Minilua

As mortes mais inusitadas que você já viu #2

A morte deve ser encarada como um fenômeno natural que acontece a todos. No entanto, algumas pessoas morrem de maneira completamente inusitada, não havendo nenhuma explicação plausível para o tal.

 

Confira:

Esmagamento duplo

Uma chinesa que tinha conseguido a carteira de motorista havia apenas 5 semanas, matou seu marido, e depois acabou se matando após prensar sua cabeça contra a parede.

Ela tentava estacionar o carro, e seu esposo a estava orientando atrás, ao lado de fora do carro.

Mas em vez de acelerar o carro vagarosamente, ela acabou pisando fundo com a ré engatada, pressionando o marido contra a parede. Ouvindo os gritos de seu companheiro, a mulher colocou a cabeça fora da janela e tentou mover o carro. Mas, no desespero, a chinesa se esqueceu de trocar a marcha. Ainda de ré, ela acelerou novamente, acertando mais uma vez o marido e esmagando a própria cabeça na coluna de concreto da garagem.

 

Até que a morte os separe

As aventuras sexuais de um casal chinês acabaram de maneira trágica, em 28 de junho de 2013, segundo o The Sun.

De acordo com testemunhas, pouco antes de ser encontrado sem vida, o casal fazia sexo contra a janela de um apartamento, que não resistiu às investidas e se quebrou. Quem viu a cena garantiu que os dois percorreram nus e abraçados o rápido percurso que os separava da morte. O acidente ocorreu na cidade de Wuhan.

 

Tragédia na Tailândia

Em 1991, na fazenda da Tailandesa Yooket Paen, na época com 57 anos. Certa vez, Paen caminhava pela propriedade quando acidentalmente, escorregou em estrume de vaca. Desequilibrada, segurou-se em um cabo para não cair. O problema é que aquele não era um cabo qualquer, tratava-se de um fio desencapado, carregado de eletricidade. Pior ainda, era o que estava por vir. Alguns dias depois do funeral Yooket Pan, a irmã de Paen foi mostrar como aconteceu o acidente e morreu exatamente da mesma maneira.

 

Morto em rede nacional

Entrevistado no Talk Show de Dick Cavett em 1971, na rede de TV ABC, Jerome Iving Rodale defendia a sua posição de pai do movimento pela alimentação orgânica e propagandeava seus livros. A determinada altura disse: “Vou viver até os 100 anos, a menos que um motorista de táxi embriagado me atropele”. Na sequência ele “dormiu” na poltrona. O apresentador brincou: ” estamos entediando o Senhor?” Com 72 anos, Jerome acabara de morrer de ataque cardíaco.

 

 

A vida por um fio

No século 16, ninguém tinha a barba mais longa que Hans Steininger. Orgulhoso, ele via descer de seu queixo fios de 1,5m. Num dia de 1567, houve um incêndio em Braunau, a cidade do barbudo. Na pressa, ele esqueceu de recolher seu cipoal de pelos. Correu feito louco mais acabou enroscando-se na própria barba. Perdeu o equilíbrio, caiu e quebrou o pescoço.

 

 

Estilo até na hora da morte

Ícone da dança, a norte-americana Isadora Ducan se fazia notar pelos passos criativos e pela vaidade. Na noite de 14 de setembro de 1927, quando ela tinha 50 anos, foi dar uma volta no conversível de seu novo pretê, o mecânico italiano Bernoit Falchetto. Não percebeu que sua encharpe ficara presa na roda. Morreu estrangulada pela peça.

 

 

Evidência difícil de contestar

O advogado americano Clemente Vallandigham defendia Thomas McGhan, acusado de ter matado um tal de Tom Myers a tiros. Para provar a inocência de seu cliente, ele reproduziu a posição em que o cadáver foi encontrado e mostrou que, ao tirar a pistola do coldre, Myers teria se matado. O advogado fez a encenação com uma arma que (ele não sabia) estava carregada. Morreu no tribunal. McGhan foi absolvido.