Minilua

Os maiores assassinos da história

O mundo do crime, em todos os países, é um mercado gigantesco que movimenta bilhões de dólares e, muitas vezes, os chefões precisam de alguns homens de confiança para realizar a mais terrível das tarefas: Assassinatos.

Com dinheiro, poder e inteligência acima da média, esses matadores se tornam lendas, matando dezenas de pessoas durante suas carreiras:

Chester Wheeler Campbell

Chester se criou nos subúrbios de Detroit, onde o crime era algo normal e corriqueiro. Ainda muito jovem, ele começou a se envolver com a Máfia Italiana e os traficantes negros locais.

Durante anos, a lenda do “Mão Negra” colocava medo na polícia e nos criminosos. A primeira prisão, após ter se tornado uma lenda na cidade, ocorreu em 1975, quando foi pego em uma perseguição. Seu carro carregava diversas armas, drogas e um caderno com mais de 300 nomes, muitos deles haviam sido mortos brutalmente nos últimos anos.

Chester nunca confessou, porém muitos que tinham o nome em seu caderninho haviam sido mortos por ele. Seus métodos incluíam assassinato a sangue frio, bombas e manipulação. Usando sua inteligência acima da média, Chester criava artimanhas e armadilhas de todos os tipos, sendo capaz de colocar dois inimigos em pé de guerra para que eles se matassem.

Ao contrário da maior parte dos bandidos, Chester era um homem requintado e estudioso. Sua biblioteca pessoal tinha centenas de livros e conta-se que ele lia diariamente. Além disso, Chester usava as melhores roupas, bebia vinhos finos e seus chapéus, sua marca registrada, eram feitos pelos melhores chapeleiros dos EUA.

Após ter sido preso, a casa de Chester foi revistada, revelando um arsenal gigantesco e ferramentas de espionagem que só a CIA tinha acesso. Microfones capazes de captar sons distantes, câmeras de vídeo, ferramentas para realizar grampos telefônicos… Enfim, ele tinha material para abrir sua própria Agência de Inteligência.

Mesmo dentro da cadeia durante quase 10 anos, sua reputação nunca diminuiu. Após sua saída em 1984, ele voltou ao trabalho e, segundo o que os policiais falam, mais de duas dezenas de pessoas foram mortas em apenas três anos pelo “Mão Negra”.

Para o azar do mundo do crime, em 1987, Chester foi preso definitivamente e viveu atrás das grades até 2001. Sua prisão, de novo realizada por porte ilegal de armas e drogas, fez com que ele tivesse uma pena mais pesada, devido à reincidência. O engraçado é que mesmo a polícia sabendo dos diversos assassinatos feito por ele, ninguém conseguiu pegá-lo por causa disso.

A verdade sobre Chester é obscura, pois ele jamais foi condenado por todos os assassinatos que cometeu e ninguém sabe exatamente qual o número de mortes que o “Mão Negra” realizou.

Sam DeStefano

DeStefano nasceu em Illinois e ainda muito jovem começou a criar problemas. Em 1927, com 18 anos, o americano com sangue italiano foi acusado de participar do estupro de uma menina de 17 anos. Sua sorte foi que a polícia chegou ao local antes que ele pudesse de fato participar do ato, por isso foi condenado a apenas 3 anos de prisão.

A partir daí, sua vida foi uma sucessão de prisões e solturas. Mas em 1960, ele encontrou um ramo de negócios que lhe permitiu mostrar sua verdadeira face. Fazendo empréstimos com juros de 20% por semana, DeStefano dava dinheiro a qualquer pessoa que pedisse, mas nunca esquecia de cobrar.

Para que seu trabalho de cobrança pudesse ser bem realizado, ele construiu uma câmara a prova de som no subsolo de sua casa. Ali, o inferno dos devedores foi criado.

Um dos casos mais famosos de Sam, também conhecido como “Mad Sam”, foi a tortura de Leo Foreman, que, após implorar por sua vida, acabou ganhando uma dose de “misericórdia”. Primeiro, Sam deu um tiro em cada nádega de Leo, mas isso foi só o começo. Em seguida, auxiliado por seus capangas, Mad Sam começou a cortar lascas de carne do devedor. Durante horas essa tortura sanguinária continuou, até que toda a carne do homem foi arrancada do corpo.

Outro caso foi o de Peter Cappelletti. Após três dias sendo torturado de todas as maneiras imagináveis e ter boa parte de seu corpo queimado, Peter foi levado para a parte de trás de um restaurante da máfia.

Em quanto isso, Sam jantava com a família da vítima. Peter, sofrendo com as dores causadas pelas queimaduras, implorava por água nos ferimentos. Atendendo ao pedido do coitado, Sam mandou que seus capangas trouxessem a sobremesa.

No meio do jantar, Peter, amarrado e queimado, foi jogado em cima da mesa onde sua família comia. Todos ficaram apavorados, porém Sam tinha dito a Peter que ia providenciar água para seus ferimentos e sua palavra ia ser cumprida.

Apontando a arma para a cabeça dos familiares, Sam fez com que todos subissem na mesa e mijassem em cima homem, afinal ele queria água para seus ferimentos! No dia seguinte, a dívida foi paga…

Certa vez, Sam estava andando pelas ruas de Chicago e viu um negro na calçada. Sem pensar duas vezes, sequestrou o homem e o levou para casa. Em seguida, forçou o negro a ter relações sexuais com sua própria esposa. Com medo de ser acusado de estupro, o homem negro foi até a delegacia após o acontecimento e relatou tudo a polícia, mas nada foi feito.

DeStefano morreu em uma garagem, após ter sido traído por seus sócios. O crime de sua morte nunca foi investigado.

Até hoje, ninguém sabe quantas pessoas foram mortas e torturadas na câmara a prova de som, porém os números dados pelos boatos passam das 50 mortes, apenas ali dentro.