Minilua

Criaturas mitológicas: Dragões #3 (final)

Na últimas semanas demos início a série, se você ainda não leu clique aqui e aqui!

Ciência e Teosofia

Estudiosos das mais distintas áreas como geólogos, arqueólogos, teósofos, biólogos acreditam que pode ter havido um período de transição no qual seres humanos conviveram com sáurios ou grandes répteis, a teósofa H. P. Blavatsky assinala em sua Doutrina Secreta (2003), citando o naturalista Curvier:

“Se existe algo que possa justificar a existência de hidras e de outros monstros cujas figuras foram tantas vezes reproduzidas pelos historiadores da Idade Média, este algo é incontestavelmente o plessiossauro.”

Como já vimos, esta criatura ora é vista como uma representante do bem, ora é vista como uma representante do mal, contudo, a existência da espécie como animais pré-históricos contemporâneos a uma raça humana arcaica, pode ainda ser contestada, mas sua realidade como elemento cultural, seu caráter de poderoso símbolo presente no imaginário popular e nas alegorias religiosas de todo o mundo é um fato inegável.

A visão de que o dragão é um ser puramente maligno é reforçada no Ocidente, onde a sua figura foi constantemente associada ao Diabo, quase sempre alegorias mal interpretadas, nas escrituras cristãs como no Apocalipse, conhecido por Leviathan e nos evangelhos apócrifos, em Bartolomeu, surge submisso e, diante de Cristo e dos apóstolos, confessa suas maldades.

Os casos mais expressivos desta deturpação de seu significado original são notados os embate com o Arcanjo Miguel e com São Jorge, neste último, o nobre cavaleiro teria derrotado a besta que costumava se banquetear com jovens virgens, dando origem a outro clássico tema de histórias de fantasia: o nobre cavaleiro que enfrenta um vil dragão para salvar uma princesa.

Apesar disso, o seu significado tradicional se mantém, pois os dragões não tiveram seus atributos positivos corrompidos, o folclore acerca de dragões protegendo tesouros é uma adaptação popular para os Dragões Guardiães do Éden, Guardiães da Árvore da Vida e da Árvore do Conhecimento do Bem e do Mal.

Jesus admitiu a Serpente como sinônimo de Sabedoria, e um de seus ensinamentos, disse: Sede sábios como a serpente.

Todos os povos simbolizaram o “Espírito de Deus” sob a forma de uma serpente de fogo que repousa sobre as águas primordiais até o dia do despertar, quando se expande por meio do verbo tomando a forma do leminiscato, a serpente que morde a própria cauda, representação do Universo, da Eternidade, do Infinito e da forma esférica dos corpos celestes. BLAVATSKY, 2001 – p 131

 

Alquimia

Para a Alquimia, o dragão representa a manifestação do ser superior contido nos quatro elementos, onde estes elementos, cada um expresso por um dragão, correspondem aos quatro aspectos de Lúcifer, o protótipo original do homem-anjo e do homem-besta em seu aspecto primitivo, primordial e superior. O dragão alquímico, ou Lúcifer, é o dragão iniciador da luz e das trevas que são elementos unificados, resultando na consciência espiritual e na aquisição de sabedoria (Sophia).

O dragão é um hieróglifo dos quatro elementos (Ar, Fogo, Água e Terra), assim como da matéria volátil e da matéria densa, representados pelo dragão alado e pelo dragão sem asas, respectivamente. Como criatura alada, o dragão luciférico representa os poderes do Elemento Ar e a volatilização. É força expansiva, inteligência, pensamento, liberdade, a expansão psicomental, a elevação espiritual. Como criatura ígnea que é capaz de cuspir fogo, ele possui os poderes do Elemento Fogo, a calcinação, a força radiante, a energia ígnea que cria e destrói. É o aspecto que está relacionado à intuição espiritual que vem como uma labareda, e à vontade espiritual. Como criatura escamosa aquática, o dragão expressa os poderes do Elemento Água, a força fluente e a dissolução da matéria. É o aspecto que simboliza as emoções superiores, a alma, o inconsciente individual como fonte de conhecimento. Como um ser terrestre que caminha sobre quatro patas e habita em profundas cavernas, o dragão representa os poderes do Elemento Terra, a força coesiva, a matéria e o corpo físico do alquimista.

 

Da mitologia para a vida real – Dragão de Komodo

 

Assista a continuação e encerramento deste incrível documentário sobre a possível existência dos Dragões

 

Semana que vem, a história de uma nova criatura vai dar as caras por aqui não deixe de acompanhar!

Se quiser me adicionar no Face: http://www.facebook.com/adrianosaadehminilua