Minilua

A era dos buracos negros

Como um ser vivo, o Universo é algo que um dia nasceu e deve morrer. Bilhões de anos vão se passar, mas o derradeiro fim de nosso Universo um dia vai acontecer e nesse momento os corpos mais obscuros serão donos de tudo:

As eras do Universo

A comparação do Universo com uma pessoa é totalmente válida. Como nós, o Universo nasceu. Sua origem é o Big Bang. Logo após isso, ele se transformou em um Universo bebê, incapaz de manter vida ou qualquer coisa mais complexas do que alguns átomos. Bilhões de anos de passaram e aquela confusão de calor foi diminuindo. O pequeno universo já era capaz de criar corpos complexos, como estrelas e planetas, daí foi apenas um passo para que a vida surgisse.

Em breve, toda essa maravilha criada pela evolução de nosso Universo vai mudar drasticamente. Atualmente, a gravidade está perdendo a guerra e as galáxias estão se afastando uma das outras. Porém, os corpos próximos ficam cada vez mais próximos, criando conglomerados de massa que em algum momento, invariavelmente, geram estrelas ou buracos negros.

A tendência, nos próximos bilhões de anos, é o afastamento das galáxias e a criação de mais e mais buracos negros, que devem crescer rapidamente, devorando tudo a sua volta. Até chegarmos a um ponto conhecido como:

A Era dos Buracos Negros

Nas grandes distâncias que separam as galáxias, a gravidade deve perder a guerra, tornando o Universo um local cada vez mais escuro e inabitado. Porém nas distâncias curtas, o poder da força que nos mantém colados ao planeta deve vencer a guerra e esse cenário não é nada animador.

Todos os corpos com massa devem ser sugados para dentro de enormes buracos negros, transformando esses gigantes sugadores de matéria no futuro das galáxias. Se não bastasse toda a vastidão negra e sem cor, o Universo ainda deve caminhar para um final mais triste.

Durante quase toda a história dos buracos negros, o mundo inteiro acreditava que eles seriam os perfeitos retentores de energia, matéria e radiação, até que Sthepen Hawking surgiu com outra ideia. Segundo ele, mesmo os poderosos buracos negros não são tão perfeitos assim e perdem radiação com o passar do tempo.

Flutuações quânticas

Se os buracos negros são tão fortes que “prendem” até a luz, como outras coisas podem fugir dele? A resposta está em algo chamado Flutuação quântica de vácuo.

Todo buraco negro possui algo chamado de horizonte de evento que é o ponto onde, a partir dali, nada mais consegue escapar da atração gravitacional, ou seja, dali para adiante nem mesmo a luz consegue voltar. A explicação para isso é simples. Quanto mais perto chegamos de um buraco negro, mais forte a gravidade fica, até que em um momento ela é tão poderosa, que não há como escapar dela, nem mesmo conseguindo acelerar a velocidade da luz.

É perto desse horizonte de evento que as coisas podem escapar do buraco negro. A flutuação quântica no vácuo é a criação espontânea de uma partícula e uma antipartícula, que se aniquilam em uma fração mínima de tempo. Em alguns casos, uma dessas partículas pode se criar fora do horizonte de evento e outra dentro, dessa maneira, a partícula do exterior pode escapar do buraco negro.

De pouco em pouco, esse material acaba fugindo do buraco negro e no passar de trilhões de anos, o indestrutível buraco pode se dissolver e o Universo, já morto, ficará ainda mais obscuro, populado apenas por partículas perdidas na imensidão do espaço.