Minilua

Os oceanos mais incríveis do Universo

O planeta Terra tem dois terços de sua superfície coberta por água. Embaixo desta bela cobertura azul, existe um outro universo, cheio de criaturas e mistérios que estão longe de serem entendidos pela humanidade. Mas em outros planetas, longe do nosso, também existem oceanos, ainda mais incríveis e misteriosos do que temos aqui:

Oceano de lava

Io (isso mesmo, letra “i” e letra “o”) é um dos corpos mais estranhos e incríveis do Sistema Solar. Essa lua, que orbita Júpiter, é uma bagunça total, pois sua órbita faz com que abaixo da superfície exista um enorme oceano de lava. Isso faz com que esse pequeno corpo celeste seja o mais vulcanicamente ativo de todo o Sistema Solar.

Como reside a apenas 422 mil quilômetros da superfície de Júpiter, essa lua é como se fosse um enorme gerador de energia elétrica, devido ao constante contato com o poderoso campo magnético do planeta gigante. Isso gera uma corrente de 3 milhões de amperes, o que aquece a lua em milhares de graus. Para piorar, Io se localiza entre as duas luas galileanas. O contato com esses corpos gera fortes correntes gravitacionais, que são capazes de distorcer a superfície do planeta em mais de 100 metros. Esse movimento gera um atrito enorme e contribui ainda mais para o aquecimento.

Isso faz com que a superfície de Io tenha 400 vulcões altamente ativos, jogando lava para todos os cantos diariamente. Assim, tanto abaixo da superfície, quanto acima, existem oceanos de lava fluindo como se fosse água.

Oceano de hidrogênio metálico

Júpiter é o maior planeta do Sistema Solar e o que possui as condições mais extremas. Devido a sua massa descomunal, esse gigante possui características únicas, que são impossíveis de serem reproduzidas na Terra, mesmo com as tecnologias mais avançadas que temos.

Abaixo da superfície de nuvens e gases, a uma profundidade de 50 quilômetros, existe um oceano diferente de tudo que se pode ver aqui na Terra. Cobrindo mais de 70% da superfície do gigante gasoso, há um oceano de hidrogênio líquido com mais de 54 mil quilômetros de profundidade! Para se ter uma ideia, a parte mais funda do oceano terrestre tem pouco mais de 11 quilômetros.

Para que o hidrogênio se torne líquido, a pressão necessária é enorme, mas em Júpiter a atmosfera tem uma pressão 100 mil vezes maior do que a que temos na Terra. Por isso, lá existe uma substância teórica chamada hidrogênio líquido metálico, que é uma espécie de condutor elétrico, capaz de gerar calor e eletricidade dentro do planeta gigante. Esse estado é chamado de teórico porque a humanidade nunca conseguiu reproduzir a mesma pressão que existe em Júpiter.