Minilua

Terraformação e o futuro da humanidade

Todo mundo sabe que nós temos uma data que limita nossa existência na Terra, pois, daqui há alguns bilhões de anos, o Sol vai colapsar e transformar nosso planeta natal em um lugar inabitável. Para evitar que esse trágico fim nos leve junto, alguma coisa radical precisa ser feita:

As opções

Quando falamos no futuro da humanidade fora da Terra, a primeira ideia que vem a cabeça é abandonarmos o planeta e irmos morar em outro. Porém existem vários problemas que tornam essa opção bastante complicada.

O primeiro deles é o tamanho das distâncias nesse Universo. Nós estamos acostumados a medidas pequenas, como metros, quilômetros, milhas, mas tudo a nossa volta é muito maior do que isso. As distâncias interestelares são medidas em anos-luz, sendo que cada ano-luz é 100000000000000000 metros!

A estrela mais próxima que existe por aqui é a Proxima Centauri, que está a 4,24 anos-luz do Sol. Mesmo com a espaçonave mais rápida já criada pela humanidade, levaríamos mais de um bilhão de anos para chegarmos lá.

Apesar dessas enormes distâncias, existem mais de 300 bilhões de estrelas na Via Láctea e a maioria delas tem planetas em sua órbita. Por isso, as chances de acharmos um planeta com uma atmosfera semelhante à de nosso planeta, que tenha água em abundância e as outras coisas necessárias para vida, são bastante boas. O problema é que esse planeta perfeito pode estar longe demais. E se assim for, resta ainda uma opção, meio maluca, mas que é levada a sério por alguns cientistas que acreditam no futuro da humanidade:

Terraformação

O ser humano é um organismo muito complexo, que precisa de diversas coisas para sobreviver. Como a evolução foi moldando os humanos para viverem bem na Terra atual, a adaptação a outro lugar pode ser impossível a curto prazo. O pensamento que temos, sempre que falamos em colonizar um planeta, é a criação de grandes estruturas capazes de sustentar a vida, onde haja oxigênio, proteção contra raios solares e um local capaz de sustentar a vida de outros animais e plantas para a alimentação.

Esse tipo de construção é complicada, mas pode dar certo. Porém, basta um pequeno acidente para que tudo vá por água abaixo. Além disso, essas cápsulas de sobrevivência limitariam a vida a um espaço pequeno, impedindo grandes populações, deixando tudo mais caro e complexo. Por isso, o ideal mesmo é um planeta que seja bem semelhante a nossa Terra atual. Mas se não existe nenhum aqui por perto, porque não criamos ele?

O petróleo possui registros com mais de 6 mil anos de idade, contudo, seu uso ostensivo só começou a ocorrer no século XIX. Desse tempo para cá, essa simples atitude humana acabou afetando todo o clima do planeta, gerando um aquecimento que pode desequilibrar tudo e causar diversos problemas. Agora imagine, se pudéssemos usar esse tipo de modificação em escala global para deixar um planeta mais aprazível para a vida?

Essa é a ideia da terraformação. Transformar um planeta com um clima diferente ao que estamos acostumados e criar uma nova Terra, onde a vida possa se desenvolver livremente, da mesma maneira que ocorre por aqui.

É possível?

Sim e não. Atualmente, nós não dispomos de todas as tecnologias necessárias, mas talvez daqui há algum tempo isso possa ser diferente. E para o futuro já existem até algumas ideias.

A terraformação é um processo longo, que deve levar décadas para ser completado. O primeiro ensaio dos humanos nesse sentido deve ocorrer em Marte.

O primeiro passo seria dar uma atmosfera ao planeta vermelho, gerando um efeito estufa proposital. Como não temos os gases necessários sobrando aqui na Terra, teríamos que buscá-los em outro lugar. A opção mais óbvia é a Nuvem de Oort, um enorme aglomerado de asteroides dos mais diversos tipos, formados por muitos materiais diferentes.

A ideia seria jogar esses asteroides, com os materiais necessários, em Marte, de maneira controlada, evitando impactos que poderiam mais atrapalhar do que ajudar. Depois que o planeta tivesse uma atmosfera densa o bastante para se manter em uma temperatura semelhante à da Terra, gases como oxigênio e nitrogênio precisariam ser colocados no ar para possibilitar a vida.

Esse processo ainda precisaria de algas e outros seres modificados geneticamente para fazerem alguns serviços de mudanças químicas no ar e coisas do gênero. Por isso, a terraformação é um processo complexo, que além de envolver avanços na área espacial, teria que ser um processo conjunto de todas as áreas do conhecimento humano.

Um dos maiores problemas existentes com esse tipo de ação é a economia. O investimento necessário para tal projeto seria gigantesco e o retorno levaria muito tempo para ocorrer. Porém, talvez, no futuro, essa seja a única saída para que a humanidade continue vivendo. Aí sim, o dinheiro terá que ser deixado de lado e a luta contra a extinção será mais importante.