O que é o princípio da incerteza?

Existem alguns incríveis preceitos na natureza que simplesmente ditam como algumas coisas acontecem sem que possamos interferir, modificar ou burlar a maneira como certos corpos se comportam. Justamente por conta de um exemplo deste tipo, que o físico alemão Werner Heisenberg formulou o princípio da incerteza, que é um enunciado da mecânica quântica que impõem restrições à precisão com que se podem efetuar medidas simultâneas de partículas observáveis em nível subatômico.




Medindo o mundo visível

medición-puntual

Para realizarmos uma medição, precisamos de alguma forma interagir com que aquilo que formos medir. Para efetuar a medida do tamanho de uma mesa, por exemplo, é preciso compara-la com uma fita métrica, por exemplo. Ou, simplesmente, para descobrirmos a posição desta mesa, é preciso enxerga-la, e para isso precisamos ilumina-la para que a luz refletida nesta mesa chegue aos nossos olhos. Isso, por si só, já é uma interação e uma interferência Física.

Mas, por mais preciso que seja o nosso aparelho de medição, sempre haverá uma diferença entre a medida avaliada e a medida real do objeto. Essa diferença entre o valor que medimos e o valor real é chamada de incerteza.




Momento ou Quantidade de Movimento

fundos-de-ecra-de-bilhar

Quando observarmos uma partida de bilhar, vemos que uma bolinha transfere seu movimento totalmente ou parcialmente para outra. Na Mecânica Clássica, quando medimos a transferência deste movimento de uma bolinha para a outra, dizemos que estamos medindo o momento ou quantidade de movimento, que nada mais é que o produto da massa da bolinha, pela velocidade com que ela estava no momento da batida.

Antes do princípio da incerteza, acreditava-se que se soubermos a posição inicial e o momento (massa e velocidade) do corpo, seríamos capazes de prever como ele se comportará. Imagine um jogo de bilhar. Se conhecermos a massa, a velocidade e a posição inicial da bola, podemos calcular o que vai acontecer no ­jogo.

Para a Mecânica Clássica, isto é uma ideia correta, mas precisamos saber estes valores com a precisão necessária.




Princípio da Incerteza

65242_580184075326351_1262523600_n

Porém, quando começamos a lidar com corpos no nível subatômico, determinar valores como posição e momento torna-se bastante complicado.

Para saber a posição de um elétron, por exemplo, poderíamos lançar um feixe de luz com alguns fótons, receber de volta, e calcular onde o elétron estava.

Porém, quando tentamos determinar a quantidade de movimento (massa e velocidade) deste mesmo elétron por este mesmo feixe de luz, a quantidade de fótons lançados altera totalmente a quantidade de movimento original. E ficamos sem saber exatamente o momento do elétron naquela posição. O contrário também é verdadeiro, podemos criar um cuidadoso experimento para tentar calcular a quantidade de movimento do elétron. Mas a velocidade da partícula necessária para esse cálculo muda a posição do elétron de modo que não conseguimos descobrir a posição com uma boa precisão. Ou seja, o princípio da incerteza nos diz que, quanto maior a precisão com que medimos a posição da partícula menor a precisão com que mediremos o momento e vice-versa.

Essa incerteza não se deve a nossa tecnologia atual e aos aparelhos e métodos que usamos, mas a própria natureza das partículas. Neste caso, não é possível prever com exatidão o comportamento de partículas subatômicas.

  1. RICARDO CAPIBERIBE

    3 de janeiro de 2016 em 14:20

    É uma interpretação que surgiu da dificuldade de medir a posição e a quantidade de movimento que atravessavam as famosas câmeras de bolhas. Existe uma versão proposta por De Broglie e David Bohm que introduzem variáveis ocultas e um potencial quântico e abrem mão do Princípio da Incerteza.

  2. Blue

    2 de janeiro de 2016 em 19:50

    Mesmo não sendo fã de física (e da matemática em geral), eu achei interessante, ainda não temos a tecnologia necessária para estudar partículas com precisão, mas quem sabe no futuro.
    Em outras palavras o texto diz que não se pode medir com precisão o movimento de um elétron porque simplesmente “olhar” para ele já altera esse valor.

  3. Adriano Hidden®

    1 de janeiro de 2016 em 23:13

    é difícil fazer um público que gosta de matérias sobre pérolas de whatsapp e belos motivos pra gostar de ”acinturadas” entender um post interessante desses…

  4. André Silva

    1 de janeiro de 2016 em 02:43

  5. Vegeta Ribeiro

    1 de janeiro de 2016 em 00:45

    Não tenho certeza se entendi a matéria desse post…

  6. Caio Miguel

    1 de janeiro de 2016 em 00:41

    2016 mesmo?? Kkk

  7. Rex Varga emilio

    31 de dezembro de 2015 em 21:54

    Incerteza mesmo é os comentários bugados do Minilua, pra mim fica aparecendo pra comentar, só que aparece como se eu fosse outra pessoa (fica parecendo pra comentar na conta de outra pessoa). Estou incerto sobre minha própria conta, e sobre minha própria existência….
    PS: Quem aqui é Anderson Antony????

  8. Rodrigo Duarte

    31 de dezembro de 2015 em 16:14

    Cara, eu tava cheio das certezas dos objetivos pra 2016, daí entrei nessa matéria, meu cérebro bugou e eu fiquei cheio de incertezas.

8 Comentários
mais Posts
Topo