Minilua

Usamos apenas uma parte do cérebro?

Quem nunca ouviu a história de que nós usamos apenas uma pequena parte de toda a capacidade de nosso cérebro? Certamente alguém já lhe falou isso e provavelmente falou tal coisa como se fosse um fato científico comprovado. Mas será que é verdade mesmo?

O mito

Essa história normalmente fala que nós usamos apenas 10% de nossa capacidade cerebral e se conseguíssemos usa-la em sua totalidade, teríamos poderes enormes e seríamos muito mais inteligentes. Alguns até falam que Einstein e outros grandes cientistas conseguiam usar uma porcentagem maior do cérebro, dessa maneira eles eram capazes de realizar grandes feitos.

Alguns até falam que, se o cérebro fosse usado com todo seu poder, os humanos teriam poderes sobrenaturais, como prever futuro, mover objetos com o pensamento e coisas assim.

Surgimento

Não se sabe exatamente onde essa história apareceu, contudo existem algumas possibilidades, pois várias vezes alguns pesquisadores falaram coisas semelhantes a isso.

Em 1890, dois psicólogos de Harvard, William James e Boris Sidis, fizeram teste com um garoto prodígio e afirmaram que nós usamos apenas uma pequena parte de todo nosso potencial. Em 1936, o escritor Lowell Thomas repetiu a mesma coisa, dessa vez colocando os famosos 10% no meio da história.

E depois disso em muitas ocasiões mesmo tema foi levantado, às vezes por pessoas que nada sabiam, às vezes por pesquisadores que interpretavam os dados de maneiras errada, ou, devido às limitações da época, acreditavam que usávamos apenas uma parte do cérebro realmente era usada.

A lenda

Assim surgiu a lenda, que se espalhou e enganou milhões de pessoas em todo mundo. Inclusive filmes e livros já abordaram esse tema, criando uma falsa base cientifica que as pessoas, erroneamente, adoram usar. Porém a ciência de verdade investigou a fundo o assunto e eis seu veredicto:

A verdade

– Nosso cérebro representa somente 2% de nosso peso, mas consome mais de 20% de toda nossa energia. Caso 90% dele não fosse usado, a evolução teria eliminado essa parte extra, pois seria péssimo para a espécie;

– Através de tomografias e ressonâncias magnéticas é possível monitorar o cérebro e seu funcionamento, o que revelou para humanidade que nós o usamos totalmente;

– Colocando microelétrodos no cérebro, os cientistas puderam avaliar o funcionamento de células individuais e caso elas estivessem usando apenas 10% de sua capacidade, isso seria facilmente notado;

– Células cerebrais poucos utilizada acabam se degenerando, então se a maior parte do cérebro fosse inativa, a situação desse órgão quando morremos seria muito ruim e notaríamos tal coisa com facilidade.

Embora o cérebro ainda seja um órgão que está sendo estudado, sabemos que ele funciona a todo o vapor, utilizando-se de todos seus recursos e todas as suas áreas são ativas. Por isso esse papo de 10% de utilização não passa de mais um lenda urbana, daquelas que supostamente tem base científica, quando na verdade não tem nenhuma.

Siga Diego Martins no Google+: gplus/diegomartins

Ou adicione no Facebook: http://www.facebook.com/diegominilua

Faça parte de nosso grupo: http://www.facebook.com/groups/188760724584263/