Minilua

Um dia na vida de um marinheiro submarino

Estar em um submarino pode até parecer uma ideia legal, afinal esse veículo é uma das maiores obras de engenharia do mundo e tudo dentro deles parece ser de “outro mundo”. Mas como será que é ser um dos soldados lá dentro?

Treinamento

O treinamento é insano. São 18 meses de palestras e exercícios intermináveis. Os dois primeiros meses são os piores, pois as aulas começam de manhã bem cedo, tendo alguns intervalos para exercícios e depois mais aulas, até o final da noite. Isso se repete todos os dias da semana! Sem folga e sem tempo para outras atividades.

O nível do conteúdo de aula é universitário e complexo. Todos os alunos tem que saber sobre tudo que existe dentro do submarino, pois na morte de um, outro pode assumir.

É normal alguém desmaiar durante as aulas ou simplesmente cair no sono em pé. Existem diversos relatos de pessoas tentando suicídio ou se cortando, meio loucas. Não é à toa que a marinha tem a taxa mais alta de suicídios do exército.

Sem oxigênio

Para evitar o risco de incêndios ou falta de oxigênio, os submarino costumam ter os níveis desse gás bem baixos, o que causa vários problemas. Primeiro que as pessoas não conseguem se recuperar de ferimentos; em segundo lugar existe o problema do ânimo. O baixo nível de oxigênio faz todo mundo ficar cansado e irritado por nada.

Apertado

Isso você já devia saber, mas a extensão desse problema é maior do que pensa. As camas são todas divididas, ou seja, quando você levanta, alguém está indo dormir e assim por diante. A mesma coisa ocorre com os chuveiros, sendo que existem apenas três ou quatro para mais de 120 homens.

Mesmo estando em um submarino apertado, as pessoas lá dentro são soldados e precisam manter sua forma, por isso existem máquinas de exercícios, mas todas elas ficam em lugares tão apertados, que é quase impossível fazer os exercícios direito.

Ainda existe o problema dos corredores, que são baixos demais, por isso todos andam com as costas curvadas, tendo que cuidar com os canos a sua volta, porque muitos são quentes.

Fedorento

Tudo dentro de um submarino fede demais. É como ter todos os amigos peidando em um sala fechada, onde ninguém pode abrir a janela. Além disso, existe cheiro de óleo, suor e todo tipo de odor ruim.

A parte boa é que a comida, em boa parte, é composta de rações, pois a geladeira precisa ter bastante espaço livre, para caso alguém morra lá dentro e o submarino não possa voltar a superfície logo.

Superfície

Até mesmo estar fora da água dentro de um submarino é algo muito ruim, pois, ao contrário do que acontece em alguns filmes, ninguém abre a escotilha no meio do mar para fazer alguma coisa.

As ondas são o grande problemas de estar “lá em cima”. O submarino submerso fica paradinho, sem balançar, mas sobre a água as coisas são completamente diferentes, é como estar em um terremoto que nunca acaba, tudo balança, tudo cai, inclusive as pessoas.

Mas se essas coisas todas não forem problemas para você, vá se alistar!

As informações sobre a escola e as experiência submarinas foram contadas por Cleve Langdale, que durante alguns anos foi maquinista nuclear em um submarino americano.