Minilua

Os erros da evolução humana

Assim como todos os outros animais, os seres humanos estão em constante evolução. A cada geração, uma pequena modificação é feita. Muitas vezes, elas são tão insignificantes que não criam nenhuma mudança visível, mas, ao longo prazo, após milhares de gerações, as coisas começam a aparacer aos olhos. Por isso, as gerações atuais ainda vivem no meio de um processo de evolução vindo de nossos antepassados. Como todas essas mudanças são lentas e graduais, ainda existem em nosso corpo coisas inúteis, que a evolução não teve tempo ou esqueceu de retirar:

Arrepios

Basta um pouco de frio ou uma situação de medo para ficarmos arrepiados. Mas essa reação, que aparece em todos os humanos, hoje em dia, é totalmente inútil. Nossos ancestrais distantes, assim como a grande maioria dos mamíferos, possuíam pelos por todo o corpo. Criando arrepios diante de duas situações distintas:

Frio: quando um animal está com frio, ele pode arrepiar os pelos, aumentando a cama de calor em volta do corpo.

Medo: quando um animal se arrepia por medo, ele faz isso para parecer maior, podendo ajudar a enfrentar o inimigo.

Em humanos, essas reações acontecem pelo mesmo motivo, só que nós perdemos nossos pelos há muito tempo. Por isso, essa reação podem vir a assumir no futuro, afinal é inútil para nós.

Terceira pálpebra

As pálpebras são muito úteis para nós. Graças a elas que nossos olhos ficam protegidos contra diversas partículas do meio e também servem para nos ajudar na hora de dormir, escurecendo tudo. Contudo, além das duas pálpebras normais, nós temos uma terceira escondida. Bem no canto do olhos, nós temos um pequeno pontinho rosa. Essa é a terceira pálpebra, uma herança de antigos parentes.

Essa pálpebra fecha assim em animais que as usam:

Essa película semitransparente é muito comum em lagartos, que ficam muito tempo na água, e também em águias. Ela serve de proteção aos olhos, ao mesmo tempo em que permite a eles enxergar o que está acontecendo. Imagine como seria difícil para uma águia dar uma mergulho do céu, sem uma proteção nos olhos. Certamente partículas de sujeira no ar poderiam dificultar muitas as coisas, por isso essa proteção.

Já em humanos, essa pálpebra não faz muito sentido. É por isso que ela vem sumindo ao longo das gerações e no futuro pode sumir completamente.

Siso

O siso é aquele dente que nasce no fundo da boca e atrapalha a vida de todo o mundo. Em muitos casos são necessárias cirurgias para a retirada desse dente, tudo porque a evolução ainda não deu conta de eliminá-lo.

Quando os seres humanos ainda não tinha aprendido a industrializar sua comida. Nossa alimentação era bem diferente. Comíamos muitas folhas e tínhamos que ter uma mandíbula poderosa para quebrar ossos e arrancar carne. Essa necessidade fazia com que os nossos antepassados tivessem um queixo avantajado:

Com o tempo passando, a necessidade de usar a força na mandíbula diminuiu. Com o fogo e a utilização de ferramentas, comer ficou mais fácil. Isso nos deu a possibilidade de diminuir a mandíbula, contudo, os dentes não conseguiram seguir o mesmo ritmo da boca. Por isso, hoje em dia, ainda temos que conviver com o siso, que é totalmente inútil, chegando a causar muitos problemas.

Atualmente, 85% das pessoas possuem ao menos um siso. A tendência é que esse número caia bastante, afinal a evolução continua seu trabalho em nós.