O povo

Não posso deixar de concordar com tudo o que dizem do povo. É uma posição impopular, eu sei, mas o que fazer? É a hora da verdade. O povo que me perdoe, mas ele merece tudo que se tem dito dele. E muito mais.

As opiniões recentemente emitidas sobre o povo até foram tolerantes. Disseram, por exemplo, que o povo se comporta mal em Grenais. Disseram que o povo é corrupto. Por um natural escrúpulo, não quiseram ir mais longe. Pois eu não tenho escrúpulo.

O povo se comporta mal em toda a parte, não apenas no futebol. O povo tem péssimas maneiras. O povo se veste mal. Não raro, cheira mal também. O povo faz xixi e coco em escala industrial. Se não houvesse povo, não teríamos o problema ecológico. O povo não sabe comer. O povo tem um gosto deplorável. O povo é insensível. O povo é vulgar.

A chamada explosão demográfica é culpa exclusivamente do povo. O povo se reproduz numa proporção verdadeiramente suicida. O povo é promíscuo e sem-vergonha. A superpopulação nos grandes centros se deve ao povo. As lamentáveis favelas que tanto prejudicam nossa paisagem urbana foram inventadas pelo povo, que as mantém contra os preceitos da higiene e da estética.

Responda sem meias palavras: haveria os problemas de trânsito se não fosse o povo? O povo é um estorvo.

É notória a incapacidade política do povo. O povo não sabe votar. Quando vota, invariavelmente vota em candidatos populares que, justamente por agradarem ao povo, não podem ser boa coisa.

O povo é pouco saudável. Há, sabidamente, 95 por cento mais cáries dentárias entre o povo. O índice de morte por má nutrição entre o povo é assustador. O povo não se cuida. Estão sempre sendo atropelados. Isto quando não se matam entre si. O banditismo campeia entre o povo. O povo é ladrão. O povo é viciado. O povo é doido. O povo é imprevisível. O povo é um perigo.

O povo não tem a mínima cultura. Muitos nem sabem ler ou escrever. O povo não viaja, não se interessa por boa música ou literatura, não vai a museus. O povo não gosta de trabalho criativo, prefere empregos ignóbeis e aviltantes. Isto quando trabalha, pois há os que preferem o ócio contemplativo, embaixo das pontes. Se não fosse o povo, nossa economia funcionaria como uma máquina. Todo mundo seria mais feliz sem o povo. O povo é deprimente. O povo deveria ser eliminado.

Autor: Luís Fernando Veríssimo
Fonte: Literatura no Liquidificador

  1. Anônimo

    22 de janeiro de 2012 em 23:17

    eu moro na favela e tenho orgulho disso tenho orgulho desse povo sofrido q batalha a cada dia por uma vida melho e nao sao como vcs q ficam em suas belas casas dormindo o dia todo e deixam q o papai empresário vai fazer a sua jornada de 5 ou 6 horas de trabalho eu trabalho 10 horas por dia para ganhar 500 conto entao antes de falar dos pobres experimentem passar um dia na favela seus mauricinhos e patricinhas filinhos de papai!!!!!

  2. Claudio

    8 de junho de 2010 em 01:25

    Que povo é este que tem moral para cobrar os politicos?
    O povo que suja rua? Que tenta tirar proveito de qualquer situação? Que estaciona em vaga para deficiente fisico? Povo que que quando o transito esta cogestionado, anda pela contra mão? Um povo que não lê, que não se importa com o prócimo?

    Terrível admitir, que os políticos são reflexos do povo que o elege.

  3. Maria Versace

    4 de junho de 2010 em 21:12

    Se cada um pudesse rever os conceitos de ”mudanças” e fizesse a sua parte, com certeza teria jeito. Tudo tem jeito, só a morte que não, como diz a minha mãe, rs.

    • Luciano

      4 de junho de 2010 em 23:11

      Cala boca deixa de ser retardada não fala de assunto que não sabe e nem domina… Vai ‘dar’ teu msn pros caras que comentam…….AHUSHAUSUAHSAHUSHUAHSHAUSHAHSUAH

      • caio

        6 de junho de 2010 em 14:24

        cara vc ta perdendo seu tempo aqui , vc tem algum tipo de doença psicologica ?

  4. Luciano

    4 de junho de 2010 em 17:56

    kra muito phoda ler discussões como essas o kra se informa e abre a mente pras merdas q estamos vivendo!

    ‘Nunk’! posso afirmar isso, o povo vai se tocar do que está acontecendo… o pensamento capitalista domina a mente de todos, mesmo que tenha uns e outros que tentam ir contra esse ideal q domina o mundo nunk vao querer abrir mmão do conforto que esse sistema trás.. o povo no geral msm, tem um vasto pensamento individualista sendo ele em primeiro de tudo e de todos. Não adinta tentar mudar agora não tem mai tempo p isso! …..:P

  5. andresuperbom

    1 de junho de 2010 em 20:10

    pqp, meus comentarios estão cheios de erros =/

    • Aida Saadeh

      1 de junho de 2010 em 21:34

      Normal…qdo a gte digita rápido ficam “errinhos”. Mas…parabéns pelos teus comentários …p um guri de 16 anos! Para ver como participação, autonomia, conhecimento de mundo independem da idade ou de grau de instrução. Que bom se tivéssemos turmas inteiras q pensassem parcialmente assim….
      😀

    • Ígor

      1 de junho de 2010 em 20:52

      legal matéria interessante

  6. andresuperbom

    1 de junho de 2010 em 17:07

    Luiz Fernando Veríssimo é um grande ator…
    minha opinião é igual a dele sobre a problemática gerada pela massa populacional,
    ” O povo é deprimente. O povo deveria ser eliminado ” mano, isso não vai acontecer nunca ^^ mas seria o correto… mas infelizmente nosso sistema econômico precisa do povo pra manter os ricos, capitalismo é fod4 =/

    • Aida Saadeh

      1 de junho de 2010 em 17:12

      A massa populacional subdesenvolvida, sem controle de natalidade, sem recursos, sem informação e sem acesso desencadeiam problemas indesejáveis e incontroláveis com o crescimento populacional desenfreado. O autor chama esse povo a pensar com ele, a mudar! somos sim, escravos do capitalismo e chegamos num ponto onde me parece que ninguém vai querer mudar isso, pq para muitos poderá enganosamente parecer retrocesso.

      • andresuperbom

        1 de junho de 2010 em 17:29

        o capitalismo não vai sair, enquanto o povo não reagir, mas o povo é alienado… e essa historia que o povo tem o poder é td migué, e mesmo pq se o povo tivesse o poder nos estariamos perdidos, como exemplo, o Collor já esta como deputado de novo, como isso ???

        ps: porr4, olha meu nick, fui usa 1 msn criado pra games e me l4skei ^^ vo cria outra conta.

        • Aida Saadeh

          1 de junho de 2010 em 18:44

          rsrsrs deixa o nick 😛
          O povo é alienado? Pq? Pq n tem acesso à informação? Ou pq n se importa em ter? Pq n é interesse dos “donos do poder” que as coisas mudem…por isso professor n é bem remunerado, é ridicularizado…pq povo culto é um perigo! Em países desenvolvidos povo opina, participa…aqui temos uma democracia de mentirinha…pq podemos reclamar…reclamar…mas n temos poder de ação…como sempre digo…
          Aqui o povo vende votos…e a classe média que paga a conta de tudo!
          Tenho ideias para um post sobre isso…fique de olho!
          Ah! Obrigada por debater…sempre bom encontrar cultura por aqui!
          O capitalismo é forte pq somos individualistas….

          • andresuperbom

            1 de junho de 2010 em 20:07

            xDD, gostei mt desse site, venho lendo varios comentarios de diversos posts, mas nao sabia cria uma conta ^^, agora que aprendi vou sempre comentar… 🙂
            concordo com oque você disse, o povo até se importa, mas só oque faz é reclamar e nunca age.
            Como 1 pais do porte do brasil e com a precariedade da população não tem salarios altos pra professores, sem paises como japão, são eles os mais respeitados profissionais, e muito bem remunerado.
            tenho 16 anos e é dificio tem uma ‘discussão’ desse nivel com meus amigos ^^, vlw ae aida :p

          • andresuperbom

            1 de junho de 2010 em 20:09

            aaa “sem paises como japão” era “em países como japão”

  7. Manu Paty Girls

    31 de maio de 2010 em 23:03

    Bah o Luiz Fernando Veríssimo realmente é um GRANDE AUTOR…

  8. Aida Saadeh

    31 de maio de 2010 em 17:40

    Veríssimo viola propositalmente a chamada “máxima de qualidade” para ter uma conversação com o leitor. Tal máxima diz respeito a se afirmar somente o que se acredita ser verdadeiro, não afirmando aquilo para o qual você não têm evidências adequadas. Ele provoca a reação do leitor e sua participação pós-leitura! Grande autor!!!!!!!!!

  9. Marcellus Dark

    31 de maio de 2010 em 14:35

    o problema não é o povo mas o fato do homem se habituar com o que lhe é imposto por uma minoria.
    logo tudo isso se tornou um efeito domino.

    • Levy Medeiros

      31 de maio de 2010 em 15:25

      o problema é o povo. vc se encaixa em um grupo e varias outras pessoas se encaixam tambem, logo, forma-se o povo. Um povo impõe e outro é imposto, um faz outro não e assim vai.

      • Marcellus Dark

        1 de junho de 2010 em 14:17

        1º preste atenção no que escrevi
        2º não tenha como base somente a sociologia ( o que diz é um dos pensamentos de Marx)
        3º quando argumentei meu assunto era o homem não necessariamente o “povo”
        4º mesmo sendo breve em minha explicação o senhor não deveria tirar conclusoes sem antes me perguntar a “relação” ou impor suas ideias antes de argumentar.

        • Levy Medeiros

          3 de junho de 2010 em 00:51

          Calma! Não quis impor minhas ideias. Escrevi para que possamos argumentar, nem mesmo pensei em te ofender. Se escrevi de maneira a te ofender me mostre para q eu não a repita.
          Sim, é um dos pensamentos de Carl Marx. A sociologia estuda o comportamento do homem na sociedade, como eu posso não me basear nela?

          • Marcellus Dark

            10 de junho de 2010 em 00:11

            ai que esta vc somente se baseou nela.. e não é bem assim

            me desculpe se me enganei mas vc ja impoe sua opnião na primeira sentença
            com isso seu argumento ficou rude – ao meu ver –

  10. Murillo Camargo

    31 de maio de 2010 em 14:04

    Muito legal! Mas vc ja deu risada hoje?
    Entao visite: http://www.blogdohumor.com.br

  11. Maria Versace

    31 de maio de 2010 em 13:58

    Eu adorava ler Luís Fernando Veríssimo, entretanto, pra mim foi uma surpresa este ponto de vista dele.Mais por um lado ele tem razão, mais não deveria generalizar as coisa pf/

    • Aida Saadeh

      31 de maio de 2010 em 17:31

      Não! Não interprete Veríssimo de forma equivocada! Este texto é uma provocação! Na verdade ele faz afirmativas nas quais não acredita para que “o povo” indague, revolte-se, reaja… para provocar reações como a tua! A intenção dele é “levantar” a voz desse povo, que certamente ele acredita ser bem mais do que aquilo que ele coloca no texto…e fazer perceber que pode ser ainda mais do que é! Isso dentro dos estudos da linguística tem um vasto significado e estudos…estou aqui tentando te fazer compreender de uma maneira simples pq não é tua intenção estudar aqui, né? Ou é? Se for…estou às ordens…risos. Abços

      • Maria Versace

        2 de junho de 2010 em 12:41

        Não!Eu não achei que estava sendo equivocada quando disse aquilo. Creio que você não pode ter uma completa certeza, até porque não foi você quem escreveu. Eu apenas dei a minha opnião.Com um pouco de lógica vai perceber que a minha intenção não é estudar aqui. Aprender? sim. Ensinar? mais ainda.Beijos MVersace

        • Aida Saadeh

          2 de junho de 2010 em 12:51

          Nossa! Fui muito educada… e estava brincando contigo…mas se levou à ponta de faca…desculpa. Com certeza…sempre podemos aprender com todos…o q não me parece o caso aqui ( q tu possas ensinar), pois não preciso ser Veríssimo para saber de sua intenção comunicativa, tenho graduação e especializações no assunto, uma tese inteira de 157 páginas elaboradas por mim, com muito estudo, e avaliação máxima de doutores em “Linguística Aplicada” e, estudando sobre Máximas Conversacionais, Competência Pragmática e seus efeitos.
          “Eu adorava ler Luís Fernando Veríssimo, entretanto, pra mim foi uma surpresa este ponto de vista dele.Mais por um lado ele tem razão, mais não deveria generalizar as coisa pf/”

          PS. não é o ponto de vista dele. Generalização? Não! se nem é o ponto de vista dele!

          • Maria Versace

            2 de junho de 2010 em 15:16

            Desculpas aceitas. Você realmente parece ser uma pessoa mais experiente (com certeza). Não vou discutir com você sobre isso. Eu comento pra saber a opnião das pessoas e que elas saibam da MINHA. Você do nada veio debater a minha opinião. Odeio quando ”invadem” meu espaço/limites. Sim! Julgar, Errar. Tenho todo o direito. Não é mesmo?.!Desculpe-me por qualquer coisa que tenha interpretado mál.E sem mais bláh bláh bláh, beijos e abrços. MVersace

          • Aida Saadeh

            2 de junho de 2010 em 15:22

            Minhas desculpas se tivesse sido “trouxa”…mas não fui! Apenas percebi a tempo a falta de interpretação adequada e não poderia deixar de defender os ideais de um dos maiores escritores do Brasil! Em momento algum estava debatendo tua opinião, pois para mim é válido cada comentário…em todos os sentidos, pois além da proposta do post ser cumprida…isso me rende lucro. Não se trata tampouco de blá-blá-blá, mas de esclarecimentos, uma questão de respeito com a outra pessoa. Bom feriado!

          • Maria Versace

            2 de junho de 2010 em 15:26

            Pra você tbm.

  12. Adriano Saadeh

    31 de maio de 2010 em 13:55

    O cara eh o cara!

32 Comentários
mais Posts
Topo