Minilua

Mulheres que venderam sua virgindade: Alina Percea #6

Em tempos onde os costumes e tradições parecem não mais valer à pena, a venda da virgindade passou a ser um grande negócio, visto que além de receber altos valores por sua primeira vez, as mulheres que se sujeitam a isso acabam conquistando fama, aparecendo em revistas, posando nua, dando entrevistas, entre outros.

Continuando a nossa série, vamos conhecer a história de Alina Percea, uma jovem romena que em 2009 decidiu que venderia a sua virgindade. Com 19 anos na época, a moça sonhava em fazer uma faculdade de informática, no entanto suas condições financeiras não permitiam.

“Sem escolhas”, Alina resolveu leiloar a sua virgindade na internet e acabou encontrando diversos interessados. Entre todos os lances, o que mais lhe agradou foi o de um italiano que ofereceu 10 mil euros, algo em torno de 32 mil reais.

O empresário de 45 anos arcou com todos os exames para comprovar a pureza de Alina, além de também ter pago a sua passagem de ida e volta para Veneza.

Diferente de muitas garotas que descrevem suas experiências como traumáticas e horríveis, Alina Percea gostou bastante dos momentos em que passou ao lado do seu “primeiro homem”. Em entrevista a um jornal italiano, a moça deu a seguinte declaração: “Ele me fez muitos elogios durante o dia que passamos juntos, além de ser muito divertido e charmoso. Nós nos demos muito bem e fiquei feliz que ele tenha ganhado”.

Alina afirmou que ela e o seu italiano trocaram contatos e prometeram se encontrar em outras oportunidades. Desde a época dessa entrevista, nunca mais se ouviu falar na romena que vendeu a sua virgindade por 8,8 mil libras (cerca de R$ 28 mil). Não se sabe se ela fez a tão sonhada faculdade ou se acabou tendo um relacionamento com o homem.

Atualização: As autoridades fiscais da Alemanha pretendem reivindicar cerca de 50% do dinheiro que a romena, que estuda e reside na Alemanha, recebeu após leiloar sua virgindade em um site na internet, segundo reportagem do jornal inglês “Daily Mail”. Segundo o fisco, que está analisando o caso, a prática “equivale à prostituição”. “A prostituição não é ilegal na Alemanha, mas não pagar impostos sobre os ganhos é”, disse um fiscal.

De acordo com o funcionário do fisco citado pelo “Daily Mail”, teria sido melhor se ela tivesse mantido segredo sobre a transação. Além disso, como ganhou uma quantia elevada em tão pouco tempo, Alina terá que pagar 19% sobre o valor.

Conforme o periódico, após o pagamento dos impostos, ela pode terminar com pouco mais de 3 mil libras (R$ 9,5 mil).

Gostou desse artigo? Deixe o seu comentário!