Minilua

A macabra face do crime

As fotografias registram momentos lindos e belos do mundo, mas em alguns casos elas conseguem, como ninguém, representar a morte a e tragédia. Algumas dessas imagens entram para a história, pois revelam a face da morte e dos matadores:

The Mad Bomber

Durante 16 anos, a cidade de Nova York temia uma explosão a cada segundo. Conhecido como Mad Man, esse criminoso plantava bombas em diversos lugares públicos, depois avisava a polícia da localização aproximada e esperava a confusão tomar conta de tudo.

Ao todo, 33 bombas foram colocadas em diversos lugares que possuíam ligação com a empresa Consolidated Edison. 22 explodiram ferindo 15 pessoas, felizmente nenhuma morte ocorreu durante esses atentados. A cada vez que a polícia recebia uma ligação do maluco, prédios inteiros eram evacuados, em uma confusão que afetava a vida de milhares.

Após algumas explosões, as pistas começaram a apontar para um ex-empregado da Consolidated Edison, até que o nome de George Metesky foi descoberto. Ele era um trabalhador da companhia que havia sido demitido depois de ter ficado doente durante semanas.

Um conjunto de provas e evidências contra ele foram encontradas, até que George foi preso e confessou todos os crimes.

Durante seu tempo na prisão, uma foto foi tirada e entrou para a história. A imagem mostrou a face do bandido e revelou um homem louco:

George nunca foi julgado, pois foi considerado incapacitado. Ele viveu até 90 anos em um hospício.

Os olhos negros de Karla Homolka

No início dos anos 90, Paul Bernardo começou o que viria a ser a saga mais famosa de um serial killer no Canadá. Em poucos meses, Paul atacou 27 mulheres. Normalmente ele agia a noite, pegando moças que desciam de ônibus saindo do trabalho.

Após todos esses ataques, Paul convenceu a sua esposa, chamada Karla Homolka, a participar dos crimes. Em seguida, eles atacaram mais três mulheres e as mataram. Mas o casal da morte acabou encontrando problemas.

Em uma noite, os dois brigaram e o resultado foi a imagem abaixo:

Em um momento de raiva, Paul atacou sua esposa com uma lanterna, deixando marcas negras profundas. Karla até tentou enganar seus familiares dizendo que aquilo foi um acidente, porém não havia como negar a verdade. Isso fez com que a família dela entrasse na briga e entregasse o marido as autoridades.

Durante a maior parte das investigações e julgamento, ninguém sabia que Karla foi parte importante e cumplice do crime, porém, devido a colaboração com a justiça, ela pegou apenas 12 anos.

O linchamento

Nos Estados Unidos, principalmente mais para o sul do país, sempre houve uma grande tensão entre os negros e os brancos. Tanto que o grande motivo da Guerra Civil Americana foi o fim da escravatura defendida pelo norte e a continuação desse sistema defendido pelo sul.

Mesmo após tudo isso, muitos resquícios dessa guerra continuaram, culminando em um dos crimes mais bárbaros que o mundo já viu. Após uma acusação de assalto e estupro, que depois se mostrou falsa, dois homens negros foram presos.

No dia seguinte, os dois, chamados Thomas Shipp e Abram Smith, estavam na delegacia, mas a população da cidade invadiu o local e linchou os dois até a morte. Os braços dos garotos foram quebrados com martelos e os corpos foram pendurados pelo pescoço em árvores, enquanto a multidão branca admirava aquilo com uma alegria macabra:

A foto dessa cena vendeu milhares de cópias, principalmente para racistas que desejavam admirar aquele momento trágico.