Minilua

Por que tomamos banho todos os dias?

Durante milhares de anos, tomar banho não era um hábito diário dos seres humanos, afinal eles tinham mais preocupações, como sobreviver na floresta e matar animais para comer. Mas a modernidade trouxe tempo livre, dando espaço para nos preocuparmos com a limpeza. Mesmo assim, os seres humanos relutaram por séculos contra o banho e foi devido a um experimento científico errado que esse hábito entrou em nossa agenda diária.

Banho ou não, eis a questão

Durante a Idade Média, a humanidade sofreu com doenças, como a Peste Negra e a sífilis. Nessa época, apesar de muitas pessoas pensarem o contrário, havia uma onda de limpeza e todo nobre possuía uma banheira. Existiam também banheiros comunitários, onde enormes piscinas eram usadas para o banho de muitas pessoas da comunidade local.

Porém, o fim da Idade Média também trouxe o fim dos banhos. Como muitas doenças tinham feito a humanidade sofrer, as pessoas começaram a abandonar o hábito de lavar o corpo, pois notaram que isso ajudava a transmitir as doenças de maneira mais rápida. Em pouco tempo, a sociedade que tomava banho todos os dias abandonou esse hábito.

A ideia por trás disso era que os poros abertos faziam o corpo ficar exposto ao ataque das doenças. Em pouco tempo, todos os ricos se untavam em óleo, acreditando que ele manteria os poros isolados do mundo, criando a proteção ideal. Essa ideia transformou as pessoas em porcos ambulantes, que usavam óleos cheirosos na tentativa de esconder o fedor corporal. Era muito comum que o banho fosse evitado ao máximo e algumas pessoas “viam água” apenas uma vez ao ano.

Foi só no início do Século XIX que o banho começou a ser repensado. Por volta dessa época, alguns lugares já tinham banheiras comunitárias, que eram pouco frequentadas e alguns ricos começaram a abandonar a ideia de “sem banho e com saúde”, voltando a lavarem seus corpos com mais frequência.

Contudo, o que realmente fez o banho voltar a ser um hábito comum foi um experimento, que apresentou um resultado totalmente errado. Para provar que os poros fechados traziam mais problemas do que soluções, alguns cientistas rasparam vários cavalos e usaram piche para cobrir os animais. Os primeiros morreram em pouco tempo e depois, para reforçar a ideia, os pesquisadores fizeram a aplicação de novo, só que usando cola também. Novamente os animais morreram rapidamente.

Esse teste maluco levou os cientistas a seguinte conclusão: Poros fechados são ruins e em vez de ajudar a saúde, podem matar, como ocorreu com os cavalos. Em uma época onde ninguém tinha conhecimento científico e matar animais não era um grande problema, esse teste foi bem aceito e ganhou muito crédito. No final, todo mundo acreditou que a morte dos cavalos foi causada pelos poros cobertos.

Essa notícia se espalhou e fez com que as pessoas começassem a tomar banho novamente. Em pouco tempo, todo mundo se lavava com frequência e foi por isso que hoje nós temos esse hábito diário.

Voltando aos cavalos, eles não morreram pelo fato de seus poros estarem cobertos, mas sim porque a capacidade de equilibrar o calor do corpo depende da pele. Como os cavalos tiveram ela totalmente coberta, eles morreram devido a uma “hipotermia” invertida.

Afinal, devemos tomar banho todos os dias?

A resposta parece óbvia: Sim, devemos tomar banho todos os dias! Mas algumas novas pesquisas e estudos começaram a mostrar que esse hábito talvez não seja o melhor para todos.

Da mesma maneira que o intestino, que possui diversas bactérias benéficas, a pele também cultiva esses microrganismos. E cada vez que passamos água e sabão, acabamos matando diversas bactérias, tanto as ruins como as boas. Além disso, a pele produz alguns óleos específicos, que ajudam na proteção e evitam ressecamento, porém o banho também joga isso fora.

Richard Gallo, professor chefe do departamento de dermatologia da Universidade da Califórnia afirma: “As boas bactérias estão educando suas próprias células da pele para fazerem seus próprios antibióticos, assim elas produzem antibióticos que matam as bactérias ruins.”

Agora você decide: Tomar banho ou não.