Minilua Debate: Limite do Humor #2

Sejam bem-vindos ao Minilua Debate, nesta série queremos saber sua opinião a respeito dos mais diversos assuntos que compõem a nossa sociedade. Toda semana lançaremos um tema central a ser discutido para vocês ampliarem seus conhecimentos, compartilharem ideias e pontos de vista, afinal opinião é para ser respeitada, mas não para ser aceita como verdade absoluta.

Resultado da última enquete: Você acredita ou pertence a algum meio religioso ?
Sim: 45%
Não: 55%

Tema da semana: Qual o limite do humor?


capas-do-jornal-satirico-charlie-hebdo-humor-provocativo-que-entrou-na-mira-de-grupos-terroristas-1422555483347_380x260

No dia 7 de janeiro deste ano, terroristas islâmicos mataram a tiros de fuzil 12 pessoas e feriram 11 na Redação do jornal satírico “Charlie Hebdo”, em Paris, a pretexto de vingar o profeta Maomé, alvo frequente das charges da publicação. Apesar das muitas manifestações de repúdio ao ato terrorista, o atentado também acabou provocando uma polêmica sobre a liberdade de expressão e os limites do humor. Para alguns, ela deve ser geral e irrestrita, pois, se houver limites, não existirá liberdade de fato. Outros, consideram que há temas como a religião, que devem ser preservados, pois o direito de se expressar livremente não inclui a possibilidade de ofender. Há ainda quem defenda que a liberdade tem de coexistir com a responsabilidade e se submeter a uma ética.




Existe limite para o humor ?

mundo223

Fazer rir é uma arte e como em toda arte há bons artistas e maus artistas. Há bons músicos e maus músicos, há bons pintores e maus pintores, há bons humoristas e maus humoristas. O estranho é que, mesmo assim, quando publicam uma música de mau gosto, que transforma a mulher em objeto sexual, por exemplo, não se fala em proibi-la, retirá-la de circulação; quando o artista elabora uma pintura obscena, que ofende os bons costumes, às vezes vira vanguardista, transgressor, e faz sucesso. O humorista, por outro lado, é o alvo da vez.

Talvez porque haja exageros. No pretexto de fazer humor, piadistas chegam a extravasar essa esfera e atingir a dignidade, a reputação e a imagem alheia, causando danos sociais muitas vezes irreparáveis. Tome-se, por exemplo, o caso recente no qual Danilo Gentili satirizou uma grande doadora de leite materno. Sua graça fez com que a mulher se sentisse tão mal e ridicularizada que, por força dessa questão psicológica, sua produção de leite já está diminuindo. O banco de leite que ela ajudava está, com toda razão, desesperado. Muitas crianças que têm sua vida garantida pelos grandes atos dessa mulher agora estão com seu futuro indefinido. Enfim, uma péssima piada gera, nos dias de hoje, mais do que um dano moral: gera um desserviço para a sociedade.

Há um forte argumento que diz que a piada com base em diferenças físicas, de sexo, de orientação sexual e congêneres reflete o preconceito das elites e das maiorias em desfavor dos oprimidos. Será? Sei que um erro não justifica outro, mas é fato que o humor sempre foi assim e, até pouquíssimo tempo atrás, ninguém processava humoristas por piadas de mau gosto. “Os Trapalhões” era recheado de piadas infames e racistas por meio do Mussum e contra os calvos tendo como alvo Zacarias. E Renato Aragão é, até hoje, embaixador da ONU. O acesso à justiça e a luta por direitos representa um enorme avanço social que o Brasil conseguiu nos últimos anos, mas algo mudou de lá para cá na sociedade em si?

tirinha-politicamente-incorreto

A própria natureza humana age como um “sabotador íntimo” nessas discussões. Afinal, tomando ainda como exemplo o erro de Danilo Gentili, as pessoas riram. Muita gente riu. Muita gente que agora o condena, com toda razão nisso. Mas por que riram?

Leandro Hassum disse certa vez em uma entrevista: “o humor nasce do diferente”. Ele tem razão. Alguém conhece um famoso comediante norueguês? Deve ser difícil fazer um stand up na Noruega, onde todos são física, social e economicamente iguais. Tenho curiosidade de saber como funciona.

Enquete encerrada.

De sua opinião sobre o assunto, lembrando sempre de respeitar as opiniões dos outros usuários. Nunca julgue apenas compreenda!

Fonte: EstudeAtualidades - Uol

  1. Li Syaoran

    5 de setembro de 2015 em 12:36

    Dizem alguns que o riso vem da quebra de expectativa, portanto, seria inofensivo em qualquer situação. Outros (inclusive o grande Bernard Shaw) já dizem que a comedia está sempre ligada a um sentimento de superioridade, de alívio por saber que é outro e não você que está sofrendo.
    Eu pessoalmente creio que haja uma mistura dos dois: a quebra de expectativa ocorre pelo nosso gosto pelo absurdo, pela surpresa e principalmente, pela troca súbita de contexto (daí a graça da maior parte das piadas infantis). O sentimento de superioridade, por outro lado, vem do nossa vontade inconsciente de estar seguro à frente dos demais. É aí que mora o problema
    Não importa o quanto neguemos, TODOS nós sentimos prazer com o sofrimento alheio. Você pode até dizer que jamais riria de alguém debilitado, abusado, marginalizado, mas por dentro de você sempre surgirá um diminuto sorriso ao ver imagens desse tipo: http://www.imagensengraçadas.net/wp-content/uploads/2013/07/esse-post-ta-me-incomodando-remova-pfv.jpg . Logo após o humor vem a culpa que encobre-o e o mascara com uma reação de ultraje, de inconformismo. Se você reage assim é um sinal de que é uma boa pessoa, capaz de achar graça em situações adversas mas também de sentira empatia pelo outro, a pergunta é: será mesmo que a reação negativa é sempre necessária? Será realmente necessário lembrar todos a todo instante das injustiças sociais? Ou será que é possível rir de uma piada maldosa mas reconhecer o infortúnio alheio e em situação real tomar a atitude correta?
    É claro que é muito mais fácil dizer “é só uma piada, levar a sério é frescura” quando não se é o alvo, “pimenta no cu dos outros é refresco” já dizia o ditado. Antes de se utilizar do humor negro (engraçado esse nome na conjuntura atual) tente se colocar no papel do outro, imagine como você reagiria na situação, mas isso provavelmente ainda será longe do suficiente para entender o que o alvo sentira. Humor é uma profissão de risco, Charlie Hebdo que o diga (viram só? acabei de comentar um incidente trágico com humor e ninguém se machucou, exceto eles).
    Também é errado querer censurar utilizando seus sentimentos como argumento inquestionável. É claro que você está sofrendo, mas será que todos tem a obrigação de prestar condolências? Talvez você já esteja extrapolando o limite da empatia, pode ser que, no fundo do seu coração, você sinta que todos devam te ajudar a atravessar um momento difícil e isso é obviamente errado pois você com certeza não ajuda todos aqueles que precisam (negar isso é mentir para todos e para si mesmo). Ás vezes uma piada cruel pode inclusive te ajudar a lidar com seu problema, a partir do momento em que você passa a ver o ataque mascarado de piada como uma, você se prova superior ao seu rival mostrando que não pode ser atingido(a) pelas suas ofensas.
    O que não deve ser permitido é usar piadas sem graça como maneira de justificar e perpetuar preconceitos. A melhor maneira de fazer isso é processar o engraçadinho, mas aí cria-se o risco de dar origem a uma “sociedade do processo” como já vem ocorrendo nos EUA onde qualquer palavra pode provocar processos milionários transformando qualquer diálogo em um verdadeiro campo minado. Para evitar esse cenário distópico uma outra boa resposta é devolver o humor negro com humor negro; isso não rebaixa o nível do debate, mas dessacraliza-o, mostra novamente que a ofensa não funcionou e ainda por cima, que o tiro saiu pela culatra.
    Quanto a “humoristas” do naipe do Danilo Gentili e do Rafinha Bastos o melhor a fazer é ignorar as piadas dirigidas a grupos (o silêncio atinge o ofensor como uma bala) e tomar as atitudes legais quando dirigidas a pessoas, porque uma piada ruim sobre um grupo é uma tentativa falha de dar suporte a uma ideologia e por mais retrógrada que seja, liberdade de expressão ainda é uma máxima do sistema democrático.
    P.S: Censura prévia JAMAIS resolverá o problema. Ao contrário, isso só aumenta as tensões sociais e pode até gerar uma certa “ditadura intelectual” dos grupos antes marginalizados. O que devemos procurar é uma sociedade livre onde ninguém se machuca e não inverter o atual status quo para criar outro igual.

  2. Elyane

    3 de setembro de 2015 em 21:50

    As piadas são feitas para divertir com coisas bobas, zoeira mesmo, mas a partir do momento que traz constrangimento em excesso e humilhação deve ser moderada, não existem assuntos que devam ser proibidos, para isso lutamos pela liberdade de expressão. Já presencie casos que extrapolaram este limite da zoeira saudável, e se fazem com aqueles que eu gosto entro na briga mesmo. Mesmo a diversão tem que ter seus limites, o sofrimento do outros ,a apologia ao ódio, a discriminação não me traz alegria.

  3. Sadrak Lacerda

    2 de setembro de 2015 em 23:01

    Liberdade de expressão não dar direito de descriminar os outros ao redor… Se quiser fazer uma piada… Faça de você mesmo! Ninguém pede e gosta de ser descriminado, mesmo que seja só uma “piada”.

  4. Willyam Ricardo

    2 de setembro de 2015 em 20:21

    Tudo tem limite ,até humor , uma pessoa que ultrapassa esses limites se torna um desesperado e egocêntrico .
    Claro que o humor engloba tudo,porém esse tudo tem um limite,podem tirar onda de gays,evangélicos,catolicos ,satanistas,negros,brancos,minilua,MDS ,o raio ,mas contanto que não venha a degrinir “VIOLENTAMENTE E BRUTALMENTE” a imagem deles, tá valendo.
    Humor se faz com criatividade e simplicidade .

  5. Sabaku Jonas

    2 de setembro de 2015 em 17:35

    Não deve-se confundir liberdade de expressão com libertinagem

  6. Neko-san

    2 de setembro de 2015 em 12:36

    Na moral, essa galera que reclama de piada ofencisa são tudo hipócrita, porque só o fato de se fazer piada ja é um tipo de ofensa, na moral ja estou por aqui dessa hipocrisia de chamar os outros de homofobico, racista, intolerante relogioso e os krl4, não suporto mais isso, ja está chegando em um nivel absurdo esse “viticismo”. -.-‘

  7. Rodrigo Duarte

    2 de setembro de 2015 em 09:45

    Vivem falando que nosso Brasilzão é a terra da zoeira do huehuebr… Mas cada dia que passa aqui tá ficando mais quadrado e só tende a piorar, pois política e religião estão cada vez mais misturadas, querem limitar e controlar tudo… Quer saber cansei disso daqui, partiu Coréia do Norte!

  8. Lynn Rock

    2 de setembro de 2015 em 08:35

    Eu acho que no geral o humor não tem limites e comediantes adoram fazer piadas com famosos e tudo mais e acho a maior besteira eles se ofenderem com essas coisas, ainda mais porq na maior parte das vezes são piadas idiotas, não sou contra humor ácido, só não acho a mesma coisa humilhação e bullying como os provocados na escola, pra mim é bem diferente um do outro. já pensou se quando a Hebe era viva ela quisesse processar todos os comediantes que faziam piadas sobre ela ser velha?

  9. The Art of Trolling

    2 de setembro de 2015 em 07:31

    Uma prima minha perdeu um dedo enquanto cortava a relva.Eu e o meu primo fizemos piadas mas minha avó não gostou nd….

  10. Mutley

    2 de setembro de 2015 em 06:10

    Acho que cada um tem o seu ”limite” da até onde fazer piada , o grande problema é essa cultura já enraizada de zueira sem limites , aquele ditado de ”Perde o amigo , mas não perde a piada” , só que existe sim um limite pra tudo , eu por exemplo , nunca fui do tipo tira sarro com a cara de todo mundo , sempre que eu zoei alguém essa pessoa tava rindo junto comigo , ou seja levava na boa , agora também entendo que nem todo mundo gosta de um maluco que fique fazendo stand up 24 horas , tem que ter respeito , fazer piada só com quem você realmente conhece e sabe que não vai se estressar , (porque é bom sempre manter os dentes preservados se é que me entende) , emfim , as pessoas são diferentes , mas se possível , falando de mim de novo , tento tratar todas com respeito (as vezes não da realmente) ,mas então fica aquela velha dica , não faça com os outros o mesmo que fizessem com você.

  11. Eddye Uchôa

    1 de setembro de 2015 em 23:32

    Na minha opinião, piada não deveria ser levada a sério. Se achou graça, ria. Se não achou graça, não ria. Simples. E mesmo se achar “ofensivo”, o que a pessoa ganha se ficar reclamando do cara que fez a piada? Apenas pare de ver os vídeos/stand-ups/seiláoque dele e a vida segue. Outra coisa chata também é a hipocrisia em reclamações assim. Por exemplo, um cara faz piada sobre macumba e todo mundo ri de boas, mas se faz da religião cristã, ficam dizendo que é intolerância religiosa. Isso tudo é um saco.

  12. Greg

    1 de setembro de 2015 em 23:12

    Eu acho que só nao pode fazer piada com algo que deixe a pessoa com tristeza sobre um assunto… como por exemplo uma doença, um acidente…. o resto pra mim … se for óbvio que é uma brincadeira apenas para rir e brincar … nao necessita de limites eu acho…tem casos e casos né…

  13. LF Contra Todos

    1 de setembro de 2015 em 22:10

    Na minha opinião em apenas dois casos se devem ter limites nas piadas (não que elas não devem existir), que são piadas contra os pais e contra pessoas doentes…
    Ainda temos que separar piadas e piadas de gosto duvidoso…
    Uma piada boa pode ser feita sobre qualquer coisa, uma piada de gosto duvidoso nunca deve ser feita em hipótese alguma…
    É ai que vemos realmente quem tem talento.

  14. chapolim do mal

    1 de setembro de 2015 em 22:07

    Quem vem com mimimi por causa de piada tem que se fuder e acabou!
    Porra de direitos humanos, politicamente correto e os escambau!
    Eu geralmente sou calmo aqui mas eu perco a paciência com regulações escabrosas de pensamento e de fala, é só humor, tiração de onda, piada mesmo, nada mais, se vc leva pelo outro lado se foda sozinho. Geração pau no cu, todo mundo só vive chorando, não pode chamar gordo de gordo, negro de negro, gay de gay, homem e mulher não existe, a biologia é desconsiderada, e tudo isso é culpa dos pós-modernos e aquele papo pseudo-intelectual de merda.

    • Beto Ranger Verde

      11 de dezembro de 2015 em 22:49

      Eh pelo jeito pra vocês pode tudo, mas não eh assim que funciona pô, esse politicamente correto ta enchendo o saco mesmo, mas da pra fazer piada sem ofender os outros, muitos de vocês mudariam de ideia se a ofensa disfarçada de piada fosse com vocês, pois como um humorista disse, ” todo mundo sabe que fazer uma piada com a mãe do amiguinho eh engraçado demais, agora faz uma piada com a tua”!

    • Felino

      2 de setembro de 2015 em 07:38

      ah cara, a geração ̶c̶h̶u̶p̶a̶ b̶o̶l̶̶a̶ Coca-Cola de hoje em dia… Principalmente esses esquerdistas cabeça de merda… Você não pode nem dar opinião que já é taxado de racista, homofóbico, machista… Esse mundo ta virando uma “Ditadura dos coitadinhos”
      HUMOR É HUMOR, E FODA-SE O RESTO.
      não existe limite pra humor, é que nem dar limite pra imaginação ou pra inteligência.
      Aqui na escola que eu estudo geral faz humor negro, e dos brabo, e ninguém fica chorando falando que ta sofrendo bullyng, porque quando alguém é zoado simplesmente zoa de volta 2x pior rs

      Quanto ao humor do qual o post se refere: contra religião
      Ué, eu vejo gente falando “chuta que é macumba”, vejo gente satirizando Jesus em piadas, porque qnd satirizam maomé os terroristas tem direito de fazer uma coisa dessas e ainda serem defendidos?

      • Felino

        2 de setembro de 2015 em 07:43

        Cara, um desses carinhas politicamente corretos não iriam durar 1 semana na minha classe, lá fazem piadas feias com negros, com gordos, com magros, com brancos, com gente que tem cara de índio, cara de japonês.
        Eu moro numa cidade um pouco mais pobrezinha que a cidade que eu estudo (sim, eu estudo em outra cidade), e geral fica satirizando isso falando “Eae mano, como anda o trafico lá na favela” ou tipo “Mexe com esse cara não, ele vai puxar o bonde da favela e vai te matar a queima-roupa de madrugada”, eu acho graça, eu mesmo também faço piadas de quão pobre eu sou, magro sou… zouo os outros e assim segue a vida, sem esquerdices na hora da zuera

        • Cold

          2 de setembro de 2015 em 09:24

          Qual a relação da esquerda com o limite da zuera? Não era a direita (mais “conservadora” ) que censurava tudo?

          • Felino

            2 de setembro de 2015 em 20:24

            Porque só vejo esquerdistas chamando os outros de racistas quando zoam negros? porque eu só vejo págs esquerdistas no Facebook falando de bullyng e inventando termos escrotos tipo “Gordofobia” para querer criminalizar a zueira?

          • Cold

            3 de setembro de 2015 em 09:52

            Pode dar alguns exemplos de páginas pra eu ver?
            Quando eu leio gordofobia eu imagino alguém com medo (“fobia”) de gordo kkkk
            Enfim, acho que invenção de termos escrotos independe de posição política, tomando como exemplo a heterofobia – criada pela direita

          • Leucothea a Ninfa

            3 de setembro de 2015 em 14:43

            Bom, eu já vi muita página de feministas usando esses termos do além, como Não me Kahlo, Feminismo sem Demagogia, entre outras, e o mais hilário, dizendo para toda pessoa que discorda do ponto de vista delas (mesmo que argumentando de maneira educada) que esta pessoa está apresentando discurso de ódio. Muito mimimi pro meu gosto.. Oh mundo chato u.u

          • Cold

            4 de setembro de 2015 em 10:20

            Vlw, dei uma olhada e alguns posts são tão “wat?”…

    • Greg

      1 de setembro de 2015 em 23:10

      O mundo ta um sako mesmo

    • LF Contra Todos

      1 de setembro de 2015 em 22:11

      Também acho… A gente vai virar comida de minhoca mesmo, então que a gente ria bastante enquanto ainda não somos.

  15. André Silva

    1 de setembro de 2015 em 22:03

    Eu não ia mais comentar mas vou abrir uma excessão porque não quero deixar de colocar minha opinião. Se existe um limite pro humor esse limite é o bom senso do humorista. Alguns ficam com raiva quando gays ou negros são o alvo, por exemplo. Mas dão risada quando o alvo são loiras, portugueses, carecas, etc. Atacam o Danilo Gentilli por ter feito a piada com a mulher do leite, mas quando qualquer outro humorista faz piada com a Gretchen (acho que é assim), Carla Perez ou qualquer outro alvo ninguém liga, sendo que eu aposto que elas ficam magoadas também com as piadinhas, mas todos riem e vem julgar o cara pela piada com a mulher do leite. Humor não tem limite, uma loira é tão vítima quanto um gay numa piada. As pessoas reclamam de tal piada por mexer com seus preceitos ou com elas, e riem quando o alvo não é ela ou aquilo que acredita. Isso é hipocrisia. Se for obrigado a parar de fazer piada com o islamismo, também vai ter que parar de zoar com os católicos, evangélicos, espíritas ou qualquer outra religião. Se tiver que parar de falar de gay vai ter que parar de falar de negro, branco, asiático, loira, político, etc. Aí só vão restar as piadas do pontinho.
    “O que é um pontinho preto…” RACISTA!!
    “O que é um pontinho rosa…” HOMOFÓBICO!!

    • André Silva

      1 de setembro de 2015 em 22:13

      Só pra completar, aquilo das primeiras imagens com o Charlie Hebdo não é humor, é provocação, ninguém acha graça nisso. E separando um pouco, li de novo a pergunta e vi que tinha junto com “humor” a tal “liberdade de expressão”. Essa eu acho que tem um limite, porque eu tava vendo alguns “protestos” (não sei pelo quê, acho que nem eles) que não concordo, tão mais pra baderna. Tipo um que eu tava vendo numa revista e pelo que eu lembro colocaram um cartaz gigante com um pênis gigante numa estrada. Outro também em que o cara pregou os testículos em tal lugar, etc. Isso é idiotice, baderna, provocação, gente querendo chamar atenção, atacar varias pessoas com algo obsceno que não serve pra nada, não tem nenhuma causa, só aparecer. Isso eu sou contra.

      • Wyvern Björk

        2 de setembro de 2015 em 00:56

        Cansou do ML?

        • André Silva

          2 de setembro de 2015 em 02:43

          Não do minilua, mas dessa nova geração de usuários Zé ruela que tá no site e só me irrita.

          • Douglas

            2 de setembro de 2015 em 13:51

            André continue comentando apenas para dar sua opiniao, seus comentarios sao muito bons.

          • André Silva

            2 de setembro de 2015 em 15:59

            Pô cara, valeu. Acho que só vou comentar nesses posts mais sérios mesmo.

          • Leucothea a Ninfa

            3 de setembro de 2015 em 14:44

            Você é legal cara, não some não..

          • André Silva

            12 de setembro de 2015 em 12:00

            Obrigado ;’)
            Mas não vou sumir por completo, de vez em quando eu posso aparecer.

      • Greg

        1 de setembro de 2015 em 23:09

        Pode pa mano

  16. Juliana Prudente Araujo

    1 de setembro de 2015 em 21:34

    ‘_’

34 Comentários
Topo