Minilua

Homem biônico dá inicio à era dos ciborgues

Já pensaram em ter órgãos mecânicos que pudessem substituir os naturais em todas as funções?

Já pensaram em poderem recompor algum membro perdido por uma prótese mecânica? Isso mesmo, minilunáticos, a era dos androides, e não a dos robôs, está se iniciando. Digo isso porque Rex, o primeiro homem biônico, foi criado há pouco tempo e já está à mostra no museu de Londres.

O projeto, que custou cerca de 1 milhão de dólares tem dois metros de altura, além de um sistema de órgãos internos muito similares aos humanos e da capacidade de movimentar seus membros, ouvir, ver e falar! Com isso, Rex é o primeiro do gênero e estará exposto no Science Museum até Março.

O homem biônico foi criado sob a tutela de duas empresas: a produtora Darlow Smithson Productions e a Shadow Robot Company, especializada em robótica. As duas empresas, para testar seus equipamentos, deram uma prótese mecânica para Bertolt Meyer. Ele é um pesquisador da Universidade de Zurique, e precisava do equipamento para a mão esquerda. Meyer foi pioneiro em utilizar essas próteses e provou para o mundo que ela o permite movimentar a mão quase que como antes.

O vídeo abaixo mostra Rex e o que ele pode nos mostrar sobre o futuro de ser humano, é tão incrível que permite até que as pessoas escutem seus batimentos cardíacos:

Todo esse projeto só foi possível graças à evolução da bioengenharia que conseguiu desenvolver um humanoide que possui sangue artificial e órgãos biônicos que podem ser considerados um protótipo de futuros órgãos sintéticos que poderão ser usados em transplantes reais; dos já criados, o rim está previsto para ser testado em 2017.

Como se tudo isso ainda não fosse suficiente, o homem biônico ainda possui implantes que lhe possibilitam ouvir e ver; quanto à fala, Rex usa o mesmo software usado por Stephen Hawking aliado a um programa chamado Chatterbot. E, segundo o jornal britânico, Rex gosta é de Eminem.

Sem dúvida alguma, essa criação é muito significativa para todos: vários testes já foram feitos e está comprovado que qualquer membro é bem menos eficiente e forte que uma prótese mecânica. Ainda há bastante tempo para que existam todas as peças capazes de substituir diversas partes do nosso corpo e para nos transformarmos em verdadeiros ciborgues.

Com certeza a era dos organismos cibernéticos já começou.

Me adicione no Facebook: Nandy Martins