Minilua

Contos Minilua: O anjo vingador (parte III) #162

Pois é, e desde já, contamos com a sua participação. O e-mail de contato: equipe@minilua.com! A todos, uma excelente leitura!

O anjo vingador

Por: Lucas Rodrigues

Sobrevoando os céus da grande cidade de Los Angeles, a veloz nave de Zelbor começa a sofrer alterações de formato para enganar possíveis radares do exército que estejam rastreando-a. A espaçonave se modifica ganhando várias formas diferentes, como se fosse feita de metal líquido, na verdade a nave é feita com um tipo específico de metal dobrável, só que de origem extraterrestre.

O co-piloto da nave, Groon, aciona o modo invisível sob as ordens de Zelbor, para que não sejam encontrados. O motivo das modificações da estrutura da nave durante o trajeto se devem à rejeição que a mesma demonstra para com a atmosfera da Terra, o modo invisível é o único jeito de parar o problema. Volltrax assume o piloto da nave, deixado por Hildren, que vai até a sala de seu comandante para lhe avisar sobre o exército. Ele caminha até a porta da sala, aperta os botões digitando o código e a porta se abre automaticamente. Hildren dá o alerta:

– Senhor, os humanos estão tentando nos detectar, sugiro que tomemos medidas drásticas neste momento.

– Tenha paciência Hildren, no momento certo iremos atacar, eles não tem a menor chance contra nós, suas armas são patéticas e obsoletas. – diz Zelbor, sentado na sua cadeira metálica e olhando para uma tela de computador.

– O que está observando? – pergunta Hildren.

– Estou tentando definir qual ponto desta cidade o Ômegalipse irá atacar, temos que ativa-lo o quanto antes. Irei abrir o portal assim que puder. 

– Era apenas isso que eu queria saber. Quando houver mais informações trago-as imediatamente para o senhor. – finaliza Hildren.

– Está bem.

Em sua cela, Hy pensa numa maneira de escapar mesmo algemado, mas seu desespero em ter que proteger o planeta da destruição total o faz perder a confiança em si mesmo. Temendo um possível fracasso na sua tentativa de salvar os humanos, Hy chora suas primeiras lágrimas, que caem no chão frio e cinzento da cela em pequenas gotas.

Ele se levanta e olha para as grades rígidas e inquebráveis, e tenta usar seu raio pulverizador dos seus olhos para incinerar as grades, mas não obtém sucesso. Seus olhos apenas ficam vermelhos e só disparam pequenas quantidades de brasas.

Olha para as algemas e tenta quebrá-las, mas percebe que há um mineral de seu planeta que neutraliza seus poderes de maior importância juntamente com o metal das algemas. Já no exército, o general Robert bola um plano para resgatar Hy: cerca de vinte aviões são autorizados para decolarem e tentarem rastrear a nave alienígena, que no momento se encontra em modo invisível.

Os soldados entram em seus aviões e decolam todos ao mesmo tempo rumo à caçada aos aliens  Megan se encontra no avião do general Robert juntamente com o Dr. Alfred, que se une aos soldados no resgate. Mesmo com o sol se pondo a nave dos mentores sofre com a incidência da luz solar e o modo invisível acaba sendo desativado devido aos raios ultravioletas, causando uma fúria incontrolável em Zelbor, que se levanta de sua cadeira e vai até os pilotos. Ele esbraveja:

– Mas o que houve aqui? Percebi que o modo invisível foi desativado. Entendam que isso é para impedir que os humanos nos encontrem!

– Mas senhor comandante, não fomos nós, suponho que deve ter sido os raios solares que neutralizaram o funcionamento do equipamento que ativa o modo invisível, e isso não é tudo, estamos ficando sem combustível. – explica Volltrax. 

– Parece que nossa nave não se adaptou à atmosfera deste planeta imundo, isso é o pior dos problemas. Tentem contornar essa situação imediatamente, avisarei a vocês em breve sobre a chegada do Ômegalipse. – diz Zelbor, dando as costas indo novamente para sua sala. 

– Sim senhor! – exclamam Groon e Volltrax uníssonos 

Hy tenta escapar da cela batendo sua cabeça nas grades, mas nenhuma delas consegue se quebrar. Hildren, passando pelos corredores da nave, ouve o barulho das cabeçadas de Hy e vai até a cela para ver o que está acontecendo. Chegando lá, ele se depara com Hy e sua testa machucada. Hildren tira sarro:

– Que maneira mais patética de escapar de uma prisão, parece até que levou uma surra ou um chute no meio da testa hahahahaha!

– Pare de brincadeira Hildren, eu sei que você quer obter o posto de comandante, sei que tem inveja de Zelbor por ele estar no comando. – afirma Hy, bastante ofegante.

– Como sabe disso? Eu sempre desejei esse cargo com todas as minhas forças, Zelbor não tem nenhuma autonomia, eu posso controlá-lo e sei muito bem como fazer isso, porque eu vou conseguir.

– Se lembra dos momentos que passamos juntos, quando éramos crianças… nós brincamos juntos, lutamos juntos… será que nossa amizade simplesmente se perdeu no tempo!? Você não acha melhor nós voltarmos a ser o que éramos antes?

Éramos grandes amigos, quase irmãos de sangue, nas lutas você era sempre o mais forte de todos, perdia raríssimas vezes nos torneios que nosso grupo organizava. Cadê aquele Hildren destemido e que não almeja nenhum tipo de poder absoluto? Será que ele morreu? Porque o Hildren que eu conhecia não está mais na minha frente.

– Hy… eu… nunca pensei dessa forma, mas… eu não posso. Desde que eu e você nos envolvemos com Zelbor eu mudei, não sei como explicar essa mudança mas é mais forte do que eu. – diz Hildren, com um semblante de tristeza. 

– Mas eu sei que você consegue. – diz Hy se aproximando de Hildren – Eu sei que o Hildren que eu conhecia ainda está aí dentro de você… precisa redescobrir sua real essência para que volte a ser o guerreiro nobre de antes.

Não só o guerreiro valente, mas também o meu melhor amigo.

– Eu, nem sei o que dizer Hy… vocês demonstrou ter uma consideração que eu nunca recebi de ninguém. – diz Hildren comovido com as palavras de Hy. – Só por isso vou tira-lo daqui. Zelbor é um canalha, você sempre teve razão sobre ele, não passa de um tirano que não quer dividir nada com ninguém. 

Hildren pega a chave que está no cofre ao lado da cela. Ele usa sua força bruta para destruir a porta, pega a chave dourada e abre a cela libertando Hy. Os dois se abraçam e Hildren volta a ser amigo de Hy:

– É hora de irmos, vou deixar você escapar dessa nave sem que Zelbor perceba.

– Você não vem comigo? – pergunta Hy.

– Não, ainda preciso definir o momento certo de acertar as contas com Zelbor. 

A dupla segue até um corredor onde há uma cápsula de saída para fugas, Hy adentra nela e Hildren aperta o botão ligando-a. Hy dá adeus ao seu amigo. A cápsula de saída é ativada e jogada para fora da nave por meio de uma abertura.

Os aviões e drones de vigilância detectam a presença da cápsula em algum ponto da cidade no exato momento de sua queda. A cápsula cai em cima de um prédio abandonado, atravessando todos os andares e destruindo-os até chegar ao primeiro andar. Completamente destruída, a cápsula é aberta por Hy, que sai bastante tonto depois da queda.

Livre das algemas, Hy finalmente pode utilizar suas habilidades. Percebendo que ganhou novos poderes, Hy decide sair para as ruas e ver como está a situação, e também para avisar as pessoas sobre a chegada do Ômegalipse. Ele usa seu raio pulverizador destruindo a porta de entrada do prédio e sai para a rua, mas não encontra ninguém, totalmente deserta. 

Zelbor vai até a cela onde Hy estava e dá de cara com ela vazia. Sua fúria sobe à sua cabeça e ele dá um grito que ecoa por toda a nave. Hildren, dentro de seu dormitório, ouve o grito de Zelbor e dá um sorriso:

– Ele descobriu, hahaha.

Sem pestanejar, Zelbor vai até a sua sala e ativa o portal de entrada para o Ômegalipse por meio de mecanismos holográficos. Com sua raiva em último nível, o líder finaliza o processo que dá ao Ômegalipse a passagem para adentrar na Terra e começar a aniquilação. Hy, sozinho numa rua qualquer, percebe a energia do portal vinda dos céus, e se dá conta do perigo que se aproxima.

A nave dos mentores consegue encontrar Hy, Zelbor manda que seus soldados o ataquem em disparada. Volltrax, Groon e Ramek se aproximan de Hy andando lentamente, Hy os observa com seriedade e percebe que querem uma luta. Zelbor diz em voz alta:

– Não sei como conseguiu escapar seu miserável, mas tenha a certeza de que não sairá deste planeta com vida!!!

Zelbor manda seus soldados atacarem Hy com força máxima. Volltrax usa sua supervelocidade para confundir Hy e não prever seus movimentos, e fica o rodeando em círculos. Com a velocidade máxima de Volltrax fazendo-o andar em círculos ao redor de Hy, cria-se um tornado que faz o campo de visão de Hy ficar turvo. Groon dispara rajadas de eletricidade pelas mãos no tornado, eletrocutando Hy, ocasionando uma explosão que faz Hy voar para longe e atingindo um prédio. Volltrax sai completamente ileso da explosão.

Chegou a vez de Ramek atacar com seus braços elásticos, mas antes que ele pudesse atacar, Hy volta para o campo de batalha. Ele bate seu pé direito no chão causando um terremoto, o chão inteiro se abre fazendo carros e ônibus cederem, e também os três soldados de Zelbor, ficam quase soterrados no meio dos escombros. O único que se liberta é Groon, com seu corpo resistente e robusto.

Ataca diretamente Hy com socos e chutes, em uma sequência rápida e frenética. Os dois acabam se chocando com um prédio, Hy se defende dos socos e dá uma cabeçada na testa de Groon, que é arremessado para uma vidraça e cai em um automóvel. Mas ele não se dá por vencido e dispara raios elétricos para todos os lados do prédio, fazendo-o desmoronar. Hy, vendo que o prédio está prestes a cair, tenta achar uma forma de se salvar, ele olha para todos os lados, mas todas as paredes começam a cair.

Sem perder tempo, Hy pula nos pedaços do prédio que estão caindo para chegar até o topo, mas no meio da fuga ele acaba ouvindo um choro de uma criança. Então, ele se segura em um fio elétrico, enquanto vários pedaços do prédio caem demasiadamente.

Hy pula para o quarto andar, abre a porta e encontra uma menina de cabelos loiros e vestido rosa sentada no chão com as mãos nos ouvidos e chorando copiosamente. Sensibilizado com o pranto da garotinha, Hy se oferece para ajuda-la, estendendo a sua mão para ela, que aceita na hora para ir com ele, e juntos saírem do prédio. Hy coloca a menina sobre o seu peito, e dá um pulo para um outro andar que está parcialmente destruído, porém, o prédio inteiro cede em definitivo e Hy acaba não conseguindo chegar ao quarto andar.

Caindo junto com a menina, Hy fecha os olhos, a menininha grita em desespero, mas algo extraordinário acontece: Hy ganha asas, asas parecidas com as de um morcego, que o fazem voar e impedi-lo de colidir com o chão. A menina abre os olhos e vê as magníficas asas que Hy acabara de ganhar e pergunta:

– Você é um anjo?

– Não, apenas um ser de outro planeta destinado a salva-los. – diz Hy para a menina.

Hy coloca a menina no chão e a deixa ir encontrar os seus pais. A garotinha sai correndo, e dá um sorriso para Hy, indicando que ela está agradecendo por ter salvado-a. Hy olha para os escombros do prédio e de lá sai Groon, bastante furioso, sua pele esverdeada começa a ganhar um tom mais avermelhado, fazendo-o tirar sua armadura prateada para que fique mais ágil no combate.

Groon se aproxima com suas mãos já bem carregadas de energia prontas para serem disparadas, Hy absorve a energia solar, que mesmo em baixa quantidade naquele momento pode servir pra alguma coisa.

Os punhos de Groon começam a ficar cheios de energia e Hy percebe que ele está absorvendo-a pelos postes de iluminação e fios de alta tensão. O corpo de Hy começa a se eletrificar e rapidamente ele dispara seus raios elétricos contra Groon, que também contra-ataca com o mesmo golpe.

Os dois raios se chocam criando um turbilhão de energia que faz a terra tremer. A intensidade do choque entre os ataques aumenta quando os dois decidem maximizar todo o poder que está dentro deles, mas Hy é espeto e vê que Groon está obcecado para ganhar a luta de qualquer forma, uma distração acaba fazendo ele ganhar prejuízo durante o combate, Groon vê uma pedra enorme caindo, pedra esta que fazia parte do prédio que havia cedido, Hy percebendo a distração dele, aumenta seu poder quatro vezes e seu raio consegue atingir Groon, que é arrastado pela força do ataque, causando um imenso rastro de destruição. 

Vendo que obteve a vitória contra seu oponente, Hy se ajoelha no chão bastante desgastado por ter consumido bastante energia. Ofegante, tenta recuperar o fôlego que a intensidade da batalha lhe tirara, mas uma força da natureza chama sua atenção antes que pudesse recuperar suas energias.

Os ventos começam a soprar rapidamente, fazendo papéis, latas e folhas voarem, o céu que no momento se encontrava já azul escuro anunciando a chegada do anoitecer ganha um tom tempestuoso de um azul sombrio e obscuro, as nuvens ficam carregadas causando raios e trovões. As pessoas que permaneceram nos abrigos foram ver o que está acontecendo e presenciam algo nunca visto antes.

As nuvens se afastam criando uma abertura, como se algo estivesse para passar, ou seja, o Ômegalipse está prestes a vir. Megan, general Robert, o Dr. Alfred e os soldados ficam perplexos com o aspecto sombrio dos céus e do clima cataclísmico que se instala neste momento. O desespero toma conta de Megan que olha para todos os lados sem saber o que está acontecendo. General Robert tenta entender o que se passa:

– Mas o que está acontecendo? Porque todo o céu ficou escuro? Tá parecendo que vai chover.

–   Não vai chover… sinto que uma tempestade se aproxima, mas não é uma tempestade comum. – diz o Dr. Alfred. 

–   O que vamos fazer? Não podemos ficar aqui de braços cruzados, o perigo é iminente! – diz Megan preocupada. 

– Acalme-se senhorita Ryans, ainda precisamos pensar em como iremos acalmar os ânimos dos civis. – afirma o general Robert.

Hy surpreende a todos voando e se aproximando dos soldados para lhes informar sobre a chegada do Ômegalipse. Megan fica maravilhada com as asas de Hy e pergunta como as conseguiu:

– De onde vocês tirou essas asas? E como você conseguiu escapar?

– É uma longa história, no momento não dá pra falar agora. Preciso que todos vocês me ouçam com atenção. – diz Hy. – Zelbor, meu mentor principal ativou um portal interdimensional que dá passagem para uma máquina viva chamada Ômegalipse. Ele também funciona com uma inteligência artificial só que de um nível mais avançado do que as máquinas comuns que usávamos. 

– E o que esse tal de Ômegalipse pode fazer com a Terra e conosco? – pergunta o general Robert. 

– Eu ainda não sei. Só saberei quando ele chegar. Preparem-se.

Entendendo a mensagem de Hy como um alerta máximo de perigo global, os soldados se preparam para recuar e deixar que o alien cuide da situação. Megan vai até ele :

– Pode me dizer como vai resolver isso?

– Farei o que achar melhor. Vocês humanos não tem ideia de como eu me sinto grato por vocês tentarem me ajudar. Eu nunca devia ter acreditado nas mentiras e nas ideias sem fundamento de Zelbor. 

– Mas você encontrou sua essência… descobriu quem você realmente é. E tudo graças a mim.

A conversa entre os dois é interrompida com a chegada da nave dos mentores. Zelbor sai da nave trazendo Hildren amarrado, amordaçado e bastante machucado. Hy fica surpreso com o estado de seu amigo e tenta arrancar explicações de Zelbor:

– O que fez com ele?

– Nada demais, apenas dei uma lição para que ele não cometa de novo o erro que foi tirar você da prisão. 

– Vai se arrepender se caso você o matá-lo.

– Não terei arrependimento, apenas sentirei o gostinho da vingança. E por falar em vingança, enquanto você esteve lutando contra Groon, nós três fomos até outros lugares deste planeta e matamos um grande número de pessoas. Não fique bravo, agora que protege os humanos você não terá nada com o que se preocupar, você é quase indestrutível.

Nós vamos embora, não tente nos seguir, porque você terá que tentar destruir o Ômegalipse… e eu desejo que fracasse. 

– Vou salvar a raça humana, sempre há uma esperança… eu sou a esperança. 

– Pense como quiser… até porque você não conhece absolutamente de nossa maior invenção. Adeus Hy, para sempre. 

Zelbor, Volltrax e Ramek entram na nave levando Hildren. A nave decola e voa em alta velocidade, sumindo no horizonte. O Ômegalipse finalmente chega entrando pela abertura que as nuvens fizeram ao recuarem. A aparência da máquina se assemelha a uma torre metálica, só que mais volumosa. No seu topo há um olho vermelho e na sua parte de baixo se abre uma espécie de buraco de onde é disparado um raio azul que perfura a terra, causando um estrondoso terremoto, fazendo com que prédios e casa sejam instantaneamente destruídos, sacudindo toda a terra.

Hy fica impressionado com a grandeza e a aparência assustadora da máquina apocalíptica, mas seu medo de fracassar não toma totalmente sua mente, e encoraja-se para enfrentar o inimigo que está bem à sua frente. 

Os soldados, general Robert e o Dr. Alfred estão em um raio de 30 quilômetros de distância do ataque. Dentro do avião, o Dr. Alfred observa com atenção a atividade da máquina planetária pelo computador, e faz uma análise:

– Isso é incrível… essa máquina perfurou 20 metros da crosta terrestre em menos de 2 minutos. 

– O senhor tem uma ideia sobre quais serão os efeitos negativos que ela trará ao ambiente? – pergunta o general Robert. 

– Ainda não fiz uma análise definitiva, mas creio que o poder desta máquina… pode nos aniquilar completamente.  

Megan e Hy ainda estão do lado de fora presenciando a atividade da máquina. Hy aconselha que Megan volte para o avião para que fique em segurança, garantindo que tudo correrá como ele planeja. Megan não esconde a preocupação em ver que o plano do alien pode fracassar, pois a máquina não tem uma tecnologia de seu conhecimento geral.

– Me prometa que irá nos salvar, que irá ficar bem… está se arriscando para nos salvar, isso é um ato louvável, ainda mais vindo de um alienígena como você. – diz Megan.

– Vá para o avião, junte-se a eles e acredite que tudo irá dar certo… pelos meus estudos recentes sobre a raça humana, vocês acreditam em uma força superior que vocês chamam de Deus… não posso contestar a fé que vocês tem nesse ser invisível que vocês tanto adoram, portanto continuem acreditando nele, se é esta a crença que vocês tem e se isso lhes dá algum conforto emocional continuem acreditando, o que importa é que se sintam bem.

Hy abre suas asas e voa indo em direção ao Ômegalipse a fim de destruí-lo. Megan olha para Hy voar com um brilho em seus olhos e quase cheios de lágrimas, está vendo a última esperança para salvar a humanidade da extinção. Ela entra no avião, e encontra o general Robert e o Dr. Alfred bastante preocupados.

– Que bom que veio logo senhorita Ryan. Pra onde foi o Hy? – pergunta o general. 

– Ele disse que tem um plano, só nos resta confiar nele e é a nossa única salvação. Deixem tudo com ele, não precisam intervir. – diz Megan aconselhando aos soldados que não se envolvam no plano de Hy.

– Doutor, parece que o raio da máquina já chegou ao núcleo da Terra. – diz um soldado.

– Não é possível, mas… não, isso é terrível.

– O que houve doutor? – pergunta Megan.

– O raio da máquina já atravessou várias camadas terrestres, está aumentando a temperatura do núcleo da Terra em uma velocidade impressionante. – conclui o Dr. Alfred. 

– E o que vai acontecer se aquecer cada vez mais o núcleo? – pergunta Robert. 

– Uma espécie de bola de fogo gigante será criada devido as consequências do aumento da temperatura, e então, quanto mais a temperatura aumentar, maior será a chance do núcleo explodir, e consequentemente o planeta também irá explodir. 

– Meu Deus… – lamenta Megan.

– Se Hy fracassar, será o nosso fim. – diz o Dr. Alfred.

Olhando fixamente para o Ômegalipse, Hy pensa em uma forma de se infiltrar dentro do mecanismo principal que mantém a máquina em funcionamento. Mas Hy se dá conta de que precisa se arriscar mais para que obtenha sucesso em sua missão, então ele toma a decisão de entrar na máquina pelo raio que ela está disparando, mesmo não temendo os danos que isso pode lhe causar. Hy se joga no raio da máquina, voa para subir até a máquina, e acaba sendo jogado para perto do chão, mas permanece no ar.

Ele não desiste, e voa subindo cada vez mais alto resistindo à força do raio querendo lhe derrubar. Chegando até o topo da abertura de onde está saindo o raio, Hy muda de forma e aumenta seus poderes, seu corpo começa a arder em chamas que se alastram por todas as partes, dando-lhe a chance máxima de entrar na máquina e consegue com muito esforço. 

A máquina é destruída pela intensidade das chamas do corpo de Hy. O Ômegalipse parte-se ao meio e as duas partes caem em lados diferentes, causando explosão estridente e destruidora que faz criar um vento que destrói o que havia sobrado dos prédios. Os sobreviventes vêem o corpo de Hy caído no chão, aparentemente morto.

Los Angeles está completamente assolada pelo caos, quase inteiramente destruída. O avião onde estão Megan, o general, o doutor e os soldados pousa no local da queda do Ômegalipse. Cientistas do mundo inteiro olham pela TV os pedaços da máquina e muitos deles decidem estudá-la para ver de quais materiais ela é composta. Megan chora ao ver o corpo de Hy caído no chão, e vê que ele realmente está morto. 

– Você não tinha que morrer… – lamenta a moça.

– Senhorita Ryans… eu lamento o que aconteceu… mas o importante é que ele se sacrificou para nos salvar e conseguiu. Se saísse vivo dessa eu teria que agradecê-lo. – diz o general Robert, que também fica triste com a repentina morte de Hy. 

O corpo de Hy é levado para o abismo Laurenciano pelo exército no dia seguinte. Uma semana se passa após o que ocorreu, tudo muda, as crenças, a mentalidade da sociedade… o impacto da chegada de Hy e de seus mentores deixa uma marca profunda na humanidade, uma marca que nunca irá desaparecer, pois Hy será lembrado como o salvador da Terra, e não como o aniquilador como se apresentou no princípio.

Escultores renomados fazem um monumento em homenagem a Hy, por sua coragem em ter salvado a humanidade, e o lançam numa exposição aberta para o público em um museu. Uma frase está escrita abaixo da estátua, intitulando Hy como “O anjo vingador”, pois vingou as vidas que foram ceifadas pelos mentores e pelo ataque do Ômegalipse. Nas memórias de todos Hy será lembrado e homenageado… e nessas memórias, ele será eterno.