Nova tecnologia permite descobrir quem cometerá um crime no futuro

Acredita-se que chegamos a esse mundo como seres inocentes, no entanto em algum ponto um lindo bebê acaba se tornando uma mente criminosa e, com a ajuda da inteligência artificial, a ciência busca evitar que isso aconteça.

Um cientista americano acredita que ele pode detectar quais bebês são suscetíveis a serem criminosos no futuro usando estatísticas e inteligência artificial. Veja essa controversa pesquisa abaixo.




Lindos bebês ou potenciais criminosos?

Condenado antes de ser capaz de levantar a cabeça, um pesquisador americano acredita que o uso de inteligência artificial com algoritmos e dados estatísticos torna possível saber qual bebê será um provável criminoso ou delinquente no futuro.

Richard Berk está trabalhando em um algoritmo usando bancos de dados com informações sobre pessoas de vários países para determinar o grau de perigo que a sociedade terá para a criança de certas pessoas.

Berk está usando a enorme quantidade de informações que a Noruega compila dos seus cidadãos e considerando, assim, a história de seus pais, avós e até mesmo o bairro onde eles vivem, para saber qual a probabilidade que um recém-nascido terá de cometer um crime no futuro.

Este trabalho, bastante controverso, busca treinar máquinas através de inteligência artificial para pesar informações diferentes e dar uma previsão tão precisa quanto possível sobre o futuro negativo daqueles recém-chegados ao mundo.




inteligência artificial, a nova arma da criminologia

A ciência estaria perto de prever quem vai cometer um crime e quando. Embora seja cruel atribuir um rótulo de criminoso a um recém-nascido, as novas tecnologias seriam úteis para proteger a população.

Richard Berk, que agora trabalha na criação de programas de inteligência artificial para saber quem poderia ser um potencial criminoso antes de conseguir falar, já desenvolveu outros algoritmos mais úteis.

Alguns anos atrás, Berk, que é um especialista em estatísticas e criminologia, gerou um algoritmo que poderia prever com exatidão quais prisioneiros que quando fossem libertados retornariam a cometer crimes e quanto tempo eles levariam, mesmo para aqueles que estavam em liberdade sob fiança enquanto aguardava julgamento.

O que você acha dessa suposta nova tecnologia? Acha que ela será útil para nos proteger no futuro ou vai servir apenas para nos descriminar? Comente!

  1. Raphael Gomes

    28 de setembro de 2016 em 12:18

    Prefiro chamar de pré-conceito
    ou PRECONCEITO

  2. Líllian Alexia

    27 de setembro de 2016 em 22:09

    Psycho Pass? º-º

    • Pessimista

      28 de setembro de 2016 em 21:17

      meu pass deve estar sujinho

    • Samuel Linhares

      28 de setembro de 2016 em 00:15

      Eu pensei a mesma coisa 😀

  3. Bruno Prado Camilo

    27 de setembro de 2016 em 18:49

    A “previsão” dele acabou na palavra “algoritmo”. Eu, que não sou pesquisador nem nada, acredito que existe um universo dentro da cabeça das pessoas e outro fora. O “universo de fora” cabe a previsão de algoritmos, as leis da física, estatísticas, probabilidade e afins. Mas no “universo dentro da cabeça”, tudo pode acontecer, chega a ser ridículo tentar “prever” simplesmente com estatística. Acho até que por isso as ciências relacionadas a esta área são Humanas e algumas Biológicas, ao invés de Exatas.

  4. Matheus Ferreira

    27 de setembro de 2016 em 17:45

    isso tá parecendo um anime chamado psycho pass, onde eles sabiam quem ia cometer crimes.

  5. Vagner Dos Santos Moreira

    27 de setembro de 2016 em 16:59

    Absurdo, rotular crianças como possíveis criminosos. Não tem como prever isso.

  6. Rafael Santa Rita Costa

    27 de setembro de 2016 em 16:51

    Parece um crossover mal feito de “Minority Report” e “Um Tira no Jardim de Infância”

8 Comentários
mais Posts
Topo