As histórias de pegação das Olímpiadas

16138421
Engana-se quem pensa que a Vila Olímpica é um lugar de descanso e concentração dos atletas. É sim um espaço de confraternização, alegria e muita (mas muita) pegação. Sexo é liberado e rola solto durante os jogos, tanto que desde de 1988 o comitê olímpico divulga o número de preservativos que são distribuídos na Vila, não só para os atletas, mas também para jornalista, voluntários e que mais estiver lá trabalhando durante a festa do esporte. Além de camisinhas, são distribuídos também lubrificantes e testes de gravidez. E, como consequência dessa aglomeração de corpos atléticos de todo o mundo, surgem muitas histórias insanas de quem comemora e muito a chegada dos jogos.




Ouro, Prata, Bronze e Látex! (Seul, Coreia do Sul, 1988)

congdom games

Em 1988 foi a primeira vez que o comitê olímpico divulgou o número de camisinhas distribuídas aos atletas na Vila Olímpica: um total de 8.500 preservativos. Desde de 1988 esses dados tem sido divulgados (com exceção dos Jogos Olímpicos de Inverno de 2006, em Turim). Esses números variam, porque às vezes é divulgada a quantidade de preservativos distribuídos exclusivamente aos atletas, outras vezes, os números incluem os preservativos entregues a imprensa e aos voluntários. A cada ano esse número aumenta, provando que os esportes olímpicos não são as únicas “atividades físicas” que os atletas praticam durante os jogos. Na verdade o que acontece na Vila Olímpica vai muito além dos jogos…




A loucura que foi Sydney (Sydney, Austrália, 2000)

As Olimpíadas de Sidney entraram para a história como uma das mais insanas. Pra se ter uma ideia, no final da Olimpíada, o time de futebol feminino da Austrália deu uma festa na Vila Olímpica e fez uma fogueira, queimando os móveis dos quartos dos atletas, depois disso elas ficaram se beijando em volta do fogo.

image (2)

Além disso, o atleta americano Josh Lakatos que estava ficando em uma casa próxima à vila, resolveu enganar o comitê olímpico e ficar mais uns dias na casa depois que sua competição - o tiro ao alvo - acabou. Ele queria “aproveitar” o resto da Olimpíada. A notícia de uma casa vazia se espalhou e no dia seguinte, a casa se tornou uma espécie de motel para os atletas.

Durante os Jogos de 2000, o atleta norte-americano de dardo, Breaux Greer, teve relações sexuais com três mulheres por dia. Inclusive, no vôo de Sydney para Los Angeles, na volta dos jogos, os comissários de bordo colocaram todos os atletas olímpicos na parte de trás do avião e as pessoas comuns na frente. Breaux Greer terminou no banheiro com uma famosa atleta.

Obvio que com tanta “atividade” as camisinhas distribuídas na Vila Olímpica de Sidney acabaram: os atletas usaram 70 mil preservativos, o que fez com que o comitê tivesse de pedir mais 20 mil, que também se esgotaram.




No inverno também dá vontade (Olimpíadas de Inverno - Vancouver, Canadá - 2010)

image
Um esquiador famoso contou para um jornalista da ESPN que em 2010, seis atletas fizeram uma orgia em uma banheira de hidromassagem em uma casa fora da Vila Olímpica “Foi uma festa de fim de noite na hidromassagem. Ela se transformou em uma orgia na hidromassagem “.  Reza a lenda que alemães, canadenses e austríacos estavam envolvidos.




Reavivando Sydney (Olimpíada de Londres, Inglaterra, 2012)

grindr

Londres não ficou atrás de Sydney na pegação. Os atletas, que chegaram na cidade uma semana antes do início da competição, estremeceram os servidores do Grindr (um app de paquera entre gays, que usa geolocalização para localizar usuários gays e bissexuais nas proximidades). O aplicativo saiu do ar por 24 horas por conta do excesso de uso na cidade.
Na Vila Olímpica de Londres, 150 mil camisinhas foram distribuídas, cerca de 15 para cada atleta. Além dos preservativos, kits de teste de gravidez foram encomendados.




O Rio promete (Rio de Janeiro, Brasil, 2016)

201607221324269655

Lógico que a Olimpíada do Rio não poderia ficar atrás na pegação… Se os apartamentos não são dos melhores, com certeza os atletas estarão bem “protegidos” durante os Jogos. Pelo menos um recorde já foi batido nessas Olimpíadas: 350 mil preservativos foram distribuídos nos apartamentos, além de 100 mil camisinhas femininas e 175 mil pacotes de lubrificante. Isso são quase 42 preservativos por atleta (lembrando que são oficialmente 19 dias de Jogos). Esse número é o triplo das olimpíadas passadas! Haja preparação física!

  1. Iron Man

    1 de agosto de 2016 em 16:42

    Mas no final quem se fode é o povo!

  2. José Carlos da Silva

    31 de julho de 2016 em 15:18

    Pô, tocar nesse assunto sem nem mencionar as Olimpíadas de Barcelona? Com o Dream Team de basquete de Patrick Ewing, Larry Bird, Scottie Pippen, Michael Jordan, Karl Malone e Charles Barkley na área, com as suecas fazendo topless na praia, as nadadoras de não sei que país balançando os peitos na varanda do prédio o dia todo…

    Bom, tenho a teoria de que desde o começo do ano olímpico, o povo treina tanto que transa pouco nesses seis meses. Aí tu chega na vila olímpica: aquele bando de gente que transou pouco, povo bonito em muitos casos, todo mundo em excelente forma física, muitos cheios de curiosidade de saber como é transar com alguém que mal fala o seu idioma, meio mundo subindo pelas paredes… ma óbvio que vai rolar muita putaria!

    A única cois que eu fico inconformado é de nessa putaria toda nunca ter tido divulgação de sex tape…

  3. fullmetal66

    31 de julho de 2016 em 03:55

    Brasil um país foda

4 Comentários
mais Posts
Topo