michele. Uma sala, uma cozinha, dois quartos, dois banheiros e uma sacada. Tudo bem decorado.

Depois de uma hora arrumando a casa, enquanto Jéss ficava vendo TV, Michele decide descansar e ver TV com sua filha. Enfim… Era uma nova vida. Uma nova experiência para as duas.

Ficou um tempo trocando de canal, até que um lhe agradasse. Até que Michele para em uma noticia familiar, bem familiar que ela não esperava tão cedo.

“ Agora vamos voltar ao caso do desaparecimento de Jéssica Martins. Ela desapareceu na última noite, a família suspeita de que é sequestro. A mãe está desesperada, logo falaremos com ela.  Uma menina de em média 7 anos, cabelos pretos, pele clara. Aqui está a foto caso alguém a conheça. Caso tenha visto essa menina ligue…” – Michele desliga a TV.

– Jéssica… Precisamos ficar escondidas por um tempo. Até que se esqueçam da gente. Tudo bem?

– Por quanto tempo mãe?

– Não sei filha… Não sei…

– Mãe… Será que ela está preocupada? Será que ela está com saudades de mim? – pergunta Jéssica cabisbaixa.

– Você está arrependida de ter fugido comigo?

– Não, não mãe. Estou feliz de estar aqui. – responde ela já com um sorriso no rosto.

Aquele era o primeiro dia juntas. O primeiro dia de muitos, pensava Michele. As notícias sobre o desaparecimento de Jéssica já estavam sumindo, mas de vez em quando aparecia na TV. O desaparecimento foi trocado por notícias de assassinato, roubo e outras coisas típicas do dia-dia.

Passaram sete dias desde que a notícia do desaparecimento de Jéssica apareceu no jornal. Desde então, nada havia aparecido nos últimos dois dias sobre a aluna. Era um alívio para as duas, tanto para Jéssica, tanto para Michele. Até que as duas resolver sair juntas, para um passeio. O primeiro delas, como mãe e filha. O lugar escolhido? O zoológico. O maior zoológico da cidade do Rio.

Jéssica sempre falava para Michele, o quanto adorava os animais, principalmente as girafas. Ela as achavam engraçadas, com aquele pescoço enorme. Até decidiu colocar em seu “ livro de coisas favoritas”.

Chegando no zoológico, por volta das 10hrs da manhã, as duas ficam umas duas horas lá. Vendo os leões, hipopótamos, elefantes, os macacos, e… as girafas. Elas se divertiram muito, riram bastante, brincaram, tiraram fotos, mas sem perder a atenção, qualquer descuido era o fim daquela diversão.

Quando estavam indo embora, pararam numa lojinha, do zoológico mesmo, para ver os livros que tinham. Jéssica ficava andando, olhando os livros, folheando cada um. Até que decide levar um, um que tinha a foto de cada animal do zoológico e um textinho sobre ele, feito para criança mesmo.

Michele leva até o caixa, e percebe duas mulheres do seu lado, uma com cabelo preto e a outra que era ruiva, comentando sobre uma menina que desapareceu na cidade de São Paulo. Era sobre Jéssica que elas estavam falando.

– Você viu a TV hoje de manhã? Aquela menina que sumiu em São Paulo, a polícia confirmou que foi sequestro. Eles viram o vídeo das câmeras do metrô, estava uma mulher e uma criança que aparentava ter uns 8/9 anos. A mãe de Jéssica tem certeza que é ela. – diz a ruiva.

– Eu vi sim. Que horror não é? Como uma pessoa pode ser tão desumana assim? – responde a de cabelo preto.

Sem pagar, Michele pega na mão de Jéssica e corre para o apartamento.

– Mas mãe… e o livro? Você não ia comprar? – pergunta Jéssica meio tristinha.

– Depois eu explico filha, precisamos chegar em casa logo.

As duas finalmente chegam no apartamento. Michele tranca a porta enquanto Jéssica fica olhando. Michele explica o que aconteceu, e pede que ela tenha o dobro de cuidado por mais um tempo.

Mais um dia se passa as duas dormem juntas no mesmo quarto. Era umas 9hrs da manhã quando Michele acorda com a porta batendo. Ela acha estranho, mas logo pensa “deve ser o porteiro” e abre sem ver quem. Ela fica sem reação. A pessoa sem pedir licença, empurra Michele, já vai entrando e dizendo:

– Jéssica!!! É a Josie. Sua mamãe, filha!!!