Minilua

Religiões geradas por obras de ficção #4

Todas as religiões do mundo têm suas histórias e mitologias inerentes, muitas dos quais já existem há tanto tempo que há um debate quase constante sobre o que é verdade e o que é ficção. Há muitas religiões, no entanto, que têm surgido tão recentemente que não há dúvidas de suas origens. Sobre as religiões que se seguem, algumas são sérias e algumas em tom de brincadeira, apesar do fato de que a origem da religião pode ser claramente atribuída a uma obra de ficção.

Magos do Caos: Seguidores de Cthulhu

 

HP Lovecraft criou uma série de ficção que ficou conhecida como os “Mitos de Cthulhu.” Embora não seja particularmente popular enquanto vivo, o trabalho de Lovecraft tem influenciado em todo o mundo e é altamente considerado por suas contribuições para o gênero. Lovecraft foi capaz de popularizar a idéia de Magia do Caos através de sua ficção, e tem havido muitos que assumiram Magia do Caos como uma prática.

Aqueles influenciados pela ficção de Lovecraft podem participar do culto ou procurar o fictício livro chamado “Necronomicon” na biblioteca de Yale. O assunto do livro é muito debatido. O livro fala sobre práticas máficas decorrentes de entidades alienígenas com poderes divinos, que dizem existir em outras dimensões, nem vivo nem morto, e que irão retornar à terra algum dia “quando as estrelas estiverem novamente à direita”. Divindades terríveis que se assemelham a insetos e animais aquáticos terrestres e outros monstros. Todos esses deuses são anteriores a humanidade, e não têm nenhum respeito pela vida humana.

Na história, Cthulhu é descrito como um composto de “polvo, um dragão, e uma caricatura humana”. Uma cabeça polpuda, tentáculos, um corpo grotesco e escamoso, com asas rudimentares. Ele é descrito como um deus que dorme no mar, com a humanidade viva em constante medo de que ele desperte.

Os praticantes da Magia do Caos são muito organizados, em grande parte como um produto da ênfase na flexibilidade do sistema de crenças que permite que os crentes possam mudar os princípios pelos quais eles vivem de acordo com o que é mais prático em um dado momento.

Para essas pessoas, as criaturas representam as forças cósmicas e naturais que não têm vontade própria, mas podem afetar a humanidade, mesmo ao ponto de destruição. Eles sustentam a visão de mundo que a humanidade é uma parte insignificante do universo, e que não importa o que poderíamos fazer, há forças além do nosso controle ou conhecimento de que poderia extinguir-nos em um instante. Os seguidores de Cthulhu se sentem “escolhidos”, como pessoas especiais, por participar do culto.