Minilua

Por trás da música: Talvez a metade do caminho #17

Pai, essa é mais uma homenagem que eu faço a você. Você foi meu grande mestre, meu grande herói. Sinto sua falta, um dia a gente se vê…

Alexandre Magno Abrão, o Chorão, vocalista do Charlie Brown Jr. que veio a falecer esta semana, teve uma infância e adolescência difíceis, a sua mãe era doméstica, fazia pastéis e cozinhava pra fora pra ele ir entregar. Chorão vivia na rua, ia mal na escola, parou de estudar na sétima série, e frequentemente tinha problemas com a polícia.

Quando tinha 11 anos seus pais se separaram e aos catorze anos, sua mãe teve um derrame e quase morreu. Aos 21 anos (em 1992), formou com Champignon a banda What’s Up, parceria que mais tarde resultaria no Charlie Brown Jr., banda que estourou em 1997 com o CD “Transpiração Continua Prolongada”.

Em 2000, quando completava 30 anos, Chorão perdia seu pai, fato que o abalou profundamente. A banda, compreendendo a falta que seu pai fazia, decide dar um tempo, enquanto Chorão pensava seriamente em sair da banda.

Durante 6 meses, ele fica em casa, sem fazer nada, sem motivação, barba crescida, engordando 20kg… Nesse meio tempo, Chorão teve um sonho com seu pai.

[…] eu tive um sonho com ele, talvez tenha sido o sonho mais claro, que eu consiga lembrar, de todos os sonhos que eu já tive na minha vida, onde eu vi meu pai bem, meu pai curado, vi meu pai feliz e saudável.

Ele dizia pra mim, não se preocupa eu tô bem, tô ótimo, eu vou cuidar de você, vou olhar você daqui de cima[…]

Após todo este período obscuro e de incertezas em sua vida, o vocalista retorna às gravações e o Charlie Brown Jr. grava o CD “Nadando com os tubarões”.  Em diversas faixas deste CD encontram-se referências que refletem o momento delicado pelo qual Chorão estava passando. Como na música “Ouviu–se falar”:

Ouviu-se falar
Que estive pra desistir
[…]
Eu estive pra explodir
[…]
Não vou mentir
Penso muito em nós
Não vou mentir, nos destrói
Quero ouvir a sua voz
Chamar por mim
Quero ouvir você falar
[…]
Desistir não, porque?

Ou ainda, mais diretamente, em “Trocando uma ideia com Deus”, citada no início desta postagem:

Nos meus braços você se foi
Nos seus braços eu quero acordar
Essa é uma homenagem a todos os pais
Pai, essa é mais uma homenagem que eu faço a você
Você foi meu grande mestre, meu grande herói
Sinto sua falta, um dia a gente se vê…

E, claro, na música “Talvez a Metade do Caminho” mencionada no título deste artigo:

Eu queria ter voltado no tempo
Não deixar faltar
O que te faz mais falta
[…]
Tento me lembrar de um sonho
Que tive com você
Nos meus braços você se foi
Nos seus braços eu quero acordar
E das coisas que você não fez
Porque não quis me incentivar a dar a volta
Mas a verdade é que a distância entre nós me fez tanta falta!
[…]
O dom que Deus te deu entrou pra história do tempo…
[…]
Vai com Deus meu pai, vai…

Seis meses antes de sua morte, Chorão havia se separado e desde então acabou caindo em uma profunda depressão.

“Ele estava oscilando muito. Ficava muito deprimido, aí melhorava um pouco, parecia que estava reagindo, aí caía novamente. A separação da esposa foi muito dura pra ele, piorou ainda mais o seu estado […] Na semana passada, ele disse para o irmão que tudo estava complicado e que sua vontade era encontrar com o pai dele, o meu tio, que morreu há uns 10 anos. […] Ele dizia que se sentia só em todos os lugares. No avião, nos shows, sempre. E após a separação isso ficou ainda mais latente nele. Estava mesmo difícil de lidar”

Sônia Abrão, apresentadora e prima do músico.


[fb]

 

Talvez a Metade do Caminho

Eu queria ter voltado no tempo
Não deixar faltar
O que te faz mais falta
Hoje eu tenho tudo que eu podia querer
Mas dinheiro não é tudo tenho muito a fazer
Muito a fazer

Se você quer rodar
Eu vou guiar
Vamos fazer o melhor que há
Se você quer rodar
Eu vou guiar
Coisa no mundo melhor não há

O melhor da vida é aprender bem mais do que já se sabe…

Tento me lembrar de um sonho
Que tive com você
Nos meus braços você se foi
Nos seus braços eu quero acordar
E das coisas que você não fez
Porque não quis me incentivar a dar a volta
Mas verdade é que a distância entre nós me fez tanta falta!

O dom que deus te deu entrou pra história do tempo…
Charlie Brown Jr, ano 2000, disco 3

Vai com deus meu pai, vai…

 

Atualização: Haters dirão “minha nossa, só se fala nele”, “todos só lembram quando se vai”, etc, mas esta é apenas uma homenagem do Minilua procurando mostrar o lado mais humano deste artista. Nada de anormal em falar de alguém “apenas por que se foi”, nós seres humanos somos assim, portanto deixe a hipocrisia de lado neste momento.