Quando a humanidade quase se extinguiu

Desde o seu surgimento, até pouco mais de 10 mil anos, a humanidade ainda vivia da mesma maneira: colhendo frutos e caçando animais, ou seja, a vida era uma aventura a cada momento e a próxima refeição podia demorar para aparecer, mas uma ideia mudou esse mundo.




A invenção

Agricultura_en_Uruguay

Há milhares de anos, os homens começaram a notar um padrão diferente na natureza. Algumas sementes, quando jogadas na terra, brotavam e davam novas árvores. Desse momento em diante, a agricultura começou a se desenvolver rapidamente.

Praticamente do dia parava noite, os seres humanos começaram a cultivar as mais variadas plantas para sua alimentação. Isso possibilitou, pela primeira vez na história, que os grupos errantes pudessem se assentar em apenas um lugar, pois agora não precisavam mais sair pelo mundo buscando alimentos.

As primeiras vilas fixas se formaram, principalmente a beira de rios, que além de darem água, ainda ajudavam na manutenção dos nutrientes do solo. Tudo isso fez com que algo nunca antes visto ocorresse: abundância de alimentos.

Até o surgimento da agricultura, os seres humanos viviam famintos, tendo sempre apenas o mínimo para se alimentarem, mas agora eles podiam comer mais e melhor. Durante muito tempo, isso fez com que a humanidade crescesse em um ritmo jamais antes visto e essa nova vantagem, que parecia o paraíso, quase foi o fim.




A peste

article-2592566-1CAE5D6300000578-514_964x643

Quando a agricultura surgiu, não haviam documentos escritos. Foram os restos mortais, resíduos de vilarejos e outras coisas deixadas por aquelas pessoas que ajudaram a ciência desvendar o passado, mostrando o que realmente aconteceu. A análise de diversos parâmetros permitiu a reconstrução daquele tempo, revelando algo aterrador.

Após o crescimento vertiginoso por séculos, a humanidade, do dia para a noite, caiu em um fosso. Por algum motivo, mais de 50% (em alguns casos até 60%) da população foi varrida do mapa! Estudos sobre isso revelaram que não houveram mudanças climáticas drásticas, nem um desastre, como o meteoro que acabou com os dinossauros. A verdadeira catástrofe dessa época foi a fome pós-abundância.

Naquela época, os agricultores sabiam apenas que se colocassem as sementes na data certa na terra, eles teriam o que colher alguns meses depois, porém não imaginavam que o cultivo de alimentos é muito mais complexo e cheio de problemas.

A terra precisa de tempo para se recuperar depois de uma colheita, secas podem afetar o local e ainda existe o problema de haverem mais pessoas do que comida. Tudo isso somado fez com que uma onda de fome jamais antes vista atacasse todas as partes habitadas do planeta. Quase que simultaneamente, milhões morreram de fome, devido a precariedade da agricultura e a humanidade ficou perto de extinção, como nunca antes. Nem mesmo na época da Peste Negra, que devastou o mundo, os humanos sofreram tanto.




O futuro

hunger2

Hoje em dia, a humanidade aprendeu (mesmo que precariamente) a dominar a natureza, conseguindo ser muito mais certeira em suas plantações, apesar de ainda sofrer bastante com as intempéries do tempo. Só que o mesmo problema que quase exterminou os humanos do passado está voltando a bater a nossa porta.

O problema é que a Terra possui um limite, que envolve número de pessoas e o quanto elas consomem. E muitos cientistas afirmam que nosso planeta ou já chegou a limite ou logo vai acabar estourando sua cota.

Em breve, poderemos viver um momento em que vamos ter mais bocas para alimentar do que a produção mundial de comida pode produzir. Isso vai causar uma nova extinção em massa, podendo levar a humanidade para o fundo do poço mais uma vez, exatamente como aconteceu com aqueles homens no passado.

Dessa vez, pelo menos isso pode ser previsto, mas como a população só cresce, talvez nós presenciaremos o Planeta fazendo mais uma “limpa” por aqui.

  1. José Henrique Turiel

    4 de abril de 2015 em 10:38

    Na boa começou bem, mas terminou cagando a porra toda, os povos que são responsáveis pela fome não estão na Ãfrica nem nos outros subdesenvolvidos e sim no Norte desenvolvido, os povos de países mais pobres representam 75% da população mundial, porém nem de longe são os que consomem mais. Ao invés de falarem merda de reduzir o número de nascimentos (que já cai a cada ano) falem de reduzir o consumo de países como os EUA, que possuem apenas 5% da população mundial, mas são responsáveis por 25% da poluição mundial. A África é um grande produtor de alimentos, assim como Brasil e tantos outros, o nosso problema é a Concentração de Renda, que nos empurra a fazer parecer que os mais pobres passam fome por terem mais filhos. De acordo com projeções globais a população mundial deve reparar de crescer aos 12 bilhões, o que hoje já é a nossa capacidade produzir alimentos. Estudem sobre as teorias Malthusianas, logo vão incentivar guerras para diminuir a população mundial.

  2. VanDrak SubZero

    30 de setembro de 2014 em 17:20

    Ao meu ver…. a falto de alimentos tem haver com a desigualdade social.
    Se pegássemos todas as pessoas do mundo e cada uma recebesse 1 Hectare de terra fértil, todos teriam terra suficiente para produzir e viver e ainda sobraria mais de 2/4 de terra fértil.
    Fora isso, como o próprio texto diz, hoje temos um conhecimento em relação a Agricultura bastante avançado, fora as novas tecnologias que são implantadas nessa área.

  3. Pedro Nogueira (pedringamer)

    18 de setembro de 2014 em 00:12

    Cara, na moral: quem escreveu essa matéria foi extremamente superficial! Essa ideia de que teremos pouca comida e muita gente já existe a muito tempo e é ultrapassada, é a chamada teoria malthusiana. A população cresce a cada dia, mas as tecnologias de produção de alimento também! Se o autor tivesse pesquisado um pouco mais a fundo esse assunto veria que isso que ele falou é absolutamente improvável de acontecer nos dias de hoje. Afirmar que a população mundial pode chegar a beira da extinção por ter gente demais e comida de menos é pura inocência ou sensacionalismo, vamos usar o bom senso né gente..

  4. Bru No

    17 de setembro de 2014 em 21:29

    Na verdade, a produção mundial é o suficiente para suprir, em média, 21 bilhões de pessoas (no que convém à alimentos e vestimentas de qualidade). Com o avanço das forças produtivas, esse número não irá parar de subir até que a humanidade (ou, se tivermos sorte, o capitalismo) entre em decadência devido à escassez de recursos.
    Se temos tanta produção, por que há fome e miséria? Simples, desperdício, egoísmo e negligência. Esses últimos dois, em especial, provenientes dos “donos do mundo”, aqueles que detêm o dinheiro e o poder. Não é do interesse deles serem bons samaritanos e suprir à mendigos, africanos, favelados… Pois isso não lhes gera lucro. Inevitavelmente, esse tipo de atitude é proveniente do capitalismo. Não pode-se negar que, no capitalismo, o homem é o lobo do homem.
    Claro que não é só o fator humano que acabará por fazer a humanidade entrar em decadência: vivemos num planeta que já deu o que tinha que dar. Estragamos-no o bastante para que se virasse contra nós, e o troco da natureza não demora à chegar, mesmo para aqueles que controlam o seguir do mundo.
    Vasectomia em massa nunca irá ocorrer, não é de interesse dos poderosos gastar tempo e dinheiro com os condenados à morte.

    Aliás, a Peste Negra (ou peste bubônica) matou aproximadamente 40% da população europeia, merece sim um destaque.

    • eduvbs

      18 de setembro de 2014 em 20:17

      Já houve uma campanha de vasectomia a muito tempo na Índia, era até pago uma quantia em $$ pra quem se prontificasse. O problema é que só apareceu idoso com uma penca de filhos só pra receber a grana, enquanto o público alvo (homens de 20~40 anos, 2~3 filhos) não foram atingidos. A ideia foi muito boa, o problema é que tem que haver um trabalho de base igual ocorre em países desenvolvidos, que alias estão até estimulando a natalidade.

      Eu curti no geral sua opinião, mas discordo sobre o planeta já ter dado o que tinha que dar. Na verdade o que ocorre é que ele sempre vai tender ao equilíbrio, resta saber se esse ponto ainda será bom pra nós.

  5. Ruth Borges

    17 de setembro de 2014 em 08:29

    A raça humana, é muito egoísta;
    só pensa em si, não se preocupa com os demais, não se incomoda de às vezes se tornar um “protozoário”, de se aproveitar de pessoas pra ter o que deseja, causando maleficio ao outro;
    muitas vezes causa mal ao seu semelhante sem nem se arrepender do feito.
    As pessoas deveriam se preocupar com os outros, pois quando fazemos o bem à alguém, isso traz muitos beneficios pra quem o fez.

    • Diabo

      18 de setembro de 2014 em 20:02

      O Ruth, se eu, o Diabo sou legal, pq os humanos ñ são?

    • Adriano Saadeh

      18 de setembro de 2014 em 09:23

      O problema dessa visão é que nossa sociedade mudou e ela infelizmente se torna obsoleta, somos pautados pelo consumo, pela velocidade dos acontecimento e informação, pelo desenvolvimento, pelo conhecimento e conquista do eu, não sobrando muito espaço para solidariedade e compaixão

    • P Pierrot

      17 de setembro de 2014 em 13:39

      Acredito que há inúmeros exemplos pelo mundo que não tomam repercussão. Eu só espero que o egoísmo generalizado que vimos nos comentários cesse. Dá pra fazer a diferença em pequenas coisas que estão ao nosso alcance, atentem-se para isso e FAÇAM. Tirem essa idéia de redução populacional na cabeça, os arquitetos dessa idéia querem inclusive o extermínio de vocês ,que compõem a grande massa (a não ser se vocês forem filhinhos da Elite).

      • Blue

        17 de setembro de 2014 em 16:53

        o problema é que egoísmo é uma das muitas características terríveis da humanidade,as pessoas pensam o seguinte: “tem uma carteira com 500 reais no chão,se eu ficar com a carteira,eu vou ter 500 reais,se eu devolver pro dono,eu não vou ganhar dinheiro” esse pensamento “eu mereço e os outros que se fodam” é o que causa tanta morte e violência,é só acabar com o egoísmo que a raça humana se torna uma das mais pacíficas do universo,o problema não é falta de comida,educação,guerras e etc,é simplesmente o egoísmo e o orgulho de uma espécie cuja história foi escrita em sangue e lágrimas.
        OBS: caso os meus comentários sejam contraditórios,um pouco confusos e cheios de hipocrisia,culpem minha mente dividida,acho que ja contei pelo menos uns 7 eus diferentes em mim mesmo.

  6. P Pierrot

    17 de setembro de 2014 em 07:30

    Eu não posso acreditar que tem cara aqui que é a favor de redução populacional…legal hein fera.. Tábuas guias da Geórgia curtiram seus comentários.

    • Adriano Saadeh

      18 de setembro de 2014 em 09:20

      O que você entende por redução populacional? Ao meu ver deve se ter um controle sim, já que todos sabemos que o planeta já abriga mais pessoas do que pode. Mas nem de longe estou falando sobre p extermínio e sim sobre a contínua reprodução da nossa espécie que não tem um predador natural

      • P Pierrot

        18 de setembro de 2014 em 10:02

        Ah bom. Mas olhe bem, eu já li a respeito que a taxa de mortes é proporcional a de nascimentos, no sentido que ao mesmo tempo em que nasce uma grande taxa de pessoas, morre trocentas. E há países como o japão que enfrentam um grande problema com relação a natalidade. Se forem me interrogar sobre uma solução a respeito da coisa, francamente não tenho, mas olhando o rumo das coisas eu não me precipitaria com essa de controle populacional.

    • Blue

      17 de setembro de 2014 em 16:41

      eu tambem comentei que sou a favor,mas eu não consigo matar um rato por pena,mesma coisa pra todo mundo aqui que é a favor,se decidirem levar a sério tudo o que as pessoas dizem na Internet a gente começa a terceira guerra

    • Ruth Borges

      17 de setembro de 2014 em 08:31

      que tal ele começar com o plano?!
      ele se matando já reduz.

  7. Luís Felipe

    16 de setembro de 2014 em 23:51

    Depois da próxima guerra mundial isso vai ser resolvido. Só no aguardo.

    • eduvbs

      17 de setembro de 2014 em 03:33

      Sim, vão começar a apelar pra armas nucleares e só vai sobrar barata, bactéria e fungo…

      • Agustin Nicolas

        17 de setembro de 2014 em 12:14

        /\ Ou pra explosivos U.u

        • eduvbs

          19 de setembro de 2014 em 02:35

          … Isso já tem desde a primeira kkk.

  8. Jeff Dantas

    16 de setembro de 2014 em 20:47

    E pensar, que muitas vezes, reclamamos de tudo! Até mesmo, de uma simples dor de cabeça…http://minilua.org/wp-content/uploads/2014/09/hunger2.jpg

    • Diabo

      18 de setembro de 2014 em 19:57

      Jeff, cada um com seus problemas né 😉

    • Gato Endiabrado

      17 de setembro de 2014 em 19:12

      Não reclamar das minhas dores de cabeça não vai melhorar o IDH da África.

    • cara anonimo

      16 de setembro de 2014 em 20:54

      Pense antes de jogar a sua comida fora ! ( sim, eu também não sou diferente )

    • DCemblemático

      16 de setembro de 2014 em 20:53

      Cada um reclama do que tem :v he-he-he

  9. cara anonimo

    16 de setembro de 2014 em 20:12

    Mas, precisamos realmente matar pessoas para diminuir a população mundial ? não podemos ter uma ideia melhor não ?

    • Jonathan Fabrício Pereira

      17 de setembro de 2014 em 12:32

      Mas é claro que temos outras alternativas. O usuário “Emmanov Kozövisck” deu bons argumentos no início dos comentários.

    • Hitsugaya Toushirou

      16 de setembro de 2014 em 23:06

      Eu vi uns nego meio viagem dizendo que uma solução para a superpopulação era aumentar nossos espaços e não diminuir a população. Mas como?

      Criando cidades subterrâneas, tipo aquela parada de A Era do Gelo 3.
      Não é uma solução para a fome, mas uma para a superpopulação. Porém, como eu disse, os caras eram meio viagem.

    • Litzen Vampiro

      16 de setembro de 2014 em 21:27

      É o jeito, vocês humanos se reproduzem rápido e em massa…

      • Atrelegis Valgard

        17 de setembro de 2014 em 13:22

        “vocês humanos” kkkkk vlw inumano…

    • cara anonimo

      16 de setembro de 2014 em 20:33

      Ta bem, já que ninguém tem uma ideia boa, vamos pra matança mesmo ¬¬

    • Raul Seixas

      16 de setembro de 2014 em 20:30

      [img]http://up-ship.com/blog/wp-content/uploads/2013/07/no-3.jpg[/img]

    • Kuzan

      16 de setembro de 2014 em 20:19

      Se matar?

      • cara anonimo

        16 de setembro de 2014 em 20:21

        SEM MATANÇA ! por favor.

        • DCemblemático

          16 de setembro de 2014 em 20:37

          Não tem outro jeito, ou alguns países se sacrifica para o bem do mundo ou o mundo já era he-he-he

  10. Blue

    16 de setembro de 2014 em 19:32

    uma simples maneira de resolver alguns problemas: limpar a África,mata tudo quanto é humano que vive lá e deixa a natureza tomar conta,a África só serve pra dar pena e transmitir ebola,deixa os postos de recursos importantes e faz uma limpeza,talvez um vírus novo criado em laboratório,se alguém encontrar falhas nessa ideia (que deve ter muitas,pois isso foi mais uma coisa louca da minha mente),comente por favor

    • Kirito Macho

      16 de setembro de 2014 em 20:43

      O falha desse seu plano é que meio de transporte vai te jogar lá no meio para morrer junto com eles?

      • cara anonimo

        16 de setembro de 2014 em 20:52

        Agora… só esperar a treta ! :!

        • Blue

          17 de setembro de 2014 em 16:45

          aos poucos eu vou tentando fazer comentando polêmicos pra ver se da pra trazer de volta o tempo das tretas enormes,o segredo é usar assuntos polêmicos que tenham dois lados diferentes que se odeiam,ja que religião não da mais treta porque aparentemente os crentes desistiram,eu to tentando usar assuntos diferentes,é só trazer mais gente pro Minilua que esse reino volta a ser grande,falta do que fazer exige medidas desesperadas

    • Raul Seixas

      16 de setembro de 2014 em 20:29

      Não é todo continente que é afundado em misérias,grande parte de lá tem abundância em ouro e petróleo,além de lugares com uma economia melhor que a do brasil,explodam Nagasaki de novo,se não der certo explodam os muçulmanos e todo resto daquela parte do mundo meio terrorista.

      • DCemblemático

        16 de setembro de 2014 em 20:35

        Mas fácil explodi um a serra leoa ninguém vai sentir falta daquilo he-he-he

    • Kuzan

      16 de setembro de 2014 em 20:21

      Ou isso já começou, e o ebola é o vírus escolhido. :O

      • cara anonimo

        16 de setembro de 2014 em 20:22

        Já pensou se o Ebola viesse pra cá ? o.O

    • chapolim do mal

      16 de setembro de 2014 em 19:49

      Não está de todo errado mas eu acho que seria mais eficiente se isso fosse feito em países asiáticos super-populosos que o povo parece coelho.

      • Blue

        16 de setembro de 2014 em 20:17

        é por isso que esses países asiáticos super-populosos tem tantos desastres naturais,até a natureza concorda que tem gente demais lá,mas essas pessoas pobres tambem são mão de obra fácil e barata que não causa tantos problemas como a mão de obra fácil e barata da África,se acabarmos com a enorme população pobre desses países,quem vai fazer 90% dos produtos que usamos?

        • DCemblemático

          16 de setembro de 2014 em 20:33

          Manda os bandidos fazerem, já que não querem trabalharem por bem vão trabalha por mal he-he-he

  11. chapolim do mal

    16 de setembro de 2014 em 19:23

    Eu não entendo as pessoas que querem ter mais de 2 filhos, pra mim isso seria o máximo e depois de 2 houvesse um método de controle para que os casais não tivessem mais filhos.
    Nos anos 80 um homem que fazia parte de uma sociedade secreta criou um monolito no interior da Georgia que dizia entre outras regras que a população humana não deveria passar dos quinhentos milhões de habitantes e é muito legal pesquisar sobre.

    • Jonathan Fabrício Pereira

      17 de setembro de 2014 em 12:36

      Tem gente que gosta de família grande, ué!

  12. Terrorista

    16 de setembro de 2014 em 19:16

    E por que não iniciam programas de controle de natalidade?
    Principalmente na África, nas regiões mais afetadas e pobres. Deveriam iniciar um programa de vasectomia em massa, pois se continuarmos assim só vai restar uma redução da população mundial.

    • Catarina Carvalho

      26 de setembro de 2014 em 10:29

      só informando: a comida jogada fora nos EUA alimentaria 3 Áfricas!
      O problema não é o nº de pessoas, mas a distribuição!
      Vá estudar geografia e história antes de vim falar bobagem!!!!
      Por que ao invés de jogar a culpa nos pobres vc nao fala dos ricos q desperdição em 1 ano o suficiente pra alimentar toda a África subsaariana!!!!!!
      Seu neomalthusiano de merda!!!!! >:(

      • Terrorista

        26 de setembro de 2014 em 11:59

        Olha, você é uma idiota. Não é somente uma questão de combate a fome, mas também de controle de natalidade. E se o continente africano é mais fodido que cu de puta a culpa é em parte peloa colonizadores europeus e, principalmente, pela má administração do continente. Até porque o movimento socialista teve e tem muita influência por lá, o que prejudicou mais ainda o desenvolvimento socio-econômico africano.

    • Aguiar

      22 de setembro de 2014 em 20:35

      Tá certo Mister óbvio!

    • Mie Kato

      21 de setembro de 2014 em 13:40

      Do que adiantaria vasectomia em massa se muitos burlariam, ou simplesmente fugiriam para não ter a “masculinidade” afetada? Do que adiantaria programas de controle a natalidade como o da china, se for para termos mais órfãos e bebês abandonados? Poderia dar mais exemplos e argumentos, mas a igreja católica (maior religião do mundo) sempre vem com mimimi do tipo ” Deus diz que …” e o pior, muitos acreditam veemente nisso e seguem, sem levar em conta problemas maiores como o superpovoamento. Também temos que levar em conta o desejo materno/paterno que muitos têm, e essas pessoas não se contentam com filhos adotivos, querem algo biológico, querem a mistura genética entre seres, algo próprio. Sabe qual o maior problema das pessoas? Elas levam seu egoismo ao máximo, não conseguem levar em consideração perder um pouco para que o planeta ganhe mais. Não conseguem aceitar viver apenas com o suficiente, como na utopia de Morus.
      Agora, sabe o maior motivo pelo qual sua ideia nunca iria para frente? Por que isso não é vantajoso economicamente para as pessoas, e muito menos para o governo.

    • Adriano Saadeh

      18 de setembro de 2014 em 09:17

      Vai ver porque simplesmente os grandes governos esperam que essa drástica redução populacional aconteça de fato.

    • Bru No

      17 de setembro de 2014 em 21:11

      Por quê?
      Dinheiro. Não é de interesse dos “donos do mundo” fazer qualquer tipo de boa atitude com o povo da África, não por serem negros, mas por não serem produtivos. Sorte deles que ainda não viraram ratos de laboratório.

      • Terrorista

        17 de setembro de 2014 em 21:24

        Bom, se você levar em conta a superpopulação seria sim de interesse de muitos.

        • Aguiar

          22 de setembro de 2014 em 20:43

          Faz até vergonha você iniciar uma discussão dessas, sem ter o minimo de conhecimento do que está falando… Cê loko… Estuda um pouco mais pra poder opinar man, porque pelo menos o que eu li até aqui foi que você está defecando pela boca

          • Terrorista

            22 de setembro de 2014 em 23:38

            cala boca aí zé ruela

    • DCemblemático

      16 de setembro de 2014 em 20:30

      Mas tu mesmo disse que tem que diminuir a população do planeta, então deixa a África ser extinta he-he-he
      Ps: zuera isso pessoal

      • Terrorista

        16 de setembro de 2014 em 20:43

        Pois se os povos africanos fossem extintos não haveria miséria,tampouco morreriam de fome e doenças. Outros povos que deveriam sumir são os asiaticos,sobretudo os chineses, até porque na China têm tanta gente que uma hora ou outra vão faltar recursos naturais, alimentos, moradias e etc., com isso tudo é capaz de irem para países com recursos naturais,e um desses países é o Brasil. Todo mundo sabe que as nossas forças armadas são tão bostas que não tem munição pra meia hora de batalha…É exatamente por isso que deveríamos adquirir uma ogiva nuclear, e investir forte nas nossas Forças Armadas.

        • Pedro Nogueira (pedringamer)

          18 de setembro de 2014 em 00:26

          Cara, que isso. Sério, estuda mais geografia política, você está com uma noção de mundo TOTALMENTE distorcida da realidade, e digo isso com base em todos os seus comentários. Leia mais sobre Teoria Malthusiana, DIT, OMC, economia e relações internacionais pois você verá isso tudo que está falando é inocência pura. Sério mesmo, é um assunto muito interessante, se informe mais.

          • Terrorista

            18 de setembro de 2014 em 03:21

            Eu acho que quem está com uma mentalidade de inocência pura é você.

        • Hermann Delgado

          17 de setembro de 2014 em 18:03

          caramba… a história foi feita em vão a ponto de um discurso eugenista fazer sentido para uma classe media…

          • eduvbs

            17 de setembro de 2014 em 20:49

            Pois é, agora ele não gostaria de uma analogia de um europeu “planejando” riscar o Brasil do mapa porque aqui tem muita gente, podendo esgotar recursos… A velha filosofia de que nos olhos dos outros é refresco!

          • Terrorista

            17 de setembro de 2014 em 21:25

            Mas é claro pô. Por isso mesmo falei que deveríamos estar preparados.

          • eduvbs

            18 de setembro de 2014 em 03:01

            Corrida armamentista, riscos de fuder irremediavelmente o planeta de 99,99%: correto. Realmente sentar e pensar numa ideia não-genocida: errada.
            kkkk

          • Terrorista

            18 de setembro de 2014 em 03:24

            Não exatamente assim. Apenas levantei uma hipótese e disse que deveríamos nos preparar. Investir um pouco mais nas Forças Armadas é necessário.

        • eduvbs

          17 de setembro de 2014 em 02:30

          Isso é antecipar um assunto que talvez deva ser pautado daqui a 500~700 anos de forma até leviana, devo lembrá-lo que o governo chinês já prevê reduzir drasticamente a população em curto-médio prazo (ciclo de 100 anos), mas não é com câmaras de gás ou outras coisas com tendencias genocidas, é com multa pra quem excede a “cota” de natalidade e educação básica mesmo. Só verificar os rendimentos e o crescimento da influência do país no cenário mundial.
          Perturba um pouco essa opinião com tendencia duvidosas, se for pra acabar assim, riscando do mapa, pra que a humanidade obteve o poder de sobrepujar a natureza, também conhecido como inteligência, dentro do seu universo compacto? Que use a inteligência pra resolver o problema por outros meios, ou a indolência ainda é mais forte?

        • Emmanov Kozövisck

          16 de setembro de 2014 em 21:05

          Nergal não confia em tratados de paz. Inteligente…

    • Emmanov Kozövisck

      16 de setembro de 2014 em 20:06

      Concordo parcialmente com seu comentário, Nergal, pois embora realizar o controle de natalidade em países subdesenvolvidos como os africanos seja uma boa ideia, ele apenas cobrirá o problema com uma peneira, pois os problemas da África, atualmente, consistem principalmente em conflitos étnicos e climáticos que deverão ser resolvidos em primeiro âmbito. A redução da taxa de natalidade, ainda, seria uma medida imposta pelos governos que certamente não teria uma boa aceitação popular e que causaria revoltas e a violação de um direito básico da humanidade.
      Acredito que a cura para o problema do alto índice de nascimentos consiste em um maior desenvolvimento social e, principalmente, educacional, como se vê nos países europeus. Estudei e vejo que uma questão é muito pautada em boa parte dos países: o INCENTIVO à natalidade, pois a população vive muito e são poucos os nascimentos graças ao ingresso das mulheres ao mercado de trabalho e ao alto custo para se cuidar de um filho; o resultado é o baixo ou negativo crescimento vegetativo. Para evitar a entrada de imigrantes (que não são necessariamente mal qualificados) que poderão se tornar os culpados quando uma crise econômica ocorre, o governo prefere manter sua população homogênea e barrar os imigrantes.
      A Europa já vive um decréscimo populacional. Mas eles não querem imigrantes e nunca irão querer.

  13. André Silva

    16 de setembro de 2014 em 19:07

    Bacana a matéria, uma pena eu já ter visto a pouco tempo no megacurioso, acabou com a surpresa.

  14. Lucas Pereira

    16 de setembro de 2014 em 19:05

    eu tava la no dia

    • Gato Endiabrado

      17 de setembro de 2014 em 19:12

      Igual sua mãe, aquela p…patossaura.

72 Comentários
mais Posts
Topo