Livro mostra filosofias e vida de Keith Richards

11807299

Um guru moderno. Este é o título que a escritora Jessica Pallington West concede à Keith Richards em seu livro “O que Keith Richards faria em seu lugar?”, lançado no Brasil pela Fontanar, braço da editora Objetiva voltado para literatura nas áreas de saúde, sexualidade, crescimento pessoal e auto-ajuda.

E é exatamente neste campo que a obra situa-se: auto-ajuda. Contudo não espere por um livro chato, implorando às mais toscas das artimanhas para conseguir aumentar a auto-estima do leitor. Um trecho da introdução – que antecipa o capítulo 1, “Os 26 dez mandamentos de Keith Richards” – mostra muito bem à que ele veio: “esqueça aquele outro livro sobre um Segredo que salvará sua vida. Aqui estão 26 segredos: preceitos de um livro que vem não do Monte Sinai, mas do Monte Já-fiz-de-tudo-e-mais-um-pouco, em que o bezerro de ouro canta blues e os mandamentos foram escritos em papel de enrolar cigarros”.

A autora explica: “imagine um Abraham Lincoln com um anel de caveira, um brinco e uma encharpe. Uma pitada de Ben Franklin e um pouco de Billy The Kid. Um político sábio misturado com um valentão de beco escuro, um Buda e um pirata. (…) Como símbolo de resistência e força, as palavras, a sabedoria e a filosofia de Keith podem ser usadas como exemplos para a melhoria da sua própria vida em momentos de confusão. (…) Através delas, é bem possível que Keith Richards possa salvar sua vida. Ou, pelo menos, livrar sua pele”.

Dividido em seis capítulos – “Os 26 dez Mandamentos…”, “O que Keith Faria”, “Keith e Nietzsche”, “Trajes de Profeta…”, “A perspicácia e sabedoria…” e o último sub-dividido em “Tudo o que Você Sempre Quis Saber…” e “A Trajetória de Keith” – a autora remonta, de uma forma bem-humorada, citações e passagens da vida do guitarrista para construir as bases do que ela chamou de “Keithismo”.

Vamos ver capítulo por capítulo:




1º Capítulo: Os 26 dez mandamentos de Keith Richards

Obviamente o título do capítulo não é uma coincidência. Esta parte é composta por mandamentos da filosofia de Keith, da qual se destacam “Aceite os Rolling Stones como seu senhor metafórico” ou “Alimente seu Charlie interior”. Logo após cada mandamento, a autora explica o que a frase quer dizer e como aplicá-lo na sua própria vida. Um bom exemplo é o mandamento “Aceite (ou pelo menos tolere) seu Mick interior e exterior”, no qual Jessica explica que todos possuem uma natureza dupla e que tentar sufocá-la só irá piorar a situação. A solução, neste caso, é se acostumar com ele e tolerá-lo.

Este capítulo começa o livro em grande estilo. Boas risadas estão reservadas nesta parte, o que, paradoxalmente, não faz bem à obra.




2º Capítulo: O que Keith faria

Como dito acima, após um primeiro capítulo muito bom, as coisas esfriam na continuação. Neste ponto do livro a autora, baseada nos 26 mandamentos, levanta alguns problemas reais e mostra quais seriam as soluções segundo o “Keithismo”. Através da filosofia do guitarrista, o livro mostra como dizer “não”, como manter a calma e tomar iniciativas quando os outros estão histéricos e culpando você por isso, ou como aceitar quando alguém passa por cima de você e colhe os louros que deveriam ser seus.

Resumindo: se alguém quiser adquirir o livro para realmente ser ajudado, é um capítulo imperdível. A maioria das pessoas, entretanto, irá ler a obra pela curiosidade e pelo humor, o que deixa este capítulo um pouco inútil, apesar de algumas partes serem bem engraçadas.




3º Capítulo: Keith e Nietzsche

Aqui as coisas melhoram um pouco, com a autora comparando os preceitos da filosofia de Keith com proposições de grandes filósofos, como Nietzsche, Aristóteles, Platão, Sócrates, etc. Para dar maior organização aos pensamentos, Jessica dividiu os pensadores por categorias: filósofos gregos, Santo Agostinho, John Locke, Russeau, Kierkegaard, Nietzsche, Martin Luther, Abraham Lincoln, Oscar Wilde, Sartre, Carl Jung, dentre outros.

Ao fim do capítulo o ânimo retorna ao leitor, contudo a próxima parte, mais uma vez, não conseguirá manter o nível.




4º Capítulo: Trajes de profeta

Este é o capítulo mais chato do livro, no qual a autora mostra como o estilo e vestimentas de Keith expressam sua personalidade, e como isto é importante para a pessoa se sentir bem com ela mesma.

Um trecho desta parte diz: “se você anda vagando por aí com a roupa e o cabelo errados e acha que algo está faltando, talvez exista uma razão para isto. (…) Use o que você precisa para responder ao chamado do autoconhecimento”.

Tirando poucas passagens interessantes, esta parte só chamará a atenção das pessoas que se ligam em moda, roupas e acessórios.




5º Capítulo: A perspicácia e sabedoria de Keith Richards

Aqui está o tesouro escondido no livro! Citações que juntas compõem a personalidade deste cara que é ídolo de muita gente ao redor do mundo. O homem fala sobre absolutamente tudo. De reencarnação e vida após a morte até ambição, passando por arte, experiências ruins, mudanças e Blues.

Aqui, Keith não poupa ninguém. Sobra para Mick Jagger, Metallica, Oasis, bandas de Rock modernas, dentre muitos outros. (veja uma seleção de citações ao final desta matéria).

6º Capítulo: O que você sempre quis saber sobre Keith Richards (ou não), mas tinha medo de perguntar (ou não)

Este capítulo está dividido em duas partes, sendo que a primeira traz uma ”ficha técnica” do músico, topificando informações, como “Apelidos”, “Gosta de”, “Se pudesse ser qualquer coisa no mundo, seria”, “Um grande sonho”, “Hobbies”, etc.

A segunda parte traz uma cronologia da vida de Keith, organizada em tópicos em ordem cronológica, começando de pelo seu nascimento, em 18 de dezembro de 1943, e indo até novembro de 2008. Para finalizar, a autora descreve a receita do prato preferido de Keith, a “Shepherd’s Pie”, uma espécie de torta de carne moída com purê de batata.

Ao fim de quase 250 páginas a impressão que fica é a de um livro que não mantém a regularidade, mas que no todo acaba saindo-se bem.

Com toda certeza, o prato principal da obra são os 26 dez mandamentos e as citações, mas algumas pessoas podem realmente se interessar pelas outras partes, que não são ruins, apenas não mantém o nível dos melhores momentos.

A aquisição vale muito à pena se você for fã dos Stones e de Keith, ou se interessa por Rock n’ Roll e, por último, para aqueles que realmente procuram algum tipo de ajuda.

Para estes últimos, os melhores conselhos de Keith são: “merdas acontecem”, “quando se desesperar lembre-se: existe sempre o futuro”, e “aceite Max Miller na sua vida (ou: é uma tremenda piada, porra. Ria)”.

livro

Confira abaixo algumas das melhores citações do homem:

“Quando eu era mais jovem, disse: ‘se viver até os 30 anos, dou um tiro em mim mesmo’. Você chega aos 30 e guarda a arma”.

“Um médico me disse que eu tinha seis meses de vida, e eu fui ao enterro dele”.

“Já houve muitas vezes em que eu poderia ter batido as botas. Mas sempre me pareceu uma saída fácil”.

“Alguém tem que descobrir quanto tempo isso pode durar, e acho melhor que esse alguém seja eu”.

“Acordar”. Quando lhe perguntaram o que considerava sua grande realização.

“Depois que saí da escola, nunca disse ‘sim, senhor’ para ninguém”.

“Mesmo ser pego pela polícia não é prazer nenhum, mas certamente não é entediante. Acho o tédio a pior coisa do mundo, sabe? Tudo menos o tédio. Pelo menos você fica ativo”.

“Com certeza, cara. Eu mesmo já fui um laboratório”. Resposta a um fã que pediu para Keith autografar seu livro de química.

“Meus filhos são o menor dos meus problemas; são os adultos que ferram comigo”.

“O pintor tem uma tela. O escritor tem o papel em branco. O músico tem o silêncio”.

“Nunca tive problemas com as drogas, só com a polícia”.

“Nunca passei mal no banheiro de ninguém. Considero isso o ápice da falta de educação”.

“Minha mulher vive me perguntando: ‘Por que você está acendendo outro cigarro?’ Respondo que é porque o último não era grande o suficiente”.

“Adoro”. Sobre excessos.

“Continue respirando”. Quando lhe perguntaram qual era a maior lição que a vida lhe ensinou.

“Sou totalmente a favor de uma vida tranqüila, só não consegui ter uma”.

“Digo: ‘E aí, Charlie, será que devo ir ao quarto do Mick e enforcá-lo?’ E ele responde que não. A opinião dele conta”.

“Se soubesse qual é o outro pecado original, pecaria”.

“Todo mundo deveria nascer com uma guitarra – haveria muito menos suicídio”.

“Cheguei à conclusão de que só existe uma doença fatal. O nome dela é hipocondria. E é mortal”.

“Meu epitáfio será: ‘Seus escrotos! Eu avisei que não estava me sentindo bem’”.

“Nunca consigo ficar anônimo – é por isso que sou pego pela polícia tantas vezes”.

“Eles eram aquilo de que se precisava. Uma grande lavagem intestinal”.Sobre os Beatles.

“Ele faz parte da minha dieta diária. Tão necessário quanto legumes e verduras. Nenhum de nós é imortal, mas, se algum fosse, certamente seria esse cara”. Sobre Jerry Lee Lewis.

“Você não é capaz de entrar no cérebro de alguém. Bem, alguém entrou no meu uma vez, mas foi necessário”.

“Sou sagitário, meio homem, meio cavalo, com autorização para cagar no meio da rua”.

“Como disse Tchecov: ‘Qualquer idiota encara uma crise, é o dia a dia maçante que derruba você”.

“(Mick) não consegue ir dormir sem escrever o que vai fazer quando acordar. Eu simplesmente espero acordar, e não é um desastre”.

“Mick é muito bom nos negócios. Não tão bom quanto as pessoas pensam. Provavelmente não tão bom quanto ele pensa. E provavelmente não tão ruim quanto eu penso”.

“Se fôssemos uma empresa do tipo mamãe e papai, ele seria a mamãe”.Sobre Mick Jagger.

“Não levanto bandeira de nada. Sou músico”.

“Se não tivesse uma guitarra, teria um barco”.

“Ir a julgamento é simplesmente um hábito muito caro”.

“É sim, e as próximas cinco também”. Quando perguntaram se aquela era a última turnê da banda.

“Tenho orgulho de não ter ido beijar o pé do Maharishi, sabe”?

“Tente dizer 25 vezes ‘culpado meritíssimo’ e manter o semblante sério”.

“Rock n’ Roll. Música do pescoço para baixo”.

“Ronnie (Wood) é uma mistura maravilhosa de talento e bobagem”.

“A coisa mais próxima que já experimentei foi Wormwood Scrubbs (prisão). Juro, é a mesma sensação”. Sobre a escola.

“Tédio? Para mim é doença. Você pode me trancar numa solitária por semanas a fio, e eu vou me manter entretido”.

“Sempre fiz as coisas de maneira bastante intuitiva, Acho que o cérebro já atrapalhou bastante”.

“A vida estava tão interessante nesses nove dias que eu não consegui parar. Nem por um minuto”. Sobre ter ficado acordado por nove dias.

“Não penso em sobreviver. Simplesmente espero que aconteça”.

“Crises de abstinência não são tão ruins depois de dez ou doze vezes”.

“Mulheres são uma linda complicação, e eu espero ansioso por mais complicações”.

“Aparece o Duran Duran um dia, se mete na nossa sessão e diz: ‘O que é que vocês estão fazendo juntos aí, na mesma sala?’ Isso se chama música. É assim que nós gravamos, seus babacas de merda”.

“Não sei de onde vem a inspiração do Metallica, mas, se for de mim, então fiz merda”.

“Todo mundo é uma merda. Estão todos tentando ser outra pessoa em vez de serem eles mesmos. The Libertines, Artic Monkeys, Bloc Party? Merda, merda. É tudo pose, lixo”.

“Esses caras são simplesmente intragáveis. Cresçam e depois voltem para ver se agüentam”. Sobre o Oasis.

Fonte: Imprensa Rocker

  1. Danilo

    5 de fevereiro de 2012 em 10:55

    Esse Cara é Foda

  2. Luiz Carlos Faria de Alcantara

    19 de dezembro de 2010 em 23:50

    Keith richards : O Zeca Pagodinho do ROCK AND ROLL …

  3. Allan Moraes Pessoa

    25 de junho de 2010 em 14:52

    Simplesmente foda, se eu não amasse o meu pai, eu gostaria muito q o Keith Richards fosse o meu pai!!!

3 Comentários
mais Posts
Topo