Minilua

Sealand: o menor “país” do mundo

Quem aí deseja comprar um país? Pois bem, por uma pequena fortuna, você pode comprá-lo, mas já vou avisando que ele não é exatamente um país, já que somente a Inglaterra o reconhece como um. Vale ressaltar que se trata de uma ilha artificial que foi construída inicialmente como base militar, mas que, com o passar do tempo, acabou sendo desativada.

Tudo começou quando Roy Bates estava à procura de um lugar para transmitir sua rádio pirata – um lugar em alto-mar, onde a legislação britânica não tivesse poder – por isso, inicialmente, ele se mudou com sua família para a base militar Knock John em 1928. Alguns anos depois, o limite territorial do Reino Unido foi estendido, atingindo a base e tornando Roy um ilegal, fazendo-o se mudar novamente, e desta vez para a base militar Rough Towers – a ilha-país.

A Marinha de Guerra britânica tentou expulsá-lo da nova base, mas a jurisdição do Reino Unido deliberou que Roy estava além dos limites e que o governo não poderia fazer nada. Foi então que depois de nove anos, Roy tornou-se o príncipe de Sealand – como ficou conhecida a ilha – criou uma constituição, uma bandeira, um hino e até mesmo dólares de ouro e prata. Depois de um tempo, Roy criou até passaportes para aqueles que apoiaram a nação. 

Mas é claro que, como todo país, Sealand enfrentou alguns conflitos internos: em 1978, o primeiro-ministro da ilha planejou um golpe, fazendo da população e do herdeiro de Roy, Michael, reféns; felizmente, Roy conseguiu evitar o golpe e tomar o controle da situação. Anos depois, em 2006, um incêndio tomou conta da ilha, prejudicando sua estrutura e administração, mas o governo local decidiu vender vários acessórios para arrecadar fundos, além de também vender títulos de nobreza para o mesmo fim.

Foi somente em 2007 que o príncipe Michael pôs o menor “país” do mundo à venda por apenas um milhão de libras, alegando uma bela vista para o mar e tranquilidade absoluta.

Por causa disso, o site The Pirate Bay deseja comprar Sealand para poder abrigar o maior banco de dados de tracker de BitTorrents do mundo. Se isso realmente for feito, nenhuma entidade governamental poderá atrapalhar os piratas virtuais.

A única maneira de entrar em Sealand é por embarcações ou helicópteros. A população do lugar é de aproximadamente 20 habitantes que sequer precisam pagar impostos. A ONU ainda não reconheceu Sealand como país, mas quem sabe isso aconteça? Quem sabe não passe a existir outros novos países pelos mares?

Querendo saber mais sobre o tal lugar? Não deixe de assistir ao vídeo a seguir. O áudio não está em português, mas você pode ver diversas imagens interessantes:

Me adicione no Facebook: Nandy Martins