Pessoas que enganaram a morte #2

Quando a morte nos deseja, não há muito o que podemos fazer, mas algumas pessoas já estiveram frente a frente com seu destino final e mesmo assim sobreviveram para contar a sua incrível história.




Aron Ralston

a-ralston

Era 26 de abril de 2003 e Aron estava fazendo uma pequena caminhada no Blue Canyon, no estado de Utah. Tudo ia bem até que uma pedra solta derrubou o aventureiro, mas aquele pequeno desequilíbrio foi o bastante para causar uma tragedia sem precedentes. Durante a queda, o azar falou mais alto e Aron teve seu braço esmagado por uma pedra de 800 quilos que caiu junto com ele.

Sem conseguir se mover, pois estava preso pelo braço, Aron entrou em desespero. Quando saiu para seu pequeno passeio, ele não avisou ninguém e nem estava com seu celular. Seu carro estava a oito quilômetros do local do acidente.

Sem muita esperança, Aron foi sobrevivendo aos dias tomando toda a água que tinha e comendo o que havia trazido para ser seu lanche durante a caminhada. Ao final do terceiro dia, ele já havia decidido que ia cortar seu braço fora para tentar sair dali, contudo seu único instrumento era um canivete.

Sem outra saída, ele começou a cortar a pele, porém, somente quando chegou ao osso, seu real problema apareceu: A faca era incapaz de cortar o osso. Aquela noite ele passou sabendo que ia morrer e escreveu em uma pedra seu nome, uma mensagem para a família e o motivo de sua morte. Na manhã seguinte, sem esperanças de sobreviver, Aron resolveu tentar o impossível: Quebrar seu próprio braço.

Braço de Aron após as primeiras tentativas de amputação

01real




02real

Com um movimento brusco do corpo, ele conseguiu destruir o osso que o prendia a pedra. Depois disso, bastaram apenas alguns cortes e seu braço se desprendeu do corpo… Mas sua vida ainda não estava salva. Ele precisava ir até o carro sob o sol escaldante. Para sua sorte, no meio do caminho, ele encontrou uma família de turistas, que lhe deu comida e água. Poucos minutos depois as autoridades chegaram.

Local após o término da amputação

03real

Aron sobreviveu contra todas as expectativa. Hoje ele é casado e tem um filho e seu trabalho principal é dar palestras motivacionais, onde ele usa muito de sua história. Além disso, ele apareceu em diversos filmes (“127 Horas” foi o mais famosos) e também teve sua história contada em documentários.

  1. Prodigialis

    28 de abril de 2014 em 16:54

    Imagem 2 – BUT FIRST , LET ME TAKE A SELFIE !

  2. Death

    28 de abril de 2014 em 13:48

    TODOS MORREM NO FINAL

    • Kairos

      28 de abril de 2014 em 13:51

      SPOILER FILHA DA PUTA

      • Death

        29 de abril de 2014 em 15:01

        FOI MAL CARA

  3. larissa

    28 de abril de 2014 em 10:00

    Me deu uma agonia assistindo esse filme :'(

    • Wellington Bianchi

      29 de abril de 2014 em 23:01

      Me dá sede só de lembrar…

      • larissa

        30 de abril de 2014 em 08:12

        isso também. kkkk

  4. Jeff Dantas

    28 de abril de 2014 em 00:37

    Nossa, que tenso!! Eu teria desistido há muito tempo! Não por não ter vontade, mas pela situação em si… 🙂

  5. TRETAS

    27 de abril de 2014 em 23:12

    Se fodeu, se for destro vai ficar sem punheta

  6. Luís Felipe

    27 de abril de 2014 em 23:01

    Se fosse comigo a história teria um final totalmente diferente, eu sairia ileso. Até pq n escalaria montanhas sozinho. Nem acompanhado.

  7. ultramen Tiga

    27 de abril de 2014 em 22:43

    esse cara queria mesmo viver o.o

  8. Tony Silva

    27 de abril de 2014 em 22:36

    segunda e terceira, que fotos sao essas se os policiais so chegaram no local quando ele ja estava sem braço O_o

    • Diego Martins

      27 de abril de 2014 em 22:58

      Ele tinha uma câmera com ele durante o acidente e tirou as fotos.

    • Marvelunatico

      27 de abril de 2014 em 22:47

      Pelo jeito ele mesmo tirou.
      Selfie até nessas horas!

      • Night Angel

        28 de abril de 2014 em 17:27

        Bombeiro = Viemos te salvar.
        Cara = Espera! Facebook Primeiro

        • Marvelunatico

          28 de abril de 2014 em 20:47

          “Ooo by my ‘selfie’…”

  9. Marvelunatico

    27 de abril de 2014 em 22:19

    Cara, que agonia…. o.O

    • João Pedro Costa Mello

      28 de abril de 2014 em 20:39

      Se a gente sentiu agonia , imagina a dor do cara O_o !

  10. André Silva

    27 de abril de 2014 em 22:17

    A primeira coisa que a maioria pensa é q nao teria a mesma coragem, mas acho q a maioria faria o mesmo, na hora da sobrevivencia vale tudo, quebramos membros, praticamos canibalismo pra nao morrer de fome, e somos capazes ate mesmo de comer nossa propria carne pra nao morrer de fome. Nos nem imaginamos o quanto somos guerreiros!

  11. Yara Vitoria

    27 de abril de 2014 em 21:58

    fizeram um filme sobre esse cara

    • Prodigialis

      29 de abril de 2014 em 14:35

      Sério?!? Ninguém sabia,muito informada,parabéns!

  12. João Pedro Costa Mello

    27 de abril de 2014 em 20:40

    Sabe quem engana a morte ? O Kenny 🙂

  13. Ricardo

    27 de abril de 2014 em 20:25

    nossa!!! o cara tem vontade de viver mesmo, são poucos que teriam a coragem de cortar o seu próprio braço, imagina a dor que ele deveria estar sentindo… é muito agonizante… Aron Ralston você ganhou o meu respeito

  14. Forasteira

    27 de abril de 2014 em 20:22

    Não vou dizer que ele deu sorte, pois não acredito nela, mas posso dizer o quão incrível é o corpo humano e suas reações, lutando para sobreviver. Me lembrei de um autômato, e com o autômato lembrei-me do livro “A Invenção de Hugo Cabret” e como cada peça, por menor que seja, é necessária para que o conjunto de uma simples ação seja realizado. Sempre me fascinei mais pelo Universo do que pelo corpo humano (culpa das aulas de Ciências, que ensinaram sobre o corpo humano desde a primeira série e só começa a ensinar sobre o Universo na oitava), mas preciso admitir que um é mais fascinante que o outro.
    Acho que se vocês me perguntassem quem é meu deus agora, eu diria que é o Universo.

    • Anubis

      27 de abril de 2014 em 22:04

      “Deus” é tão relativo, que até você pode ser ele.

      • Forasteira

        28 de abril de 2014 em 16:03

        “We’ve got the American Jesus,
        Bolstering national faith.
        We’ve got the American Jesus,
        Overwhelming millions every day.”

    • Bru No

      27 de abril de 2014 em 22:04

      Então você não acredita na probabilidade? Além disso, o que autômato tem a ver com o post? Acho que você está na matéria errada.

      • Forasteira

        28 de abril de 2014 em 14:19

        E acredito sim na probabilidade… Mas acho que sorte e probabilidade são coisas diferentes desde que as pessoas encaram sorte como algum tipo de milagre e a probabilidade simplesmente da lógica.

      • Forasteira

        28 de abril de 2014 em 14:15

        “Me lembrei de um autômato […]” Interpretação de texto a gente aprende na primeira série, ok?

        • Bru No

          28 de abril de 2014 em 16:18

          Não faz sentido esse papo de autômato. O corpo humano difere da máquina exatamente no que você disse: os seres vivos são adaptáveis à “falta de peças”. Um homem pode “funcionar perfeitamente” sem um membro, enquanto um parafuso solto quebra uma máquina. Não reclamei de sua formatação, mas sim da falta de sentido de sua interpretação.

  15. el chupacabra

    27 de abril de 2014 em 20:19

    [img]https://scontent-b-iad.xx.fbcdn.net/hphotos-frc1/t1.0-9/p403x403/1797386_274835236028220_2101738747770751527_n.jpg[/img]

  16. Paulo Ricardo

    27 de abril de 2014 em 20:12

    é,eu teria morrido no primeiro dia

  17. Amilton BP

    27 de abril de 2014 em 20:05

    No filme, o momento em que ele começa a cortar as ligações nervosas do braço e dá aquele som agudo, me deu realmente uma agonia!

  18. Ophelia Soares

    27 de abril de 2014 em 19:48

    Nossa, felizmente esse cara deu sorte , belo exemplo de superação humana e do que o humano é capaz de fazer pela sua vida.

    • Anubis

      27 de abril de 2014 em 21:59

      Você dizendo isso? segundo a sua crença, automutilação não é pecado?
      Reveja seus conceitos.

  19. Greg

    27 de abril de 2014 em 19:46

    Esse filme é bom mesmo

  20. 3 Hits

    27 de abril de 2014 em 19:37

    Muito bom. O filme 127 Horas é um dos melhores filmes que eu ja assisti. Atuação sensacional do James Franco (pra mim, merecia o Oscar). História sensacional, e muito bem contada por Danny Boyle, o mesmo diretor de Quem Quer ser um milionário. Foi a primeira crítica que eu fiz e mandei pro monte sua matéria. Aron Ralston é um exemplo de perseverança e vontade de viver. Se tivesse desistido, nunca teria conhecido sua mulher e dado vida a seu filho. Como é bom sempre continuar vivendo um pouco mais, pois a vida sempre pode lhe dar surpresas que valem a pena serem vividas.

    • Wellington Bianchi

      29 de abril de 2014 em 23:00

      Só de lembrar desse filme já fico com sede…

    • Adriano Saadeh

      28 de abril de 2014 em 08:16

      Um ótimo filme mesmo e mostra como a gente pode fazer coisas inimaginávies se formos levados ao limite extremo

      • 3 Hits

        28 de abril de 2014 em 13:03

        Verdade.

    • Anubis

      27 de abril de 2014 em 21:55

      É meu amigo, “é tudo lindo, tudo maravilhoso”, mas se não fosse uma historia famosa/conhecida ou com um filme, minguem nem ligaria se ele teria um filho ou não.
      Sei que é estranho eu falar isso, mas…

    • Little Uchiha™

      27 de abril de 2014 em 19:45

      Tinha que ver a minha cara quando percebi que aquela parte. Em que a enxurrada solta ele é é um soninho, fiquei triste PA Caraí.

      • 3 Hits

        27 de abril de 2014 em 19:47

        Eu tbm. Fiquei: caralho doido, ele conseguiu se salvar…. Isso foi uma das genialidades do diretor. essas cenas, o aumento e redução da luminosidade, as ilusões os flashes, o som agudo, tudo isso pra dar pro espectador a sensação do sofrimento do cara.

43 Comentários
mais Posts
Topo