Minilua

A história do mundo em 10 batalhas #6

Queira ou não, o homem é um animal feroz e violento, que ama mostrar seu poder através da força. No passado, o mais poderoso exército era sinônimo de poder e riqueza, por isso toda nação tinha um vasto poderio bélico. Essas forças de guerra moldaram o mundo e algumas grandes batalhas foram de extrema importância para a história, pois se tivessem tido resultados diferentes, o mundo que hoje conhecemos poderia ser muito distinto.

Batalha de Stalingrado

O ano era 1941 e a Alemanha derrubava cada inimigo que se colocava em seu caminho com uma facilidade incrível. Os exércitos germânicos pareciam invencíveis aquela altura. Mas um dos movimentos mais ousados de Hitler fez com que todo seu império começasse a desmoronar: A Batalha de Stalingrado.

No dia 22 de junho de 1941, a Alemanha iniciou a Operação Barbarrosa, que tinha como grande objetivo tomar a Rússia, dominando a capital Moscou. Porém, o inverno e a persistência russa, que perdia milhares de homens por dia e continuava lutando, fizeram com que os alemães tivessem que mudar seus planos.

Vendo essa situação, Hitler decidiu que seria mais interessante focar suas forças em outro lugar. A Operação Azul, nome dado a missão de tomada da Ucrânia, teve um começo promissor. Com seus famosos ataques relâmpagos (blitzkrieg), a Alemanha conseguiu jogar os russos cada vez mais para dentro do seu território.

Enquanto Hitler avançava, Stalin planejava uma defesa forte em Stalingrado, onde o poderio da blitzkrieg não funcionaria. Ali, em um lugar mais fechado, os ataques rápidos perderiam sua eficiência, dando uma pequena chance aos russos.

A batalha

Entre os dias 25 e 31 de julho, os alemães destruíram os navios russos, para impedir a chegada de suprimentos por água. E os bombardeios germânicos começaram o trabalho para derrubar a cidade junto com os inimigos. Mesmo sabendo de todos os perigos que as pessoas corriam, Stalin proibiu os civis de deixarem a cidade, falando que eles dariam um ânimo maior aos soldados, que teriam de lutar para salvá-los.

Com civis ou sem, as bombas alemãs não pararam de cair no céu. Em apenas uma semana, no final de agosto, a força área russa perdeu mais de duzentos aviões para os nazistas.

A primeira linha de defesa russa foram mulheres não treinadas, que usaram baterias antiaéreas para atacar os tanques alemães. Para derrubar essa defesa, os nazistas tiveram que destruir cada uma das unidades, pois as mulheres não abandonavam seu posto.

Enquanto isso, os civis, que haviam ficado na cidade, trabalhavam nas fábricas de guerra local, produzindo armas e tanques. Muitas vezes, os armamentos saiam da fábrica direto para o campo de batalha, sem pintura e nenhum acessório.

Em poucos dias, as defesas russas não tinham mais a força necessária para manter uma linha forte. Cada vez mais, eles recuaram para dentro da cidade, até que a luta transformou-se em uma guerra de trincheiras, com os russos defendendo-se em ruínas e buracos cavados no chão. A batalha, extremamente sangrenta, cobrava um preço alto dos russos. Cada novo soldado que chegava ao local tinha uma expectativa de vida de apenas 24 horas e os oficiais duravam em média três dias. Stalin, com medo de uma retirada total, criou uma lei onde dizia que qualquer um que deixasse seu posto ou recuasse seria julgado imediatamente em uma corte militar.

A tática russa, dentro da cidade, era ter seus homens o mais perto possível das linhas de ataque alemães, assim eles inutilizariam a força área e a artilharia inimiga. Isso gerou diversos combates corpo a corpo. A estação da cidade chegou a mudar quatorze vezes de mãos em menos de seis horas, devido a esse tipo de batalha.

A luta se arrastou com milhares morrendo cada dia. Toda a força alemã tentava, mas nunca conseguia tomar o local completamente. Com o passar do tempo, as força área nazista foi perdendo força, pois os russos, mesmo com aviões piores, aguentavam com mais facilidade um número enorme de perdas.

Operação Uranus

A batalha se arrastou por tanto tempo que o temido inverno russo chegou. Sabendo que os alemães, apesar de terem tomado 90% da cidade, não poderiam resistir muito bem ao inverno, Stalin preparou um enorme contra-ataque para virar a batalha a seu favor.

O forte do exército alemão se encontrava no centro do ataque, enquanto os flancos eram guarnecidos por húngaros e italianos, soldados mal treinados e mal equipados. Sabendo isso, ao russos inciaram uma missão para romper os flancos e esmagar os alemães por todos os lados dentro de Stalingrado.

No dia 19 de novembro, a Operação Uranus entrou em ação. Contando com dezoito divisões de infantaria, oito de tanques e diversas outras unidades, os russos avançaram. O ataque se iniciou ao norte, com a derrota dos húngaros que estavam por lá. Depois, os russos tomaram o flanco sul, abrindo espaço para que eles pudessem fazer sua manobra e cercar completamente o exército alemão dentro da cidade.

Cercados por todos os lados, os comandantes alemães pediram para bater em retirada, mas Hitler proibiu tal movimento. A ideia do Führer era que a cidade fosse defendida e abastecida com a ajuda da força área.

Mesmo com a decisão contrária de seu comandante, os alemães ainda tentaram fazer Hitler mudar de ideia, mas não foi possível. Com mais de 300 mil homens, os alemães precisavam de centenas de toneladas de suprimentos vindo por ar, porém, mesmo usando toda sua força aérea, seria impossível entregar essa quantidade de suprimentos. Em pouco tempo, o exército germânico estava passando fome dentro da cidade, enquanto os russos mantinham o cerco firme.

A vitória

Cada dia que passava tornava o exército alemão mais fraco, até que os russos conseguiram empurrá-los para o subúrbio da cidade. No dia 24 de janeiro, os sobreviventes pediram a Hitler que lhe permitissem uma rendição, mas o Ditador queria manter a cidade e mandou todos lutarem até a morte. Dias depois, os russos enviaram uma proposta de paz e vida para todos que se tornassem prisioneiros, mas foi recusada.

No dia 31 de janeiro, os sobreviventes mandaram uma última mensagem, avisando que tinha sido totalmente cercados e que iriam destruir seus equipamentos. No dia 2 de fevereiro, os 91 mil homens ainda vivos se renderam para os russos. 

O resultado

Após 199 dias de lutas, a batalha mais sangrenta de toda a história da humanidade acabou, com mais de dois milhões de mortes. Os alemães perderam 1 milhão de homens e os russos mais do que isso, mas como tinham mais material humano, a Rússia nem sentiu o impacto disso.

A vitória da Rússia nessa batalha mudou os rumos da guerra, pois, a partir desse momento, a ofensiva alemã perdeu força na Europa Oriental, expondo as defesas germânicas, que foram enfraquecidas até a derrota.

Caso o resultado da batalha tivesse sido diferente, o poder alemão teria se tornado gigantesco. Isso poderia ter mudado os rumos da guerra e talvez nós vivêssemos em um mundo bem diferente do que é hoje.