Seres da mitologia que realmente existiram: Kelpie #8

Voltando com a série “Seres da mitologia que realmente existiram”, falaremos sobre Kelpie, um ser que é bastante famoso na cultura escocesa e irlandesa. Mesmo se tratando de uma criatura do folclore, existem muitas dúvidas em relação a sua existência, o que tem causado medo em vários povos dessas regiões.

Os Kelpies fazem parte da mitologia Celta, sendo descritos como seres que assumem a forma de cavalos robustos. Normalmente, habitam lagos e rios da Irlanda e da Escócia. Em sua maioria, na cor preta, essas criaturas possuem características que o identificam.

Sua pele é macia e lisa, como a de uma foca, e também gelada, como de um cadáver. Sua crina está constantemente encharcada. Há também, a possibilidade de assumirem a forma humana. Para identificá-los, basta reparar nas algas que cobrem seus cabelos.

As histórias contam que o Kelpie fica na margem dos lagos e rios, mostrando-se como uma ótima opção para viajantes cansados que necessitam de ajuda para atravessar ao outro lado, ou então, para crianças, que simplesmente desejam montar um cavalo.

Assim que a vítima monta em suas costas, o Kelpie a gruda em seu corpo e mergulha na água. Por ser muito rápida, a criatura atinge o fundo do rio ou lago com facilidade.

Há ainda uma versão da história que mostra o Kelpie na forma de uma mulher muito bonita, que atrai as vítimas e as carrega para as profundezas, a fim de devorá-los.

As centenas de relatos de viajantes e crianças que viram seus amigos sendo carregados para o fundo do rio ou lago, aumentam ainda mais os rumores de que o Kelpie realmente exista.

Alguns pesquisadores percorreram diversos rios e lagos da Escócia e da Irlanda, a fim de encontrar algum Kelpie. Em um desses locais, foi visto um cavalo preto com a crina meio esverdeada, que pastava ao lado do rio.

Com medo, os pesquisadores se afastaram e acabaram por não registrar imagens, pois a criatura parecia saber que estava sendo observada.

Lembrando que se tratam de lendas e histórias, por isso não há 100% de certeza de que essa criatura realmente existiu, no entanto alguns relatos e essa experiência do grupo de pesquisadores deixou uma ponta de dúvida na cabeça de muita gente.

Gostou desse artigo? Clique em Curtir.

  1. Lynn Rock

    18 de janeiro de 2016 em 21:45

    Que pena que não existe mais…

  2. Shostakovich Russo

    18 de janeiro de 2016 em 03:50

    E esse é o poder da vida.

  3. Leandro Manoel

    18 de janeiro de 2016 em 00:24

    A matéria teria mais credibilidade se você colocasse o titulo de ” Seres que Realmente criei para viver no meu mundo “

  4. Blue

    17 de janeiro de 2016 em 23:38

    Gostei do post! Já ouvi falar nessa lenda, amo pesquisar a cultura de povos antigos, o povo nessas terras tem orgulho de sua cultura e muitas histórias são passadas de pai pra filho. Muitas lendas deixam dúvidas nas cabeças dos cientistas, o mundo sobrenatural é fascinante, quantos segredos nosso mundo ainda guarda?

    • Gabriel Frigini

      18 de janeiro de 2016 em 03:06

      todos né rsrs

  5. André Silva

    17 de janeiro de 2016 em 21:50

    Muito interessante o post, parabéns! Só uma sugestão: substitui o “realmente” por “supostamente”, porque não foi provado.

    • chapolim do mal

      18 de janeiro de 2016 em 20:35

      Cala boca merda, só fala fera. Brinks. Realmente deveria trocar esse título.

    • Gabriel Frigini

      18 de janeiro de 2016 em 03:06

      faz sentido meu amigo!

    • Alice

      18 de janeiro de 2016 em 00:24

      Gosto dos seus comentários, até me fez criar conta para poder curti! ^^

      • André Silva

        18 de janeiro de 2016 em 00:59

        Minha resposta tá lá embaixo por causa de um bug do minilua.

  6. Caciano Genz

    17 de janeiro de 2016 em 21:25

    CRIPTOZOOLOGIA é cultura! por favor, postem mais..

    • Gabriel Frigini

      18 de janeiro de 2016 em 03:06

      boa!

    • Blue

      17 de janeiro de 2016 em 23:28

      Concordo muito, sempre fui apaixonado por criptozoologia, é tão interessante descobrir as coisas bizarras que vagam por aí sem nosso conhecimento

      • Gabriel Frigini

        18 de janeiro de 2016 em 03:06

        verdade

  7. Rodrigo Duarte

    17 de janeiro de 2016 em 20:30

    Boto mais fé no ET Bilu
    [img]http://www.sapodoido.com.br/wp-content/uploads/2010/10/Msg_bilu.gif[/img]

    • Gabriel Frigini

      18 de janeiro de 2016 em 03:05

      ele pode pintar em uma edição hein rsrssr

    • André Silva

      18 de janeiro de 2016 em 00:57

      Nossa, fico feliz que meus comentários agradam alguém, sério mesmo, espero que não só curta, mas comente sempre, quanto mais gente e opiniões melhor 🙂

      • Mari

        18 de janeiro de 2016 em 11:08

        e tb dá dicas de culinária né haha

      • Alice

        18 de janeiro de 2016 em 02:07

        Sou um pouco tímida, vou ficar observando, provavelmente eu irei excluir essa conta e voltar a ficar anônima, era só para você saber que tem alguém que gosta dos seus comentários :v

        • Gabriel Frigini

          18 de janeiro de 2016 em 03:07

          admiradora secreta…

        • André Silva

          18 de janeiro de 2016 em 02:16

          Não exclua, tem muita gente tímida aqui. Comente sem medo de ser julgada, se for o caso. No começo, nos primeiros comentários, a gente se sente acanhado, medo de falar besteira, mas depois dos primeiros dez comentários mais ou menos você se acostuma e fala o que quiser, nem liga se vão vir te contrariar ou algo do tipo. Vai por mim, experiência própria!

          • Alice

            18 de janeiro de 2016 em 02:30

            Ok!

      • André Silva

        18 de janeiro de 2016 em 00:58

        Nossa mano, de novo isso 🙁
        Esse comentário é pra Alice.

23 Comentários
mais Posts
Topo