Mais um passo para a evolução humana, será?

Desde que a estrutura do DNA foi descoberta, em 1953, a compreensão humana sobre o tema está em constante evolução, e a aplicação deste conhecimento tem representado um dos maiores empreendimentos da história da humanidade.

hiv-genetica-20130124123347

Porém, a modificação do DNA humano é um assunto controverso. Com o objetivo de alcançar um consenso global sobre a ética da edição de DNA humano, uma conferência de três dias de duração ocorreu, em Washington, EUA, e terminou dia 03/12, para discutir este assunto.

Organizado pela Academia Nacional de Ciências dos EUA, a Academia Nacional de Medicina dos Estados Unidos, a Academia Chinesa de Ciências, e a UK Royal Society, do Reino Unido, com representantes de pelo menos 20 nações diferentes, todos os participantes transmitiram seus pensamentos sobre a aplicação, benefícios e perigos sobre a modificação genética em seres humanos.

A ciência da genética revolucionou a compreensão de vários campos da ciência e seu poder de modificação genética é evidente. Culturas resistentes a condições climáticas extremas foram criadas e doenças podem ser prevenidas em animais com a alteração do DNA.

fe5450b8562fff5307c3c63b20734c45

Embora editar sequências genéticas tenha muito tempo e esforço dedicados, o surgimento da CRISPR (Cas9), um RNA guiado a um DNA de uma enzima endonucleásica, causou uma enorme reviravolta na comunidade científica. Publicada em 2012, esta técnica permite a rápida alteração do DNA de quase qualquer organismo, incluindo um ser humano. Em essência, ele usa enzimas bacterianas para cortar genomas em pontos muito precisos, e o material genético de substituição pode então ser inserido no genoma. O processo é barato, rápido, fácil de usar, e é frequente em inúmeros laboratórios.

Várias doenças e tipos de cânceres poderiam, teoricamente, ser editados fora do DNA humano usando este método. Além disso, o DNA poderia ser aprimorado, tornando as pessoas imunes a infecções incuráveis e mortais, incluindo o HIV. Logo nas primeiras experiências com embriões humanos, na China, o DNA foi alterado para corrigir vários genes defeituosos que transportavam doença. Mas a rápida proliferação desta técnica causou um debate ético sobre a edição do genoma humano.




Ninguém sabe o que mais pode acontecer

Embora a técnica de edição CRISPR (Cas9) seja notavelmente precisa, não há 100% de certeza dos efeitos causados pela alteração do DNA de um embrião humano.  As consequências poderiam ser catastróficas, pois o gene editado poderia ser transmitido às gerações futuras. Há também a chance dessa técnica, como qualquer método científico, ser usado para outros fins.

Em 1975, uma outra conferência sobre genética aconteceu, quando se tornou claro que duas espécies diferentes poderiam ter seu DNA emendados uma a outra. Na época, um experimento para emendar o DNA de um vírus de macaco causador de câncer em uma bactéria que pode infectar os seres humanos estava em andamento. Porém, rapidamente as autoridades resolveram cancelar o experimento para evitar problemas futuros. Em muitos países ao redor do mundo é ilegal modificar geneticamente um embrião humano. A conferência atual pretende debater os limites e a ética e, possivelmente, permitir que este processo aconteça, em determinadas circunstâncias.

macaco

Durante os debates, nenhuma grande conclusão foi tomada, mas abriu as portas para mais colocações sobre este importante tema.

Fonte: JornalCiência

E você, o que pensa disso tudo? Construa uma opinião e deixe comentário! E não se esqueça de curtir nossa página no Facebook e nos seguir no Twitter!

  1. Deidara ????

    12 de dezembro de 2015 em 13:22

    Bla, bla, bla besteira, bla, bla, bla sensacionalismo, bla, bla, bla sem relevância, bla, bla, bla minilua.

  2. Marcel Saviolo

    11 de dezembro de 2015 em 16:13

    Eu fui criado em laboratório… tenho 3 pernas e nenhuma cérebro.

    • Luciano Saádeh

      12 de dezembro de 2015 em 12:14

      Nota-se POSPOAKSPOKAPS

  3. Lynn Rock

    10 de dezembro de 2015 em 10:48

    não dá pra prever se no final iria dar alguma dor de cabeça. e se espalhar uma nova doença? ou algo do tipo…

  4. Transã1 da America

    10 de dezembro de 2015 em 10:09

    Vamos evoluir para zumbis mongoloides

  5. Ulisses Harrison

    10 de dezembro de 2015 em 08:38

    Nos ja somos cobaias em vários experimentos principalmente sociais, em laboratórios com certeza tambem ja somos.

  6. chapolim do mal

    10 de dezembro de 2015 em 00:49

    Se não causar nenhum mal e não espalhar nenhuma doença mortal, não vejo problema para a manipulação genética.

    • Mike Carvalho

      12 de dezembro de 2015 em 03:08

      Sim… mas pode dar merda, isso q é foda.

  7. David de Souza

    9 de dezembro de 2015 em 20:58

    Resident Evil.

  8. Mutley

    9 de dezembro de 2015 em 20:18

    Ética ? , a ciência busca entender a natureza como um todo , inclusive a humana , acho inocente atribuir valores morais a uma ferramenta que transcende essas barreiras , ao meu entender o ser humano não evoluíra sem sujar as mãos , hoje os ratos são as cobaias em experiências laboratoriais , amanhã somos nós .

    • André Silva

      9 de dezembro de 2015 em 23:38

      Já existem cobaias humanas, os caras ganham uma boa grana pra testar medicamentos.

11 Comentários
Topo