Filho satanista mata mãe por ela acreditar em Jesus Cristo

satanismo2th1

Em Aparecida do Taboado (MS), um rapaz de 17 anos matou a própria mãe, de 48 anos de idade, o motivo teria sido que o filho frequentava uma seita satânica e a mãe acreditava em Jesus Cristo, uma “invenção do homem”, segundo o rapaz.

A mãe, que morava em Maringá (PR) estava separada do pai do rapaz há 10 anos e estaria na cidade somente para visitar o rapaz.

Tudo teria iniciado com uma discussão entre os dois, quando o rapaz queria que todos da família vissem um vídeo produzido por ele, sobre terrorismo. A mãe teria se recusado e dito ao filho que ele estava estragando sua vida com aquilo. Isto teria revoltado o rapaz, que resolveu partir para cima da mãe com uma faca, golpeando-a no peito sete vezes.

O pai do rapaz teria presenciado a cena e corrido atrás de socorro. A mulher acabou morrendo enquanto recebia o atendimento. O rapaz só foi localizado na manhã seguinte, quando confirmou o crime.

Adaptado de odiario

  1. Carlos Eugenio

    16 de julho de 2015 em 19:45

    que mente mais doentia!!

  2. Carlos Eugenio

    16 de julho de 2015 em 19:45

    que mente mais doentia desse cara!!!

  3. Peppa the killer -- nirvana

    2 de junho de 2015 em 15:20

    .-. se acredita no diabo tem que acreditar em deus também ‘-‘ matou a mãe só por isso, babaca .-.

  4. Lucas D

    28 de outubro de 2013 em 16:47

    Como se Satã não fosse uma invenção do homem. -..-

  5. Junior Lima

    27 de agosto de 2012 em 09:54

    Bom sabe o que eu não entendo.
    Esses satânicas malucos que dizem não acreditar em deus, e quando estão numa situação e perigo ficam dizendo ai meu DEUS ai Meu DEUS.
    Outra coisa se eles dizem que DEUS e Jesus não existem por falta de provas, o que prova que o diabo existe em. isso é burrice ou loucura.
    Por falar em religião meus amigos não intérprete a bíblia com antigamente onde seres cobertos de LUZ eram deuses ou anjos, o provo daquela época não tinhão conhecimento de tecnologia então se visem uma nave espacial brilhante já diziam que era DEUS ou anjos.

  6. Leo Dias

    11 de junho de 2012 em 12:34

    o mundo conhece denominações e religiões
    mas Igreja o mundo não conhece. denominações e religiões são sim a maior invenção satânica já criada
    não culpem DEUS nem a Igreja, podem até saber quem é DEUS mas Igreja o mundo não conhece e estar escrito.
    satanismo qualquer um sabe que é do mal, é fácil de discernir mas doutrinas religiosas são todas (sem exerção) satânicas e todos acham que vem de DEUS
    eu ainda digo mais, 90% dos lideres religiõsos são ateus pois não explicação para consientemente falarem do que convem somente ao dinheiro, não há outra linguagem entre eles, encinando a buscarem as suas proprias vontades mas a CRUZ de CRISTO…. enfim
    pior que esse garoto são esses que sobem no altar e se titula a si mesmo como pastor de denominação
    a Biblia chama de sinagoga de satanás, e suas doutrinas de doutrinas de demonios
    tem coisa pior que religiões e suas denominações?

  7. Jefferson Nascimento

    23 de maio de 2012 em 01:52

    Cara, o satã faz parte da mitologia judaica-cristã, então os outros personagens como deus, jesus e o diabo tbm são fictícios.  Este pobre rapaz fez merda.  : 0

  8. Saskez

    16 de maio de 2012 em 21:32

    Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador tinha um filho, lindo, de poucos meses e uma raposa, sua amiga, tratada como bicho de estimação e de sua total confiança. Esse lenhador t

  9. Psycho The Cat

    16 de maio de 2012 em 21:31

    O moleque tem merda na cabeça.

  10. The Dalek

    25 de abril de 2012 em 20:00

    Como um adorador de satã não acredita em Jesus se satã só existe no cristianismo???

  11. Júlio Veras

    31 de janeiro de 2012 em 10:52

    Lutero, help!

  12. Anderson Medeiros

    17 de outubro de 2011 em 10:21

    agora sim o mundo esta num bom caminho 🙂 assim q alguém conseguir assasinar o jb e restart o mundo será salvo 😀

  13. Jully Kellen

    13 de outubro de 2011 em 13:47

    este rapaz nao era um satanista,só podia ser qualquer metaleiro metido a besta q nao conhece absolutamente nada sobre as leis ordens e regras q todo satanista deve cumprir.aliás algumas dessas ordens nos ensina a nao descriminar pessoas por serem de qualquer outra religiao,raça ou se forem homossexuais.assim como disse o fundador da igreja satanista(Anton Szandor LaVey).

  14. cavaleiro que navega

    2 de outubro de 2011 em 18:26

    Ele tinha 17 anos. Não gosto de bancar o chato, muito menos o certinho, tão pouco estou tirando a culpa do rapaz pelo que ele fez, para mim ele tem que ser julgado e condenado.

    Mas, acho que isso muitas vezes é culpa da falta de fiscalização dos pais e da busca por informação acelerada e prematura. A internet é muito boa, mas hoje em dia os jovens estão achando que já sabem de tudo, que são os donos da razão, só porque adquirem uma certa informação (que algumas vezes pode ser até errada). Antigamente os jovens pediam mais conselhos e respeitavam mais os mais velhos, hoje em dia, querem discutir e mostrar que estão com a razão sempre.

    O resultado disso são adolescentes birrentos, mal educados, que não respeitam ninguém e acham que fazer graça com a desgraça dos outros (humor negro) é bonito. Mas na verdade, não passam de alienados apolitizados que preferem ficar sentados na cadeira reclamando da vida.

    É claro, sem generalizar, isso vai além da religião de cada um e da faixa-etária. Existem jovens e jovens. 

  15. Homem ISAIAS(YA)

    13 de setembro de 2011 em 12:17

    NÃO EXISTE NINGUÉM NO MUNDO Q NÃO ACREDITE EM JESUS CRISTO ,ISSO CONVERSA PRA BOI DORMIR,ESSE CARA Q MATOU A MÃE ,DEVERIA PASSAR O RESTO DA VIDA PRESO E AINDA É POUCO,ELE VAI PAGAR NO INFERNO.

    • (Alone) Leonardo Bellini

      2 de abril de 2012 em 19:59

      eu não acredito em Jesus Cristo. Admito, a pessoa pode ter existido, mas os milagres são inventados.

      Ps:Pare de usar Caps Lock, isso atrapalha a leitura.

  16. Keylla Lima

    16 de agosto de 2011 em 19:20

    Moro em a 13 anos Maringá (PR) e não ouvi essa matéria aqui não e olha que assisto televisão todos os dias ¬¬ estranho , isso é um horror ;(

    • Jully Kellen

      13 de outubro de 2011 em 13:49

      coisas desse tipo,a mídia nao costuma transmitir

  17. Anônimo

    5 de agosto de 2011 em 17:14

    gente isso é o fim, ATÉ ONDE VAI ESSA MALDITA HUMANIDADE? matar a mãe, que o gerou, colocou no mundo, a troco de nada? aa que Satanás cuide muito bem dele [/ironia. 

  18. Matheus Kammer

    28 de julho de 2011 em 17:31

    Mano !! Se o CARA é SATANISTA ele tem a OBRIGAÇÃO de acreditar em Deus , e em Jesus Cristo porque matar a mãe por acreditar em Jesus teria mais sentido se isso viesse de um ateu, mas de um satanista é meio dificil e porque :
    Lúcifer era uns anjos das hostes divinas, se rebelou contra Deus e foi expulso dos céus, foi para o inferno e mudou seu nome para Satanás/Satan
    Se Satanás mesmo era um membro do Reino de Deus, como pode um SATANISTA não acreditar na sua existência ?

    Seria mais lógico matar sua mãe por não aceitar que ela seja cristã, e não por ela simplesmente acreditar em Jesus !

    • Jully Kellen

      13 de outubro de 2011 em 13:54

      concordo contigo,nao pode ser um satanista,mas sim,qualquer um que assim se entitula sem se quer conhecer a doutrina os deveres e as ordens a q devemos nos submeter

  19. Edynando Santos Castro

    24 de julho de 2011 em 00:34

    [img]http://hypescience.com/wp-content/uploads/2011/01/atea1.jpg[/img]
    acho que não preciso falar mais nada 

    • Daniel Benini

      1 de fevereiro de 2012 em 11:10

      Quem te disse que hitler acreditava em Deus, como voce pode afirmar isso? Hitler era maçom , e grande parte dos maçons são da escoria ateista.

      • (Alone) Leonardo Bellini

        2 de abril de 2012 em 19:55

        maçonaria foi criado pelos templarios, os quais foram criados pelo Rei Salomão. 1°: tem provas de que Hitler éra maçom e ateu? 2°:Escória? cara, ssuas palavras são tão infelizes que você merece pena.

  20. Anônimo

    21 de julho de 2011 em 21:13

    sabe como se chama isso 2012 rpz ahushaushus…..mas sério um cara fazer isso com uma mãe isso é descaração dele não foi nada diabo o qui fez ele fazer isso foi pq ele ficou com raiva da mãe dele só pq a mulher ñ quiz assistir o video qui ele fez……ele nem sabe quem é o diabo … mas dps dessa vc vai saber quem é ….qui deus tenha muita pena de vc ”

  21. Anônimo

    15 de julho de 2011 em 12:47

    Fanatismo religioso é idiotice .. Mano, eu acredito em Deus e tal, mas nem por isso vou sair no meio da rua dizendo que fulano vai pro inferno por não ser da mesma religião que eu, muito menos vou matar um cara por causa disso. õ.o

  22. (Sic)Taynara Jordison Maggot (Sic)

    14 de julho de 2011 em 14:48

    Putz,nem sabe o que é ser Satânico,daqui a pouco as manchetes:
    “Extra,extra,garoto de 6 anos mata a Mãe à marteladas plásticas por não acreditar em Papai Noel”!
    Só o que faltou!

  23. Victor Corrêa

    10 de julho de 2011 em 17:54

    FAIL !!!!!!O minilua fez merda em dizer SATANISTA.pois satanistas sasao pessoas que ñ acreditam em Deus e nem no sata.NO SATANISMO CADA PESSOA É O SEU PRÓPIO DEUS,ALÉM DO MAIS O SATANISMO É UMA FORMA DE SE REBELAR CONTRA A SOCIEDADE.OU SEJA,SATANISMO É UMA FILOSOFIA, E Ñ UMA RELIGIAO.GOSTEI DA MATÉRIA, MASSSSSSSSSSSSSS, COMETEU UM ERRO GRAVE. XD

    • Robson Fernandes

      14 de julho de 2011 em 14:09

      O erro da filosofia não foi do Minilua, foi do próprio moleque que assim se julgou, mesmo que seja de forma errônea.De qualquer jeito, foi bom tocar neste tema, é bom as pessoas lembrarem que Satanismo não é uma religião, a filosofia realizada por Anton Lavey, declarada de Satanismo, está muito mais próxima de um conduta do Humanismo e do Antropocentrismo, do que uma religião, ou cultu, ou seita.LÓÓÓÓGICO, que de vez em quando aparece um moleque que faz um besteirol desses! Outras seitas relacionadas ao demônio também são presentes, mas isto não é o Satanismo, nem constitui algum ensinamento da Bíblia Satãnica.Detalhe: Opinião Pessoal, li esta bíblia anos atrás e confesso não lembrar de muita coisa sobre o conteúdo dela, mas em boa parte, me recordo de uma filosofia hedonista e irresponsável, e em alguns trechos, uma espécie de “Bíblia Invertida”.Não mais, abraços!

  24. cl

    10 de julho de 2011 em 00:34

    pq colocar um pentagrama (mesmo que invertido) como satanista?

  25. Anônimo

    9 de julho de 2011 em 15:08

    Eu moro em Aparecida do Taboado.. a cidad está em xok…

  26. Jonny Paes

    9 de julho de 2011 em 01:27

    REALMENTE, Jesus é algo criado pelo homem
    tanto quanto Deus e o Demonio.

    isso foi só uma disculpa ridicula pra matar a mãe

  27. Anônimo

    9 de julho de 2011 em 00:24

    Pra começar
    Satanismo é só um “estilo de vida” que a maioria dos posers de Metalero dizem seguir(achando que é uma religião de adoradores de Satan)…

    Minha definição de satanismo: Satanismo é derivado de Satanás, que significa inimigo
    ou seja, um satanista nada mais é do que um “inimigo do sistema”(tipo um anarquista)
    Ele cria suas próprias regras e tudo mais

    Esses que se dizem ser satanistas achando que é uma religião de servos de Satan são tudo um bando de criança mimada..

    Se o cara acredita no Diabo(ou Satan) , no minimo ele tem que reconhecer que Deus e/ou Jesus existe, pq se n fosse pela existencia de Deus não existiria o anjo Lúcifer(Diabo para os “satanistas”)

    Esse negocio de Satanismo e Ateismo é coisa de “adolescentes” que tem medo de ir pra igreja, ou nem ao menos sabe alguma coisa..

    Obs.: Não sou crente,ateu ou “Satanista”

    • diogo-ferreira1995

      9 de julho de 2011 em 14:55

      concorda com algumas coisas que vc disse…
      Mas antes de ser ateu eu ia muito na igreja, cada um tem sua visão de mundo, não tenta definir algo que vc não sabe.

      • Anônimo

        10 de julho de 2011 em 01:47

        Se tu se sentiu ofendido eu não posso fazer nada cara
        Continuo com a minha opinião..
        eu até respeito a opinião de ateus e crentes..
         
        Mas eu odeio quando ficam insistindo sempre na mesma coisa e falam coisa que não sabem(igual a MAIORIA dos ateus), eu falo isso por que eu conheço varios ateus e sei como que é cara
        Os cara sempre falam a mesma coisa que Deus não existe, dai vem um crente e começa a tentar converter ele e o ateu tentando convencer o crente que Deus não existe(e os 2 usando o mesmo argumento toda hora)..
        Uma coisa é o cara ser crente/ateu
        Outra coisa é querer que todo mundo seja igual ele

  28. Pedro Henrique

    8 de julho de 2011 em 22:46

    Será que alguém leu a notícia direto da fonte? Ele tinha distúrbios mentais como esquizofrenia, depressão etc. e nem pensem em dizer que ”ah é um assassino blablabla” claro que que ele fez uma grande m* mas no fundo é mais um com distúrbios mentais que nem deveria ler aquele tipo de coisa que ele lia. E quer dizer que mãe dele iria sobreviver pelo fato de ser atétia?? Pela pqp 

  29. Danielle Nascimento

    8 de julho de 2011 em 13:00

    Acho que as pessoas tem um conceito errado do que é satanismo. 

  30. Pedro Lima

    7 de julho de 2011 em 21:32

    p { margin-bottom: 0.21cm; }

    VÁ A JORNAL DO AMEIXIAL OU ATRAVÉS DA
    URL http://wwwjornaldoameixial,blogspot.com E LEIA.
    FICARÁ PASMO,PORQUE AINDA NÃO LEU
    NADA ASSIM!.

  31. LuCaS

    7 de julho de 2011 em 18:08

    Teve entrevista com ele ? kkkkkkkkkkkkkkkk
    Que nem o Morre diabo ?

  32. Anônimo

    7 de julho de 2011 em 15:02

    Eu sabia que ia ver discussões críticas sobre religião…
    Mas isso só pode ser filhadaputagem da parte do cara. Se Deus existe, o diabo também existe. Não quero ofender ninguém, mas o que a cegueira pela religião não faz, viu.

  33. Anônimo

    7 de julho de 2011 em 14:36

    “o motivo teria sido que o filho frequentava uma seita satânica e a mãe acreditava em Jesus Cristo, uma “invenção do homem”, segundo o rapaz.”

    E SATANÁS FOI OQ ENTÃO, RAPAZ??

  34. Gildarts

    7 de julho de 2011 em 14:20

    to até vendo: ” Bebê mata mão por dizer que Backyardgans não são reais”

  35. Diego Oliveira

    7 de julho de 2011 em 14:07

    Let the Armageddon, BEGIN!

  36. vlad dracul

    7 de julho de 2011 em 14:05

    O bem e o mal esta dentro de cada um de nós.
    Todos nós estamos sujeito à tentações, mas ceder à elas é escolha nossa.

  37. felicia

    7 de julho de 2011 em 14:02

    O que talvez seja errado nao é a religiao,independente de ser catolico,evangelico,espirita e satanico…e sim o fanatismo.E eu tambem acho que esse mlk é um total imbecil .AFF mano estou revoltada,e estou começando a achar que o mundo realmente vai acabar em 2012
    FUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUUU D:

  38. Jéssica Helena

    7 de julho de 2011 em 13:35

    Fanatismo religioso é ridiculo independente da religiao! E sineramente nao acredito em religiao, mesmo sendo católica, eu acredito em Deus !

  39. RAUL LEAO

    7 de julho de 2011 em 12:16

    [img]http://images.uncyc.org/pt/thumb/0/00/Foda-se-meme.jpg/250px-Foda-se-meme.jpg[/img]

    • PYRAMID HEAD

      8 de julho de 2011 em 19:56

      KKKKKKKKKKKKKKKKK

  40. RAUL LEAO

    7 de julho de 2011 em 12:15

    Acho errado matar em nome de deus e do demônio também. Afinal nenhum dos dois existe.

  41. Fagner Silva

    7 de julho de 2011 em 12:14

     Acho que independente da manchete ser “filho satanista mata mãe por ela acreditar em Jesus Cristo” oque me chocou mais atenção foi um filho matar a mãe, que mundo é esse, triste de se ver, ler e ouvir. Existe muitas coisas bonitas para se ver/fazer nesse mundo, o cara se preocupa com devergência de opinião.

  42. Joao pedro

    7 de julho de 2011 em 11:40

    hhuuuuuuuumm o muleke é doente nao satanico, só um poco

  43. Anônimo

    7 de julho de 2011 em 11:36

    manolo, o mundo tá piorando cada vez mais, corrupção, fraudes, gente crendo no demo e poucas verdades rodeia os seres humanos

  44. Jaibe Pitzer

    7 de julho de 2011 em 08:28

    acho engraçado como as pessoas tem o prazer de criticar a igreja católica, enchem o peito e dizem com toda vontade ” a igreja que já matou tanta gente” ou ” a igreja cheia de padres pedófilos” e olha que a matéria nem tinha a ver com a igreja católica! agora gostaria de lançar aqui um desafio, quem destes que diz isso tem realmente provas de que isso e verdade? quem a de vcs viveu a era da inquisição para poder dizer que foi realmente isso o que aconteceu? ou será que ainda há alguém por aqui que sobreviveu a santa inquisição e que seja testemunha ocular disso? quantos de vcs foram violentados por padres? eu não estou dizendo que isso não exista, afinal eu também não estava lá para dizer que e mentira, e quantos aos padres, digamos que existam uns 100 mil padres no Brasil (chute grosseiro, nem tenho ídeia de quantos existem) se uns 50 forem pedófilos, então quer dizer que toda igreja católica não presta? que fique claro também que nós católicos nunca dissemos que nossa igreja e perfeita e sem erros, o que nós dizemos orgulhosamente e que ela e a verdadeira igreja de Cristo, mas nunca dissemos que ela e perfeita, PERFEITO SOMENTE DEUS, a igreja e santa por parte de Deus que a criou e pecadora por parte dos homens que a mantem, existem erros na igreja católica ou existe pessoas que não a entendem e acham sua opinião errada? o papa também tem o direito de errar  ele não e onisciente nem onipotente, ele não pode saber tudo e nem pode estar no mesmo lugar ao mesmo tempo, ele também depende de outras pessoas, entenderam? PESSOAS! que também são pecadoras e também podem cometer erros, mas a grande maioria dos ditos “erros” da igreja católica são na verdade divergência de opiniões de quem não conhece sua doutrina, um exemplo? o aborto, quem e a favor vai dizer que a igreja está errada em condenar quem o pratica, mas quem o condena não e a igreja, e Deus! a igreja católica nunca buscou agradar as pessoas, o trabalho dela e dizer a verdade, assim como Jesus fez, ele também nunca buscou agradar as pessoas, a prova disso e que ele foi morto na cruz, a igreja segue seu caminho, dizendo a verdade e sendo apedrejada e açoitada assim como Jesus foi, mas como o próprio Cristo disse “as portas do inferno nunca prevalecerão sobre ela” e é por isso que com mais de 2000 anos de existencia ela continua firme e forte e assim permanecerá ate quando Deus quiser.

    • Oops Oliveira

      7 de julho de 2011 em 21:53

      É… realmente jesus morreu na cruz….  Mas ele não foi até ela de boa vontade….. ele foi amarrado, açoitado, apedrejado, puxado, empurrado… até chegar lá! Assim como os outros ladróes que já estavam crucificados quando ele chegou, aliás, a crucificação era a pena capital aplicada na época. E você saberia me dizer qual foi a ‘causa mortis’ de jesus? (não, né?)

      (Você sabe o quê acontece com uma pessoa que se empanturra de bebida alcoólica servida em copos de chumbo?)

      Bom, eu sou ateu, acredito que tenha existido alguém com o nome de jesus, que nasceu na época citada na biblia, mas que não passou de um homem comum. Foi o terceiro de 7 filhos, citado no evangelho apócrifo de Maria e mantido a 7 chaves pelo Vaticano….

      Antes que faça algum comentário impensado, eu não tenho a intenção de prolongar esse assunto contigo, sou formado (também) em Teologia, tenho 87 edições da biblia sendo a mais antiga datada de 1831, e esta possue coisas que fariam o próprio diabo ficar ruborizado…. (sim, eu já as lí no minimo 4 vezes cada uma). Não sei exatamente quantas vezes você leu as suas biblias, mas como não pretendo discutir sobre isso………

    • Renan Torres

      7 de julho de 2011 em 09:28

      Ciência x Religião,a realidade existe cosias que a Ciência e a Religião não provam,porem ambos se acham a dona da verdade ao ponto de não para de pensar em fazer paz,ja chega porra eu sinceramente ja não guento mas isso,é gente  fazendo chacina (o holocasto),perseguições religiosas
      (Santa inquisição) é louco querendo matar animais porque acham que tão possuido ( uma materia anterior do mini lua) e agora isso (filho mata mãe por ela acreditar em Deus)sem falar nos Cientistas que veve falando mal de Dues,porra mano se não acredita  pelo menos respeita..Sou agnostico e axo uma porra de idiotice essas briga que so acabam em morte.Perde tempo com isso com mano,Sendo agnostico se existe inferno eu sei que é o mu destino mas nem por isso vo sair matando ninguem,eu me preocupo muito mas em ajuda as pessoas do que convercer a elas de minhas teorias.

      • Renan Torres

        7 de julho de 2011 em 09:30

        alguns erros ortograficos na hora da digitação rsrs mals

  45. Fenomeno Alvares

    7 de julho de 2011 em 06:40

     Isso é o resultado dessa campanha massiva que todos os sites da internet estão fazendo nos útimos tempos para dizer para os jovens que religião, Deus e Jesus são coisas erradas. Hoje um jovem descolado e conectado, tem vergonha de falar o nome Jesus. É mais fácil encontrar um jovem usando uma camisa com uma estampa satanista do que com algum tema cristão. Não entendo como dão destaque a essa notícia. Só se for para expor os resultados obtido. Pessoal, conteúdo para jovens é coisa séria. Estão vivendo o tempo da disseminação da CRISTÃOFOBIA.

    • Anônimo

      24 de julho de 2011 em 00:28

      Apoio o que vc disse!

    • Jaibe Pitzer

      7 de julho de 2011 em 07:39

      e isso ai cara, vc falou tudo agora, a mídia faz de tudo para dizer que relião e besteira e a ciência faz de tudo para dizer que Deus não existe, mas o pior de tudo e que tem um bando de pobre coitados que acreditam nisso e se acham os donos da verdade, mas tem uma coisa que podemos fazer por eles, orações

      • F

        7 de julho de 2011 em 15:37

        Esse Jaibe é o mais perfeito exemplo de um completo babaca fanático. Aproveite esse fórum pra tentar aprender alguma coisa com o @papa,que têm a sua fé,mas não renega o conhecimento,nem o respeito pela crença e a descrença dos outros. Que têm todo o respeito de ateus,como eu,por sinal.

  46. Porco aranha

    7 de julho de 2011 em 04:32

    O que mais me chamou atenção foi o numero de facadas desferidas na própria mãe,
    exatamente 7, acho que o numero 7 é sagrado na seita dele
    se vocês pararem pra pensar, o 7 ta presente em tudo:
    7 cores do arco-iris
    7 mares
    7 maravilhas do mundo antigo,
    7 maravilhas do mundo moderno
    7 anos foi o tempo que levaram para construir o templo de salomão
    7 pecados capitais
    7 notas musicais básicas
    7 dias da semana.
    coincidência? talvez. Mas eu acho que não….

    • Amanda De Oliveira

      11 de março de 2014 em 10:29

      era para ser 6 facadas

    • Angelique Bouchard

      18 de agosto de 2012 em 00:42

      kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk carammmba ri agora com essa do 7 hauhauhauah

    • (Alone) Leonardo Bellini

      2 de abril de 2012 em 19:44

      sobre as setes maravilhas do mundo, isso é algo criado, então não se encaixa. Na verdade, esse número foi usado por não ser grande nem pequeno.

    • Oops Oliveira

      7 de julho de 2011 em 21:29

      Cara, ainda faltou você comentar a tabuada de 7….
      7×1 = 7

      7×2 = 14

      7×3 = 21

      7×4 = 28

      7×5 = 35

      7×6 = 42

      7×7 = 49

      7×8 = 56

      7×9 = 63

      7×10 = 70

      E se você analisar direitinho, 8 menos 1 ainda dá 7 também…. assim como se você tiver 6 e colocar mais 1 vai ficar com 7, e se tiver 10 e tirar 4 vai continuar com 7 do mesmo jeito!!!
      Coincidência?? Talvez… (mas eu não acho)

      • Lobo Alfa

        7 de julho de 2011 em 21:35

        10-4=7?
        nossa vc revolucionou o mundo,meus parabens!!!! vc e otimo em matematica

        • Oops Oliveira

          7 de julho de 2011 em 22:48

          (era pra deixar ele perceber ……)

          Mas tudo bem, fica como erro….

          • Oops Oliveira

            7 de julho de 2011 em 22:58

            Lembra daquela pegadinha de infância….:
            9+4 são Catorze ou Quatorze?

            (coincidência? talvez….. Mas eu não acho)

    • LuCaS

      7 de julho de 2011 em 18:06

      Eu nasci no dia 7 de fevereiro 

    • capetinha

      7 de julho de 2011 em 14:17

      vc esqueceu,das 7 igrejas as quais foram enviadas as 7 cartas dos 7 candelabros citados na biblia,das 7 marias(grupo de estrelas)7 anos de azar se quebrar um espelho,os 7 anões da branca de neve,a umbanda possui 7 orixás,as notas musicais são 7 do re mi fa so la si,quer mais?pesquise na net vc vai pirar.rsrsrs,td tem um porque!

    • Fernanda Cristina

      7 de julho de 2011 em 09:33

      Cara tu briso legal!
      7 seria o numero da perfeição divina
      não tem nd a ver com as facadas e com a seita desse cara,ja q ele eh seguidor de uma seita satânica
      E eu tbm não acredito nem em Deus nem no Diabo,prefiro acreditar que esse eh só mais um idiota tentando chamar atenção da imprensa.

      • Porco aranha

        8 de julho de 2011 em 01:19

        não sou religioso, então não posso explicar direito, mas eu tenho mania de procurar essas coisas e quando essas coisas de homicido e talz, eu associo.

      • Calebe Silva

        7 de julho de 2011 em 13:10

        LoL essa do Arco-Iris tem nada ave sendo que Noé saiu da Arca teve um Arco-Iris agora vem me explicar isso e tbm os 7 dias da semana Deus criou o mundo ele termino em 7 dias ai veio 7 dias um pra descançar o resto dos dias pra trabalhar

        • Gildarts

          12 de julho de 2011 em 22:45

          o diabo é macaco de imitação

  47. Lohan

    7 de julho de 2011 em 03:54

    arr mlk loco tava possuiduu iaaaawwwhhhaaa

  48. Andre Vargas

    7 de julho de 2011 em 02:59

    mae : filho por que voce nao acredita em jesus?
    filho : nao interessa pra voce palhaça…falo maluca?
    “AH………………..MORRE JESUS!”

    • LuCaS

      7 de julho de 2011 em 18:05

      AFF Tinha que ser Ateu
      Sabia que tinha algo de errado com vc  hmmmmm
      minha mente nunca falha 

      #Ignorante 

      • Willian Haubert

        2 de outubro de 2011 em 18:06

        Lucas cala a sua boca parece mulher so fala bobagem!!

  49. BAKA

    7 de julho de 2011 em 01:46

    não só seitas fazem lavagem cerebral nas pessoas mas como a igreja Católica tbm já fez.por isso houve a inquisição, em que quem nao seguia os mandamentos das igrajas era punido e o pessoal da igreja dizia o que queria em missas falando coisas que não haviam na biblia e fazendo a cabeça das pessoas.
    Fanatismo é uma coisa totalmente terrivel.seguir tudo bem , nao condeno pois cada um tem um modo de explicar o que nao se sabe com o ser que acredita(assim nasceram as religioes que acreditam em deuses, eles eram formas de explicar o que não se sabia, exemplo os deuses gregos como Zeus que representava os raios que ainda nao sabiam explicar e atribuiam uma dividade como explicação).
    o problema disso tudo é matar por uma coisa que se acredita fanaticamente, o que pra mim caracteriza uma pessoa com problemas mentais ou uma pessoa ”viciada” que só age pra ”alimentar” o ”vício”.
    ser fanatico por qualquer coisa é uma coisa ruim pois independente no que se acredita moderação é sempre bom e noção do que é certo e do que é errado cada um tem a sua, mas matar é demais.sigo o que eu acho certo pra minha vida e não sigo nenhuma religião .
    não acredito em ”ser supremo” do bem nem um do mau mas de vez em quando em algo sobrenatural.

  50. Rigel Barbalho

    7 de julho de 2011 em 01:18

    nossa! chocado com a brutalidade das pessoas!!

  51. Gabriel Simoes

    7 de julho de 2011 em 00:58

    Quem acredita no Diabo Acredita em Deus ué é tudo balela farinha do msm saco….

    • @Papa

      7 de julho de 2011 em 01:19

      Cara, você é um completo ignorante. Você confundi pessoas religiosas de verdade, com pessoas fanáticas. Pessoas religiosas de verdade, entendem os ensinamentos bíblicos e os seguem, isso as tornas boas pessoas, tanto que onde eu moro existia um senhor idoso que distribui panfletos sobre religião e os ensinamentos as 6 da manhã até meio-dia, eu sei disso por que é o horário que eu vou para escola e o horário que eu saiu da escola, teve um dia que eu perguntei para ele”O senhor é realmente religioso, por que todos os dias você distribui panfletos se nem se quer têm pessoas que os recebem?” ele me respondeu: “Quero que o máximo de pessoas sejam salvas pelo poder divino.” Esse senhor era um exemplo de pessoa, eu até ajudei ele a distribuir panfletos por que ele já estava velho e mal se aguentava em pé.A partir desse dia decidir seguir os ensinamentos bíblicos pois percebi o quanto são importante para a ter uma vida serena.
      Claro, eu não estou dizendo que o único jeito de ser um boa pessoa é ser religiosos, eu também conheço ateus que são tão bons quanto esse senhor, tanto que eles as vezes o ajudam a distribuir panfletos, não como forma de acreditar em Deus (pois são ateus), mas como forma de solidariedade.
      Os fanáticos religiosos, são pessoas que realmente não entende nada dos ensinamentos divinos.Dizem que entendem, mas elas são completamente diferentes dos verdadeiros religiosos.
      Os fanáticos nunca serão pessoas boas.
      Aposto que alguns de vocês que estão lendo podem já ter lido essa frase “A pior coisa que aconteceu com a humanidade foi a religião.” Essa frase é completamente errada, pois na verdade o fanatismo é que matou aquelas pessoas, não a religião.

      Resumindo: Os verdadeiros religiosos são pessoas de bom coração e serenas. Os fanáticos não são pessoas boas, não entendem os ensinamentos religiosos, mas usam eles como forma de desculpa para matar ou discriminar pessoas ao longo da história.
      Não confunda religiosos com fanáticos, pois são muito diferentes.

      • Eder Bilela

        8 de julho de 2011 em 08:54

        Me responde uma coisa? Se tivesse nascido na China, seria cristão? Ou se tivesse nascido na Índia? E não me venha dizer q deus é um só, por q vc não aceitaria eu dizer q o teu tem uma cabeça de elefante, ou é um oriental obeso sentado com as pernas cruzadas. Não tem como vc dizer q a religião não foi uma invenção do homem para doutrinar os demais em busca de poder usando da ignorância dos mais fracos. Com lendas bem mais fantasiosas q harry potter, ou senhor dos anéis. Magias q não se repetem nos dias d hoje. A religião sim, sempre foi um mal pra humanidade. E qualquer fanatismo depende da adoração a alguma entidade fantasmagórica q ninguém vê mas insiste em obedecer. Sempre a casos de cristãos q matam por discriminar a crença do outro, ou judeus, ou islamitas. Todas essas crenças possuem ocorrências desse tipo. Mas nunca ouvi falar de um ateu q matou por não aceitar a religião do outro. Talvez vc possa me passar algum link q me mostre q estou enganado. Duvido muito. Quanto ao senhor q citou no teu texto, o velhinho dos panfletos. Não vi nenhuma boa ação q merecesse elogios. Afinal, só estava pregando o q ele acreditava e f.. -se se com isso ele vai ajudar a criar mais fanáticos na sociedade. Mas se acredita q ele é um excelente religioso por fazer isso, lhe cito outros 100 péssimos religiosos q são maus por serem fanáticos. O fato é q sem a religião estaríamos sem esses lindos idosos entregando papéis nas ruas, por outra lado também estaríamos sem Hitler, Osama, Mussolini, Pinochet, Inquisição, Apartheid, Holocausto, etc.. Não estou dizendo q os céticos são bons por serem céticos, mas não são hipócritas de dizerem q o ceticismo é perfeito. Por q os céticos acreditam apenas no homem físico e falho. E nunca será perfeito como todos os deuses invisíveis.

         Sempre quis fazer uma pergunta para o papa. Fiz várias. Mas quero terminar com essa:
         Se deus é onipotente, onisciente e onipresente, e o senhor papa é uma entidade abençoada por deus, me responde por q o papamóvel é blindado? (rsrs). Será q o papa não confia em deus? Será q deus deixaria o papa morrer com um tiro? E se morresse não seria a vontade de deus já q ele já sabia q ia acontecer? A própria religião não acredita em deus.

        • Matsuba Morty

          6 de dezembro de 2011 em 10:49

          Eder Bilela, sinto informar que você é um completo idiota, e não falo isso por sua escolha religiosa ou não. Falo isso pela sua atitude. Você acha que você está justificando o preconceito dos cristãos contra os ateus, com MAIS preconceito em cima de cristãos que você nem sabe se são preconceituosos ou não? Pois é.

        • @Papa

          10 de julho de 2011 em 02:45

          Vou começar respondendo suas perguntas. Sim, ele é onipotente,onisciente e onipresente. O “Papamóvel” é blindado por uma simples razão. Imagina o Papa andando com seu “Papamóvel” e toma um tiro na frente de milhares de pessoas na TV. Isso seria bom? Não. Não é que o verdadeiro papa não confie em Deus e sim é uma proteção pessoal. Você gostaria de levar um tiro? Se o Papa morresse é por que já chegou sua hora.  Até entendi o que você quis dizer, eu como adepto religioso, prefiro ser mais democrático em relação as outras pessoas de outras religiões. Respeito eles e quero que elas me respeitem, observo o ponto de vista delas e dou-lhes um argumento sem ofender. É o que farei com você. Religião sim, já foi motivo de muitas mortes. A religião é como se fosse um martelo, você pode usar ele para construir ou usar ele para quebrar. Depende da pessoa e não da ferramenta. Bom, se não existisse a religião, não existiria o Holocausto,Hitler e as outras tragédias. Bom, vendo pelo ponto de vista do comportamento do ser humano, poderia existir pessoas que aniquilassem gays,negros,asiáticos. O ser humano tem a necessidade de matar algo.

          Resumindo:O problema não é a religião e sim ou seres humanos. Acabe com a religião e ainda existiram alvos de massacre como os gays e os negros(Sem nenhum tipo de preconceito claro), acabe com os humanos e não existira mais massacre. 

      • capetinha

        7 de julho de 2011 em 14:04

        mandou bem papa,afinal niguém melhor que o proprio para esclarecer um assunto com tanta sensatez.Acho o seguinte, mente fraca,sinagoga de satanás!

      • Emery

        7 de julho de 2011 em 09:32

        Concordo com vc tbm!

      • @Papa

        7 de julho de 2011 em 01:22

        Fico grande mas espero que entendam =)

        • Anônimo

          24 de julho de 2011 em 00:25

          O Papa expos o que eu quis dizer!u.u

        • JuhNogueira

          7 de julho de 2011 em 01:25

          fiquei com preguiça de ler mais confio na sua credibilidade! 😉
          concordo cm vc! suhsaushua

          • LuCaS

            7 de julho de 2011 em 18:03

            Tambem não li
            mais confio no Papa tudo que ele disse é verdade =D

          • @Papa

            7 de julho de 2011 em 01:27

            Leio o final tem um resumo do que eu disse.

  52. Dinha Esteves

    7 de julho de 2011 em 00:24

    Acho horrivel isso, coisa de pessoa sem noção!!
    Papa comente sobre isso..

  53. Oops Oliveira

    7 de julho de 2011 em 00:03

    Matar em nome de deus ou do diabo é a coisa mais antiga e comum que existe…. Na Santa inquisição, se matava até quem tomava dois banhos por semana!! (busquem ‘sujidade herdada”)

    Porém, matar a mãe para assitir o show do calypso, eu digo:
    Esse foi um crime bárbaro!!! (27 facadas).

    noticias.terra.com. br/brasil/noticias/0,,OI2731473-EI5030,00-Garota+e+suspeita+de+matar+a+mae+para+ver+Calypso. Aga tê eme ele

    (vamos ver se a moderação deixa o post fica agora….)

    • Willian Haubert

      2 de outubro de 2011 em 18:02

      concordo plenamente com vc mans.

    • Oops Oliveira

      7 de julho de 2011 em 00:14

      Na Santa inquisição, se matava até quem tomava dois banhos por semana!! (busquem ‘sujidade herdada”)
      (essa parte fica a cargo de deus, claro, pois é um dos motivos mais fúteis já dado como desculpa para se matar alguém…)

      • @Papa

        7 de julho de 2011 em 01:26

        Na verdade se matava por motivos mais fúteis que esse. Se matava por denuncia, exemplo: Uma pessoa disse que o padeiro é contra a igreja. O padeiro é preso e é julgado como pagão sem nem precisar de provas é condenado a morte na forca. O padeiro foi julgado e acusado de culpado sem provas e sem forma de se defender das acusações. A Santa Inquisição não foi santa foi fanática.

        • Oops Oliveira

          7 de julho de 2011 em 09:45

          É papa, só posso discordar na forma como era aplicada a pena… não era na forca, pois a esta iam os criminosos comuns, os chamados “pecadores” iam para a fogueira mesmo….

          Eu sempre digo aos religiosos:
          Não estudem! Sejam burros e aceitem com fé!

          (só para informação, sou ateu convicto!)

  54. Nataniel

    6 de julho de 2011 em 23:00

    idiotice isso mas a igreja catolica ja fez coisa mto pior.

    • (Alone) Leonardo Bellini

      2 de abril de 2012 em 19:38

      tipo Inquisição e Guerra Santa?

  55. Valéria Robles

    6 de julho de 2011 em 22:47

    Coisa de doido!!

    • Willian Haubert

      2 de outubro de 2011 em 18:01

      naum.. ele e doido pq naum acredita em vcs que acreditam em engles

      • Willian Haubert

        2 de outubro de 2011 em 18:02

        ops acreditam em deus xD errei

  56. Juliane Vale

    6 de julho de 2011 em 22:24

    Este rapaz já devia sofrer de alguma doença esquizofrênica com toda certeza agravada por drogas e por uma seita, pois estas seitas fazem verdadeiras lavagens cerebrais em pessoas já doentes e sem fé.
    Eu acredito em Deus, mas também acredito no Mal, a prova disso tá neste caso tão infeliz.
    Pais tem que ficar atentos aos sinais de mudança de comportamento, companhias de seus filhos.
    Pelo amor de Deus, desliguem um pouco das novelas, do vício do trabalho ou do eu, eu , eu e olhem mais seus filhos.
    Muita coisa se evita com uma simples conversa e atenção, com um simples: como foi seu dia meu filho? Tenha um bom dia meu filho, que Deus o acompanhe.

    • Edynando Santos Castro

      24 de julho de 2011 em 00:14

      bahh n é só seitas que fazem lavagem cerebral, não se pode ligar a tv sem que não se seja influenciado, a igreja também faz isso.
      Hoje em dia não se pode dizer que é ateu que já somos criticados, chamados de satânicos( coisa sem sentido, como vi num post acima), em 100% dos casos como esse tem preconceito envolvido, as pessoas tem o costume de criticar e odiar o que não entendem, cada um tem fé no que acredita, nós acreditamos na ciência, respeitem isso.

      • Anônimo

        24 de julho de 2011 em 00:24

        Eu respeito os cientistas. Se vc não acredita em Deus, é grande o suficiente para fazer tal escolha. É sua escolha.
        E quando falo em seitas, não me refiro só as satânicas, mas a tudo! Me refiro a “Igreja” que idolatra ETS, A “Igreja” que idolatra dinheiro, “Igreja” que idolatra Demônios pra mim são todas iguais.
        São instituições que se aproveitam de pessoas frágeis e fracas de espíritos e as levam a dar tudo o que tem, a achar que matar os pais vai fazer Satã feliz, que largar tudo e construir um espaço porto esperando ir embora no próximo cometa antes de 2012.
        Tá cheiro de gente doente neste mundo e cheio de gente mal intencionada que faz lavagem cerebral neles.
        Graças a Deus, eu tenho fé mas não sou alienada.
        Sei olhar e criticar o que vejo de bom e vejo o de errado até mesmo na igreja que frequento.

    • Andre Vargas

      7 de julho de 2011 em 05:13

      olha até concordo com o garoto ja sofrer de alguma doença talz.

      Mas com em que voce se baseia ao dizer essa afirmaçao?

      “pois estas seitas fazem verdadeiras lavagens cerebrais em pessoas já doentes e sem fé.’

      pf nao seja assim
      nao critique algo por ser diferente doque voce acredita. Nao é por que voce acredita em deus que o resto do mundo que crê em outra coisa esta errado e faz coisas ruims.

      Nao acho que possa ser dado uma definiçao de “BEM” e “MAL” visto que isso é algo pessoal de cada um. Até mesmo nas sociedades temos as diferenças culturais o que é “BOM AQUI” pod ser “MAL ALI” e assim vai, ninguem tem o direito de julgar o que é “BEM” e o que é “MAL” isso vai de cada um. Porem temos leis e elas devem ser seguidas. Se o cidadao achar que é “BOM” matar alguem, que mate mas sofra as consequencias. Da mesma forma que pode ser bom doar 1921312809382190,99R$ pra uma igreja, porem o mesmo sofrera as consequencias de nao ter dinheiro depois.

      Ninguem pode julgar o bem e o mau, voce pode acreditar que algo é mau e que algo é bom, porem nao pode julgar como sendo o certo

      _——_ CONCORDO COM ABSOLUTAMENTE TUDO QUE VOCE DISSE. Exceto com essa mera frase.

      pois estas seitas fazem verdadeiras lavagens cerebrais em pessoas já doentes e sem fé.

      Eu acredito em Deus, mas também acredito no Mal

      Pois nao acredito na definiçao de bem e mal.

      Porem to apenas comentando, espero que esse meu post nao leve a um debate de mil e 1respostas.

      VO POR EM CAPS PRA FIK VISIVEL
      SO TO DEMONSTRANDO MEU PONTO DE VISTA QUE É NAO ACREDITAR EM DEFINIÇOES DE BEM E MAL E DISCORDAR DESSA SUA FRASE, POREM VOCE TEM TODO O DIREITO DE ACREDITAR OU NAO NISSO ^^

      ^^ ok botei em caps pke as vezes fik subentendido e n kero isso.

      • Andre Vargas

        7 de julho de 2011 em 05:17

        fico confuso neh ? dsadsadsa vo resumi:

        Nao concordo com definiçoes de bem e mal, pois o bem de um é o mal de outro e assim vai. Acho isso algo inexistente, existem consequencias para seus atos apenas isso. Nao significa que eles sejam boms ou ruims.

        e eu concordo com tudo q vc disse exceto pela parte do
        “”””pois estas seitas fazem verdadeiras lavagens cerebrais em pessoas já doentes e sem fé.

        Eu acredito em Deus, mas também acredito no Mal,””””

        motivo eu citei encima ^^

        e realmente quem sabe se os pais conversassem mais com seus filhos o mundo nao seria um lugar melhor? o problema é que nossas vidas sao tao corridas que as vezes esquecemos de conversar =/.

        • JuhNogueira

          7 de julho de 2011 em 11:36

          Se o cidadao achar que é “BOM” matar alguem, que mate mas sofra as consequencias.

          Como assim? Uma pessoa tem que morrer por que a outra achou que é bom matar?
          Cada um tem Livre arbítrio pra acreditar no que bem entende! E isso eu apoio, agora outra pessoa que não tem nada a vê pagar com vida o fato de seguir as mesmas concepções religiosas que é sua, isso sim é estupidez!

          • War Paz

            7 de julho de 2011 em 15:28

            “Se o cidadão achar que é bom matar alguém, que mate mas sofra as consequencias”

            Ele quis dizer que, se a pessoa sentir vontade (não como algo fútil, mas sentir a necessidade) de matar alguém, se “der na telha” que essa pessoa quer matar, ela tem todo o direito de tentar (não exatamente, mas é a idéia) e, quem sabe conseguir. Não se trata de uma pessoa ter que morrer por submissão à vontade de outra, se trata de uma pessoa que quis matar outra, por algum motivo, e o fez, e por causa disso vai ter que pagar, entendido? =]

            Ah, acredito em Deus, sim, só vi seu comentário e quis explicar 🙂

          • Eder Bilela

            8 de julho de 2011 em 08:01

            Antropologia pura (rs). Mas a questão é a seguinte: Pseudos antropólogos acreditarem em deus? Que paradoxo. Outra coisa: Quantas vezes cristãos mataram judeus e vice e versa? Por motivos toscos q fossem. Mas sempre a tal da fé estava presente. Daí vejo um comentário de uma mulher dizendo q quem faz isso não tem fé e discriminando “seitas” como se a crença dela não fosse uma. Mas usam sempre o mesmo argumento: Se o indivíduo faz alguma coisa boa com deus(deuses) no coração ele foi guiado por deus. Mas se o mesmo indivíduo faz alguma coisa má com deus(deuses) no coração ele é doido varrido.
            Assim fica fácil ser deus. Livre de toda a culpa. Quando um médico cura um paciente numa cirurgia “Graças a deus”. Mas quando um médico falha na operação o coitado leva a culpa sozinho. E o deus todo poderoso NÃO pode fazer nada. Duvido q os parentes do paciente falecido entendam q foi vontade de deus a imperícia do médico. 

            Primatas, não evoluímos ainda senhor jesuis, perdoe-nos!

          • Andre Vargas

            10 de julho de 2011 em 06:54

            Eder entendi oque voce diz e concordo com tudo exceto a parte do começo aonde se falo de antropologia etc.

            mas sobre o fato de “bom” ser asociado a “deus” e “mal”  a “doenças/diabo/etc” eo entendi. Por isso nao acredito em bem nem em mal, tudo tem dois lados e só existe
            LEGAL E ILEGAL.

            Mas desculpe a viagem mas se pararmos pra analizar. o ser humano inventou a imagem de “DEUS” como meio de suprir a nescessidade de leis maiores do que as leis FUTEIS dos reis/imperadores da epoca. Pois vamos pensar.

            NA RELIGIAO
            NOS TEMOS A BIBLIA QUE NOS DIZ O QUE È BOM E O QUE É MAL CERTO? e todos devemos viver perante os ensinamentos da biblia certo? aqueles que nao cumprirem sofreram uma consequencia(inferno inquisiçao etc)
            NA ATUALIDADE, TEMOS A CONSTITUIÇAO QUE NOS DIZ O QUE È BOM E O QUE É MAL. Todos devemos viver perante a lei. aqueles que nao cumprem sofrem suas consequencias.

            TRADUZINDO
            religiao e lei é tudo a mesma coisa, ambas foram criadas pra reger a sociedade. Tem nada de deuzinho papai do ceu, diabinho etc.
            Segundo minha concepçao!
            Obvio nao estou tentando fazer ninguem acreditar em nada que fique bem claro ^^

          • JuhNogueira

            8 de julho de 2011 em 12:34

            Como assim pseudos antropólogos? Santa ignorância! Você não tem embasamento teórico pra discutir religiões ou crenças, pelo seu comentário percebi que você tem um
            Conhecimento superficial sobre qualquer coisa, senso comum e pensa qe sabe de alguma coisa! Faz o segunde ler Durkhein, Weber ou repensando o sincretismo de Sergio
            Ferrette aí você vem me dizer alguma coisa. Talvez depois disso coce entenda que não é só porque tem um
            Conhecimento cientifico sobre religiões que não possa ter uma opinião formada a respeito das quais vão guiar sua conduta! Fikadica 😉

        • André  

          7 de julho de 2011 em 05:38

          Podem existir ceitas e grupos sérios que levam o assunto como um estudo, mas existe sim algumas que são só um bando de retardados, onde eu morava por  exemplo, tinha um grupo de “góticos”(acho que eram, se não, foi mal) que acreditavam no demônio e tal e viviam a noite no cemitério tentando “invocar o demônio” UHDSAUHDSUUDSHHSDAU, até que um dia mataram um coelho lá, e deu o maior rolo, dai como eram um bando de crianças burras, cada um foi pro colinho do papai e fim de papo.

          Mas o negócio que tentei dizer é que se uma pessoa que já é desequilibrada mentalmente, se envolve com um grupo desse, acaba levando a sério de mais e isso pode resultar em uma tragédia dessas.

          Assim como foi o caso de Realengo, o cara só acreditava nas maluquices que ele acreditava, por que ele já tinha problemas, dai o negócio chegou onde chegou…

    • JuhNogueira

      6 de julho de 2011 em 23:16

      Tudo tem limite! Doente se trata quem mata pessoas e assasino! De qualquer forma ele conseguiu o que queria, um garantiu o seu lugar no inferno!

      • Noob Saibot

        7 de julho de 2011 em 02:52

        sua linda

  57. K'

    6 de julho de 2011 em 22:20

    E o fanatismo religioso faz mais uma vítima. Alguém tá contando ? Eu já perdi a conta de um tempo pra cá !!

  58. Vanessa Abreu

    6 de julho de 2011 em 22:03

    Sinceramente não sei o que uma pessoa como essa tem na cabeça. 
    Meu avó dizia que “cabeça vazia é oficina do diabo”, e de fato!
    Sou católica, creio em Deus e Ele é o meu maior tesouro… não consigo imaginar minha existência sem a presença divina.
    Se realmente Deus pudesse ser uma invenção humana, convenhamos que seria a bela entre as invenções.

    E finalmente, para descontrair um pouco:
    O “catimbozeiro” deve estar dando pulos de alegria, como diria o querido João Grilo.

    • Willian Haubert

      2 de outubro de 2011 em 17:59

      olha naum sou religioso mais concordo bom post o seu eim!

  59. Lobo Alfa

    6 de julho de 2011 em 21:54

    em um post anterior falava sobre o homem que fez merda virar carne,sem falar nos comentarios sobre uma tal sopa de feto e etc… e agora isso °_°
    agora eu acredito em 2012
    [img]http://media.tumblr.com/tumblr_kwylpyQhMH1qzngqr.jpg[/img]

    • Anônimo

      24 de julho de 2011 em 00:31

      [img]http://images.uncyc.org/pt/thumb/0/00/Foda-se-meme.jpg/250px-Foda-se-meme.jpg[/img]

    • Kassiano Jose

      7 de julho de 2011 em 12:20

      haushaushaushaus 2012

  60. Ricardo Rocha

    6 de julho de 2011 em 21:54

    Além de assassino é idiota…. Se Jesus é uma invenção… Imagina o Satã.

    • Junior Lima

      27 de agosto de 2012 em 09:56

      rsrsrsr kkkkk eu concordo

    • Willian Haubert

      2 de outubro de 2011 em 17:57

      pó cara eu sou ateu e naum fico bravo com vcs que acredita mas seu babaca se falar assim com nos ateis eu vou de denunciar pq eu tenho esse direito! seu babaca

      • Matsuba Morty

        6 de dezembro de 2011 em 10:41

        Tu é muito burro, isso sim.

    • Sandra Ferreira

      28 de julho de 2011 em 21:39

      É, se Jesus e uma, Satã é outra invenção!

    • ** Robert Clayton

      7 de julho de 2011 em 01:11

      esse é um verdadeiro ateísta
      conheço um cara q fala q é ateu e fez uma tatoage de um pentagrama invertido nas costa
      se acredita em entidade ñ é ateu pow!

      • (Alone) Leonardo Bellini

        2 de abril de 2012 em 19:35

        Annhhh, pentagrama não tem absolutamente nada a ver com Satanismo. É um simbolo utilizado em muitas religiões politeistas.

      • MaTewz MoRaiz

        25 de julho de 2011 em 17:43

        Cara, Ateu Ele Não É Então !!

      • André  

        7 de julho de 2011 em 05:25

        Pois é…
        Lembro que no tempo de escola tinha um garoto que estudava comigo, ai um dia falando sobre religião ele me solta: 
        “Eu so ateu mas não aguento mais ver meus pais falando de deus, vo vira satanista só por isso…”  http://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/f/f0/Facepalm.gif

        • André  

          7 de julho de 2011 em 05:27

          Emoticon fail [img]http://upload.wikimedia.org/wikipedia/commons/f/f0/Facepalm.gif[/img]

    • Joel Alvarenga

      6 de julho de 2011 em 22:40

      Também pensei nisso.

  61. Anônimo

    6 de julho de 2011 em 21:54

    Cada um acredita no deus que quiser, mas matar por isso já é de mais

    • Willian Haubert

      2 de outubro de 2011 em 17:55

      concordo cara, sou ateu e respeito as pessoas quer acreditam em deus, naum tenho nada contra mais falar satanista? o criador exagerou muito!..

    • LuCaS

      6 de julho de 2011 em 22:21

      Concordo Plenamente com vc Mata Por Religião ja é de mais

      So Catolico nem por isso eu saio matando quem não é catolico 
      mais isso quem tem que nos FALAR É O PAPA CADE ELE ? opksakposkaps

      Passo a vez pro Papa =D

      • LuCaS

        6 de julho de 2011 em 22:24

        Matar*

  62. Morgan Derelictum

    6 de julho de 2011 em 21:53

    Todo fanatismo é ´ridículo e doentil.

  63. TENSEI

    6 de julho de 2011 em 21:51

    ele também chingou a imprensa
    igual ao MORRE DIABO?

    • Imagine um nome foda aqui

      3 de outubro de 2012 em 14:11

      ele falou 

      MORRE DEUS
      -nn
    • Willian Haubert

      2 de outubro de 2011 em 17:54

      kkk ri alto aqui… naum quero falar com bandeirantes tá bom..! xD

  64. Um qualquer

    6 de julho de 2011 em 21:46

    O fim está próximo mesmo, o próprio filho matar a mãe por causa do demônio, este é muito difícil ter volta……
    O que a falta de Deus no coração não faz nas pessoas

    • Amanda De Oliveira

      11 de março de 2014 em 10:25

      é so exorcisar ele … na cadeia

    • Willian Haubert

      2 de outubro de 2011 em 17:52

      eu sou ateu e respeito os crente, nao tenho nada contra so nao acredito e vcs ficam falando isso? vcs deviam ter vergonha de si mesmos… se seu filho for ateu nao vai adiantar falar para ele que deus existe ele nao vai acreditar… estou avizando quem fala sobre o’que vem, amigo é..

    • Lucas Gonçalves

      5 de agosto de 2011 em 16:42

      Que estranho, ele matou a mãe por ela acreditar em Deus, mas ele era satãnista. Como pode alguém acreditar no Diabo e não acreditar em Deus, ou vice-versa?
      ps: Não acredito em nenhum dos dois =p

    • Andre Vargas

      7 de julho de 2011 em 02:57

      uma igreja matar milhoes em nome de deus…é muito dificil ter volta…

      o que a falta de bom senso nao faz as pessoas.

      • Anna Ribeiro de Lima

        7 de julho de 2011 em 08:42

        E ISSO AI FALO POUCO MAIS FALO BONITO.
        EU CREIO EM DEUS POR QUE IR A UMA IGREJA PASO  SÓ SABE FALAR MAL DOS DEMAIS  QUANTOS PASTORES E PADRES PEDOFILOS ETC ETC ETC 

  65. Mauro ,,,

    6 de julho de 2011 em 21:42

    o pai correu de medo, isso sim, buscar socorro foi soh um pretexto…

  66. Antônio Gabriel

    6 de julho de 2011 em 21:41

    OMG, Eitaporra! O.O

    • Evinco

      7 de julho de 2011 em 15:44

      Esse cara n eh satanista, é só um metaleiro que nem sabe os princípios satânicos. E um deles é respeitar a vida, mesmo tendo liberdade pra fazer o que quer. Esse cara ACHA que sabe o que é o satanismo. 
      Acho que o minilua deveria parar com “posts religiosos”, porque isso sempre gera discussão, e não é esse o objetivo do munilua (pelo menos, acho eu)

      • Crystian Sorato

        27 de fevereiro de 2012 em 01:43

        Tudo que vem do diabo é ruim. Os princípios satânicos foram todos inventados para as pessoas adorarem o diabo sem peso na consciência e não deve fazer muito tempo que foram feitos. O satanismo verdadeiro envolve sacrifícios e diversos tipos de rituais. Pra acreditar em demônio, primeiro, deve-se acreditar em Jesus Cristo. Esse cara que matou a mãe era só um retardado que não sabia nem oque estava fazendo.

      • Jonas D'angelo

        8 de julho de 2011 em 23:03

        Escuto metal (e uns muitos extremos) e não saio por ai matando ou batendo em ninguem sei respeitar os outros e amar, e você fala que o cara acha que sabe de satanismo, você sabe? pelo jeito você nem respeitar os outros sabe

        • Detonnatorslol

          17 de fevereiro de 2012 em 19:28

          Ele se refere aqueles fanaticos retardados..

        • Matsuba Morty

          6 de dezembro de 2011 em 10:38

          Ué, e o que ele disse é mentira, espertão? Hmmmmm… Não.
          E olha que eu sou metaleiro, mas todo mundo com bom senso sabe que tem uma grande parcela de metaleiro por ai que é babaca desse jeito.

      • Pedro Henrique

        8 de julho de 2011 em 22:34

        Isso é um insulto para os ouvintes de Metal, quer dizer que agora porque eu sou adepto do estilo eu sou metido a satanista? Se você não quer ler os posts ignore ou faça um site melhor. 

      • Lucas Marques

        8 de julho de 2011 em 21:24

        E não é por que eu gosto de metal que eu vo esfaquear a minha mãe. :/ Só pra vc pensar…

        ~ironic mode on 
        talvez um desconhecido quem sabe… =D
        ~ironic mode off

158 Comentários
mais Posts
Topo