Minilua

A estranha evolução humana #1

Nós já falamos como os seres humanos evoluíram desde seu antepassado em comum com outros primatas:” A história da evolução do homem que poucos conhecem“. Mas alguns detalhes sobre a evolução humana não foram abordados:

Face

Até poucos dias, acreditava-se que o Australopithecus tivesse passado por diversas modificações em sua face durante a vida devido a adaptações alimentares, mas parece que essa ideia não está completamente correta.

Um estudo feito por pesquisadores da University of Utah revelou que o rosto humano evoluiu para levar socos. Há milhões de anos, o rosto dos machos começou a ganhar reforços, criando uma maior proteção exatamente nos lugares onde os maiores impactos normalmente atingem. O mesmo não aconteceu com as mulheres. Isso mostra que nossos antepassados vivam se socando por aí, provavelmente disputando as fêmeas e o território.

Punho

Outra parte do corpo humano que parece ter evoluído para a luta foi a mão. Ao contrário dos outros primatas a nossa volta, que não conseguem fechar a mão completamente, as nossas se fecham firmemente e transformam-se em armas de ataque.

Isso levou alguns pesquisadores a acreditarem que nossas mãos são desse jeito por dois motivos. Primeiro para ajudar em combates, pois isso era algo essencial no passado e também para que ela seja capaz de mexer com ferramentas. Essa mistura faz com que nossa mão, apesar de ser frágil, tenha uma boa resistência na hora de dar socos.

Paradoxo do dente

Quanto maior o cérebro de um ser, mais energia ele consome, logo esse ser precisa se alimentar melhor para sustenta-lo. Isso ocorre claramente na natureza, onde seres com cérebros grandes costumam ter poderosos dentes e comerem quantidades enormes de alimento, mas o mesmo não ocorre com os seres humanos.

Durante a nossa evolução, os dentes começaram a diminuir de tamanho, ao mesmo tempo em que o cérebro crescia, criando algo chamado ‘paradoxo evolutivo’.  A explicação para esse fenômeno vem do consumo de carne entre humanos, que aumentou consideravelmente com o passar do tempo, ainda mais quando o fogo se tornou comum. Isso criou o ambiente perfeito para um cérebro maior, enquanto os dentes puderam diminuir, pois as quantidades de comida eram menores.

Ajuda da vovó

A natureza é meio cruel com os seres vivos, pois em geral eles morrem logo após perderem sua capacidade de reprodução, ao contrário do que ocorre com humanos.

A verdade é que ninguém sabe porque isso ocorre conosco, mas uma ideia vem ganhando cada vez mais força: A Hipótese da Vovó.

Essa ideia afirma que a longevidade humana só existe porque nós temos vovós por aí. Estudos feitos com simulação em computador mostram que o fato de existirem avós faz com que a vida consiga ter uma duração maior, pois elas ajudam as mães com seus filhos e todo o trabalho que eles dão. Logo as mulheres em fase de reprodução podem ter mais filhos devido a essa ajuda, fazendo com que seus genes passem a diante mais rápido e em maior quantidade.

Fora que, quando mais alguma pessoa vive, maiores são as chances dela ter passado seus genes adiante, além de ter cuidado para que eles sobrevivam. Assim a hipótese da vovó pode explicar porque os seres humanos evoluíram para viver uma longa vida, mesmo depois da fase de reprodução.