Minilua

A história do mundo em 10 batalhas #2

Queira ou não, o homem é um animal feroz e violento, que ama mostrar seu poder através da força. No passado, o mais poderoso exército era sinônimo de poder e riqueza, por isso toda nação tinha um vasto poderio bélico. Essas forças de guerra moldaram o mundo e algumas grandes batalhas foram de extrema importância para a história, pois se tivessem tido resultados diferentes, o mundo que hoje conhecemos poderia ser muito distinto.

Batalha de Farsalos

O ano era 48 a.C e a Grécia estava dividida em duas partes, uma apoiando os Senadores e a democracia existente e outra estava ao lado de Júlio Cesar e o imperialismo.

Tudo começou quando Cesar iniciou sua carreira política. Graças as suas capacidades militares, ele chamou a atenção do povo e de inimigos. Em pouco tempo, havia uma hoste querendo derrubar Cesar, para que ele fosse esquecido, pois, a cada dia que passava, o povo amava-o mais, gerando um enorme perigo para o governo grego.

O senado grego votou uma moção para que Cesar perdesse o governo da Gália, mas tal medida acabou sendo vetada por Marco Antônio. Nesse momento, uma perseguição sangrenta foi lançada contra Júlio Cesar, culminando com o início da Segunda Guerra Civil Grega, onde o exército do governo tinha como objetivo derrotar os rebeldes, que desejavam colocar seu aclamado líder no poder.

A guerra se estendeu por quase cinco anos e culminou na Batalha de Farsalos. Após uma derrota em Dirráquio, Cesar foi de encontro a seus outros partidários, montando o melhor exército que podia. Ao mesmo tempo, Pompeu, que era o chefe militar do estado, queria dar batalha a Cesar, afinal a última vitória havia deixado seus homens com o ânimo lá em cima.

A Batalha de Farsalos contou com mais 90 mil homens, sendo 66 mil a serviço de Pompeu e 31 mil junto a Cesar, que tinha Marco Antônio sendo um dos generais.

A batalha foi travada na beira de um arroio, com os dois exército dispostos de forma similar, mas Cesar, sabendo do seu menor número e já conhecendo seu inimigo, resolveu deixar sua cavalaria apoiada por um infantaria leve, atrás de suas linhas principais.

Quando a batalha se iniciou, Cesar tentou retardar o encontro dos exércitos, assim como Pompeu, que mandou a cavalaria para cima de seu oponente. Sabendo que isso poderia ser fatal, Cesar fez seus homens a cavalo recuarem. A hoste, que estava apoiando a cavalaria, mudou sua posição, atacando o flanco do exército inimigo. Nesse momento, os homens montados de Júlio Cesar vão para cima da cavalaria de Pompeu.

O centro de Cesar mantem-se firme, pois conta com muitos homens experientes. Nesse meio tempo, o flanco atacado de Pompeu desmorona como papel, gerando a brecha necessária para que Cesar faça os homens inimigos debandarem e a vitória é conseguida rapidamente.

O resultado dessa batalha foi importantíssimo para o futuro de todo o mundo, pois a popularidade de Cesar, após derrotar seus inimigos em maior número, lhe deu ainda mais seguidores e foi de extrema importância para que o Império Romano surgisse, o que moldou o futuro da Europa, que poderia ser totalmente diferente, caso Pompeu tivesse ganho.