Minilua

Incríveis animais que trabalham em equipe

Aparentemente, os animais não costumam se ajudar, a não ser quando são da mesma espécie. Mas existem alguns seres de espécies totalmente diferentes, que além de viverem juntos, se ajudam em quase tudo:

 A aranha e o sapo

Pode parecer uma dupla estranha, mas aranhas gigantes e pequenos sapos são parceiros inseparáveis em diversos lugares do mundo. Aranhas costumam cavar tocas, onde ficam durante boa parte do dia e também escondem seus ovos. Contudo, quando saem para pegar o que está na teia, o local fica desprotegido, o que permite ataque aos indefesos ovos. Para resolver esse problema de guarda, a aranha acabou firmando parceria com o sapo.

Um dos principais predadores de ovos de aranhas são as formigas, mas elas fogem dos sapos, que as comem. Sendo assim, existem diversas espécies de sapos que vivem na mesma toca que aranhas. Para as aranhas existe o benefício da proteção de seus ovos. Já para o sapo, o benefício vem com a alimentação, pois ele pode comer os restos de insetos que a aranha caça e de quebra ainda recebe proteção contra predadores, que morrem de medo de aracnídeos.

O coiote e o texugo

Coiotes e texugos, apesar de serem animais bem diferentes, costumam ter o mesmo cardápio em vista. Os dois gostam de se alimentar de pequenos roedores que vivem em buracos. Contudo existe um grande problema aí. O tamanho dos coiotes atrapalha a caça, pois basta que os roedores se escondam na toca para fugir do ataque. Do outro lado, os texugos conseguem entrar nos buracos, mas não são fortes, nem rápidos o bastante para caçar os roedores.

Mas a natureza encontrou a solução perfeita para ajudar essas duas espécies, criando a inusitada parceria “coiote-texugo”. O texugo invade as tocas dos roedores, os expulsando, e o coiote fica lá fora esperando para dar o bote. Depois, os dois dividem uma bela refeição juntos.

O camarão e o caboz

O camarão-de-estalo é um animal poderoso. Ele é conhecido mundialmente por sua garra supersônica. Quando se sente ameaçado ou deseja atacar algum inimigo, o camarão-de-estalo dá uma espécie de chicotada com sua garra, mas ela é tão rápida, que o movimento rompe a barreira do som. Esse efeito cria uma bolha na água, gerando um ponto de grande pressão, que pode paralisar ou mesmo matar pequenos peixes.

Mesmo com essa poderosa arma, o camarão sofre com um grande problema: a visão. Os camarões-de-estalo não enxergar muito bem e assim são presas fáceis, mesmo para inimigos menos intimidadores. Por isso, uma inusitada parceria surgiu entre esse animal e o caboz.

O caboz é uma espécie de peixe que, ao contrário do camarão, enxerga muito bem. Por isso, esse bicho se tornou o “cão-guia” do camarão. Exatamente como humanos e cachorros, o caboz encosta-se em uma das antenas do camarão e fica o guiando pelos lugares. Quando algum perigo surge, o peixe faz um movimento, alertando o camarão que está na hora de soltar seu golpe.

A noite, os dois dividem o mesmo túnel, se protegendo juntos. A relação entre essas duas criaturas é tão poderosa, que o camarão quase nunca sai de sua toca sem o auxílio de seu peixe guia.