Minilua

Monte a sua matéria: A segunda guerra civil minilunática #14

E neste segundo especial, você confere um pouco mais da guerra civil minilunática. Conheça ainda, os seus principais domínios e representantes. Até a próxima!

                                                   A segunda guerra civil minilunática

Por: Leonardo Martins

Depois do fim da Guerra Civil Minilunática e a assinatura do Tratado Estrella, ocorreu o período entre Guerra Miniluenses. Com a queda do site Minilua, os usuários se dividiram em grupos e criaram seus próprios blogs, enchendo-os de campanhas para que outras pessoas doassem dinheiro para a restruturação do site. Porém, havia uma série de problemas:

 Ocorrera a Crise de Outubro de 2012: alguns meses após o fim da guerra, os moderadores ainda tinham uma grande dívida com Adriano Saádeh e, com a retirada do aplicativo do Minilua da App Store e do Android Market, devido à falta de atualizações e uma grande quantidade de bugs presentes neste, os usuários não haviam conseguido dinheiro suficiente para pagar à Google a criação de uma rede social com o nome Minilua, visando a popularização do blog e, com isso, seu ressurgimento como um dos sites mais visitados do Brasil; por isso, uma crise formou-se quando os floodadores conseguiram invadir o sistema do site e derrubá-lo inúmeras vezes, diminuindo ainda mais o número de visitas.

 O programa Megacubo perdeu sua fama: com a retirada de Edenilson Lisboa do Minilua, ele perdeu o direito de contribuir no desenvolvimento do programa Megacubo, o que fez com que inúmeros usuários que, outrora participaram da guerra, conseguissem criar suas próprias versões do programa e lotassem sites de download, como, por exemplo, o Baixaki, com elas, o que diminuiu o número de downloads do Megacubo.

O moderador Diego Martins, perdendo grande parte de sua influência no blog com a retirada da área “Assustadora”, jurou vingar-se de Fernanda Martins, formando uma aliança com inúmeros usuários conservadores, o que ocasionou na ascensão do blog Martinismo, que ganhou fama em todos os sites brasileiros por possuir mais de duzentos administradores e um exército de hackers gigantesco, que estava se preparando não só para tomar o controle do Minilua, como também de quase todos os blogs brasileiros.

O número crescente de visitas do blog Martinismo fez com que mais blogs, criados por usuários conservadores do Minilua, surgissem, apoiando a ideia de Diego de subjugar a rede de conteúdo Blogger.

Os blogs criados para substituírem o Minilua e transformar o site em uma rede de conteúdo (sendo esta o objetivo original do Tratado Estrella), haviam se tornado concorrentes e foram, praticamente, “devorando” outros sites, apenas para se tornarem donos do que antes representava 30% da internet brasileira.

Por causa destes fatores, a internet começou a se transformar no palco de guerra entre o blog Martinismo e seus concorrentes. A internet era originalmente focada em sites famosos como o Google e o Minilua, mas com a queda do blog criado por Edenilson Lisboa e com inúmeros protestos causados por antigos usuários do Minilua, como resposta ao Google por este se recusar a criar uma rede social baseada no site, a internet descentralizou-se e com isso começaram as brigas que decidiriam quem passaria a ser o site mais acessado do mundo.

Como muitos dos blogs, criados por antigos soldados da Primeira Guerra Civil Minilunática, eram hackers, 70% dos sites mais acessados do mundo começaram a ficar fora do ar, até que a própria Google cedeu e formou-se o caos total no mundo virtual.

No Período entre Guerras Miniluenses, o caos formado no mundo virtual apenas se tratava de brigas entre blogs. A guerra só começou oficialmente quando o blog Martinismo, após ter dominado os blogs Bobagento, Kibe Loco e Corvo Assassino; invadiu e derrubou o site YouToba. Como resposta, os blogs WagnerXD (criado por Wagner Cezário), Jefft (criado por Jeff Dantas, antigo moderador do Minilua), e Twibook (criado por Ernandes, Conde de Melo) se uniram na Aliança de Melo e atacaram o blog Martinismo e seus alidados, que faziam parte dos Blogs do Eixo.

Algo que ninguém esperava era que, com a assinatura do Tratado Martinismo-Fernandista, os blogs Martinismo e Fernandista (criado por Fernanda Martins, outra antiga moderadora do Minilua), unisse os dois mais poderosos blogs da época. 

O Fernandista fornecia cursos online que ensinavam pessoas a hackearem, direcionando os “recém-formados” nos cursos para participarem do exército de Diego Martins, em troca de um bom pagamento. Como resposta às campanhas defendendo o Martinismo, presentes em diversos jogos colocados no site Click Jogos, que fora dominado pelos exércitos de Diego, Ernandes causou o Dia T (o dia em que o Twitter ficou fora de ar e, sempre que alguém tentava entrar na rede social, aparecia uma mensagem dizendo “Os miniluenses querem você!”).

Quando os blogs Gerun (de Gerusa Luiz) e Raqynnides (de Raquel Lisboa), se uniram à Aliança de Melo para impedir uma revolução que começara no blog Will Tirando, mas que estava rapidamente se espalhando (tal revolução começara quando os exércitos de Fernanda Martins iniciaram uma revolta para trazer mais aliados ao Martinismo), Edenilson Lisboa interveio na guerra criando um buscador com o nome “Miniguerra”. Tal buscador na verdade infectava os computadores de todos os que o acessassem com inúmeros vírus.

Embora o objetivo do buscador fosse acabar com a guerra rapidamente (tal buscador tinha anúncios em muitos sites, o que aumentaria a probabilidade alguém dos Blogs do Eixo ou da Aliança Melo acessarem-no), sendo que o caos na internet já virara notícia até no Globo News (que tivera seu site derrubado, apenas para ser colocado no lugar uma mensagem dizendo “Este site agora pertence ao Martinismo”), isso apenas inspirou as alianças a construírem armas parecidas.

Conforme os sites iam sendo derrubados pela Segunda Guerra Civil Minilunática (também chamada de a Guerra dos Blogs), a ACTA, e os renascidos SOPA e PIPA, ganharam poder, com o objetivo de acabar de uma vez por todas com a guerra que estava destruindo a internet como a conhecemos. Devido à corrida armamentista entre as alianças, os soldados de todos os blogs envolvidos aumentaram consideravelmente o número de vírus e a quantidade de sites infestados por estes, danificando a maioria dos computadores das pessoas que tentavam entrar no conflito.

Conforme Diego Martins e os Blogs do Eixo iam ganhando a guerra, ele mudou seus planos e atacou o blog Fernandista. Embora esperasse que, com a derrota de Fernanda Martins, conseguiria tomar o controle ainda mais da rede de conteúdo Blogger, ele perdeu a Operação Nandarm e acabou tendo de recuar.

Fernanda, imediatamente, freou o avanço de seus exércitos sobre blogs neutros (sendo que tais avaços em sites neutros foram chamados de Revoltas Fernandistas, em que os exércitos de Fernanda ameaçavam inúmeros blogueiros de que, se não se aliassem ao Martinismo, teriam seus blogs derrubados) e sobre os blogs pertencentes à Aliança de Melo, vontando-os contra os Blogs do Eixo. Diego começou a perder a guerra quando a maior parte de seus aliados tiveram seus sites hackeados.

Adriano Saádeh, que até então estava neutro na guerra, tentando reconstituir o Minilua, teve de se envolver no conflito quando um dos blogs pertencentes aos Blogs do Eixo, com o nome de Fa343 (criado por Fabrício Almeida), invadiu sua conta no Twitter e a derrubou, pela simples razão de ele estar tentando ressuscitar o antigo projeto que visava a criação de uma rede social baseada no Minilua, o que iria contra os conceitos do Martinismo.

A Aliança de Melo ofereceu um lugar à Adriano, conseguindo ainda mais apoio através do recrutamente de seus seguidores no Twitter e de seus amigos no Facebook. Para encobrir a dívida anterior que os moderadores do Minilua tinham com ele, gerada no fim da Primeira Guerra Civil Minilunática, Ernandes prometeu a criação de um serviço exclusivo de criação de blogs, chamado de “Rede Minilua”, no site do Yahoo, que tinha como objetivo pôr em prática o plano original do Tratado Estrella, há muito esquecido.

Com o surgimento de tal serviço e com mais blogs ao lado deles (criados por usuários do Yahoo, recrutados por Adriano), a Aliança de Melo começou a vencer a guerra contra os Blogs do Eixo. Por fim, Fernanda Martins ganhou a guerra contra Diego no momento em que conseguiu derrubar o blog Martinismo e todos os seus aliados.

A Aliança de Melo venceu Fabrício Almeida testando um novo tipo de arma que desativou o seu computador e de todos os outros blogs que restavam dos Blogs do Eixo. A Segunda Guerra Civil Minilunática terminou com 70% dos blogs do Brasil completamente destruídos. O buscador da Google teve de ser reformado para que não pudesse ser hackeado como foi antes.

A Aliança de Melo e os donos dos blogs que a formavam passaram a ter uma nova dívida com Adriano, que foi paga tornando ele o líder do Projeto de Desenvolvimento da Rede Minilua (o mais novo serviço de blogs do Yahoo). O Minilua reergueu-se com a ajuda de Edenilson, que transformou o site em um programa.

Fernanda Martins deixou a Equipe Minilua para se tornar dona do segundo blog mais acessado do Brasil: Fernandista. Assim como Edenilson tornou o Minilua um programa para computadores pessoais, sendo administrado pelos antigos moderadores do Minilua. Fernanda transformou o Fernandista em um programa também.

Ambos, quando iniciados, mostravam janelas que permitiam acesso aos sites, sem precisar de um navegador. Rapidamente, o Minilua e o Fernandista se tornaram os dois programas mais baixados, criando uma concorrência que decidiria quem, dos dois, se tornaria o programa com maior número de downloads da história.