Qual a origem dos conhecidos ditos populares?

Certamente você já ouviu alguém verbalizando esses ditos populares para se referir a algo ou a alguma situação, porém sem saber exatamente o que significa e qual a origem do que  fala. No post de hoje, confira as expressões mais conhecidas e utilizadas até hoje:




1. "Sem eira, nem beira"

001

Muito utilizada popularmente na língua portuguesa, a expressão remonta uma curiosidade da arquitetura colonial portuguesa, é derivada do latim area, que quer dizer espaço de terra batida, lajeada ou comentada. Ser proprietário de uma eira significava ser detentor de terras, riquezas, status social e poder. A beira, era a aba das casas, ou seja uma extensão do telhado para proteção da chuva. Quem tinha somente eira, era pobre; quem possuía eira e beira, era considerado classe média: já quem tinha eira, beira e tribeira, eram os ricos. Essa expressão ficou popular devido à rima e também por fazer referência ao número cada vez maior de miseráveis pedindo esmolas aos ricos.




2. "Pagar o pato"

002

No caso, quer dizer sofrer consequências de algo ou ser enganado.

Segundo a estória italiana de Giovanni Bracciolini (1380-1459), uma mulher “compra” um pato de um camponês, o pagamento: sexo. O homem, insaciável quer mais, mas a mulher nega. O marido dela chega no meio da discussão e quer saber o motivo de tanto escândalo. Para escapar, o camponês cobra do marido 2 vinténs que faltam para completar o pagamento. Preocupado com o jantar, o corno literalmente paga o pato.




3. "Segurar vela"

0003

Quem nunca ficou sozinho, acompanhando com um casal?

Na época da Idade Média, existiu um emprego cuja função era para funcionários mais jovens segurar velas para iluminar o trabalho dos mais experientes em lugares escuros. Ou também para iluminar o quarto dos patrões “naquela hora”, porém o empregado deveria ficar de costas para não ver o que se passava.




4. "Pão-duro"

005

Deriva de uma peça teatral de Amaral Gurgel, que relata a história de um mendigo que viveu no Rio de Janeiro no século XX, que esmolava pelas ruas, pedindo qualquer coisa, até mesmo um pedaço de pão duro. Quando o miserável veio a falecer, descobriram que era dono de imóveis, acumulava um imenso patrimônio e possuía muita riqueza.




5. "Onde Judas perdeu as botas"

006

Existem duas versões.

Numa delas, Judas, o Errante, era um sapateiro que deixou seu trabalho de lado para empurrar Jesus Cristo enquanto levava a cruz, por tal pecado teve que vagar pelo mundo afora. Na outra versão, Judas, o apóstolo foi condenado a vagar para sempre por ter traído Jesus.




6. "Quintos dos Infernos"

007

Na época do Brasil colonial, o quinto era um imposto português que correspondia a 20% do ouro extraído. Quando os navios chegavam em Portugal, os portugueses exclamavam: “Lá vem a nau dos quintos dos infernos”.




7. "Pé-rapado"

0010

Essa é uma expressão um tanto quanto preconceituosa, que significa não ter dinheiro algum. No Brasil Colônia, os mais afortunados andavam a cavalo ou em carruagens, quem era pobre sequer tinha um sapato, e como o chão não era calçado, o barro da terra grudava em seus pés, então, antes de entrar nas casas dos seus senhores precisaria tirar o grosso da sujeira raspando o pé com uma faca.

Gostou do post? Então não esqueça de compartilhar logo abaixo!

Curta nossa página no Facebook: https://www.facebook.com/Minilua

E se inscreva em nosso canal para acompanhar nossos vídeos semanais clicando na imagem abaixo!

minilua.jpg

  1. Jeff_Silveira

    6 de janeiro de 2016 em 09:58

    O pato virou janta, mas o marido não deixou de ser chifrudo…

  2. Lynn Rock

    6 de janeiro de 2016 em 02:01

    Chorei de rir com a história do corno do pato…

    • Adriano Saadeh

      9 de janeiro de 2016 em 08:02

      Esse é meio louca mesmo, mas será que é verdade ou não passa de mitos inventados?

  3. Gabriel Frigini

    6 de janeiro de 2016 em 01:06

    segurar vela… quem nunca

    • Eduardo Azrael

      6 de janeiro de 2016 em 14:41

      Meu apelido na adolescência era candelabro…

    • André Silva

      6 de janeiro de 2016 em 01:12

      Não tem nada pior que ficar num lugar solitário com um casal bem do teu lado se pegando como se não houvesse amanhã 🙁

  4. Rogérioo

    5 de janeiro de 2016 em 19:06

    EXPLICAÇÃO Nº 1
    ” Ser proprietário de uma eira significava ser detentor de terras, riquezas, status social e poder.”
    “Quem tinha eira, era pobre; ”
    ESSA EXPLICAÇÃO FICOU SEM EIRA, NEM BEIRA.

7 Comentários
mais Posts
Topo